Saber-Literário

Diário Literário Online

Ah, se o próximo fosse igual à humanidade... - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 09/08/2017

Ah, se o próximo fosse igual à humanidade...
R. Santana


Eu fico aqui, ruminando as minhas ideias, no meu cantinho, à Rua Cosme Damião, 69, São Caetano, distante alguns metros do mercado a céu aberto mais velho do mundo que se tem notícia, que remonta às mais antigas civilizações egípcias, gregas e romanas: a feira-livre. Os judeus faziam dos seus templos feiras-livres, tanto que Jesus Cristo os expulsou com chicotes de cordas: “Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” (Jo 2,13-25), no Século I, de lá pra cá, mudou só o local, de templo pra praça, pra rua, mas o comércio livre permanece no mesmo molde. Porém, a nossa reflexão de hoje, não é pra falar de vendedores e feiras-livres, mas pra falar do homem, de sua natureza, de solidariedade, de amizade, de amor, e do maniqueísmo bem e mal.
 Nelson Rodrigues foi feliz quando disse: “É fácil amar a humanidade, difícil é amar o próximo”. Recorrendo mais uma vez a Jesus Cristo quando questionado no meio de judeus, fariseus, escribas, hebreus, essênios, gregos, reduziu os “Dez Mandamentos” em: ‘`Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento” e, “amarás ao teu próximo como a ti mesmo”, - pois toda Lei e os profetas dependem desses dois mandamentos.
Amar o próximo não é fácil, ainda mais, quando o próximo está próximo. O provérbio popular “quer conhecer o outro, é comer sal juntos”, é de um conhecimento metafísico, a proximidade demais só se enxerga defeito e não qualidade, pois na intimidade o outro se expõe, se desnuda, aí fica difícil amá-lo.
Diferente de Rousseau, o homem é de natureza má, a sociedade o torna bom. O nosso arquétipo atual de homem é diferente do homem de Thomas Hobbes O homem é essencialmente mau, bruto, animal, mas a educação e a instrução deixam-no humano e sociável.
De acordo Claude Lévi-Strauss “o homem obedece a leis que ele não criou: elas pertencem a um mecanismo do cérebro”, a função da sociedade através estado, é desenvolver esses mecanismos para que homem viva e conviva em seu meio ambiente de forma inteligente e civilizada. .Se fosse possível voltar ao Homo erectus, ao Homo sapiens, ao homem de Neandertal, constatar-se-ia que a herança biológica é a mesma do homem atual, não houve evolução darwiniana, o homem não evoluiu do macaco, porém, a herança comportamental é diferente, esses homens eram animais e não “personas”, pessoas, ou seja, eles eram “bichos”, movidos por instintos primitivos, de sobrevivência, alguns nômades e outros sedentários.
Mesmo com as boas competências socioemocionais, culturais, políticas e religiosas, adquiridas pelo homem ao longo do tempo, potencialmente, ele é egoísta, predador, possessivo, corruptor, passional, narcisista, sádico, torturador, desonesto, infiel, covarde, invejoso, falso e criminoso.
Estimado leitor, faz-se necessário esclarecer, que grosso modo, o sujeito isolado, não desenvolve e não possui toda essa carga de emoções negativas, salvo, uma personalidade de distúrbios mentais sem limite, uma personalidade psicótica. O sujeito de atitudes consideradas “normais”, através da educação e da cultura, desenvolve sentimentos que o aproxima mais do seu próximo, a exemplo de generosidade, de lealdade, de fidelidade, de humildade, de gratidão, de coragem, de amizade, de solidariedade e de amor.
Esses sentimentos não são psicogenéticos, hereditários, atávicos, isto é, não estão inscritos nos genes, no DNA; são sentimentos psicossociais, ou seja, adquiridos pelo sujeito por influência do seu grupo social ou de outros grupos sociais. 
No Século XIX, o médico e antropólogo criminal, Cesare Lombroso, sustentou a tese de que o sujeito nasce com predisposição criminosa, herança genética irreversível, como se fosse uma doença crônica, que se mantém latente com paliativos, jamais se obtém a cura definitiva. Ele até escreveu alguns ensaios científicos como identificar um criminoso pelas suas características físicas e patrimônios atávicos, que hoje, são referências históricas, literárias, mas sem validades científicas.
Parece contradição dizer que o homem é essencialmente mau acima e contradizer Lombroso, porém, existe uma diferença significativa, não é porque o homem nasce de natureza má e necessariamente vir a ser um criminoso. O homem é como o barro de oleiro, essencialmente barro, todavia, ele poderá moldá-lo em tijolo, panela, brinquedo lúdico, tigela, etc. Por conseguinte, a matéria prima é a mesma, mas a finalidade é diversa.
O homem é o único animal inteligente (os demais têm comportamentos inteligentes e a maioria absoluta age por instinto), além de vontade e discernimento, portanto, ele determina o seu destino. Ele não nasce “pronto”, mas constrói sua história de vida, evidentemente, com a influência do seu meio ambiente, ele tem livre arbítrio pra escolher se quer ser uma pessoa do mal ou uma pessoa do bem, ele é “santo e pecador”.
Porém, não obstante a capacidade de escolha do homem, do seu livre arbítrio, de mecanismos psicológicos (dissimulação, reflexão, sublimação, racionalização, compensação, etc.), ele está sujeito a certos mecanismos sociais de limite e convivência: leis, normas, respeito às tradições, religião, política de governo, política de estado e, princípios éticos e morais.
A violência, os crimes contra vida, os crimes de conduta e os crimes ambientais têm sua origem na deficiência de educação, na deficiência de instrução, na ausência de políticas públicas de cidadania, na ausência de políticas públicas de combate à miséria (não confundir com assistencialismo), no afrouxamento das leis, na deficiência de outras políticas de estado, de governo, e, na ausência de princípios religiosos, morais e éticos, porque ninguém nasce criminoso, ladrão, estuprador, predador...
Enfim, o próximo não é igual à humanidade, o próximo é o repositório de fatores instintivos do comportamento, de linguagem articulada, de fatores conscientes, de razão, enquanto a humanidade é a sublimação do gênero humano, a purificação... O pensamento “é fácil amar a humanidade, difícil é amar o próximo” é emblemático, embora humanidade se refira à natureza humana, às características humanas, é um conceito ideal, abstrato, não é palpável quanto o homem, o próximo, que se é indiferente, que se odeia ou que se ama.


Autoria: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

   

1 Responses to Ah, se o próximo fosse igual à humanidade... - R. Santana

  1. ADOREI A CONTEXTUALIDADE.
    AGORA, ACREDITO QUE O PROXIMO SO SE FOR, REALMENTE, O DIVINO AMADO JESUS CRISTO, OUTRA VEZ, PARA EXTINGUIR OS ESPIRITOS E OS HUMANOS MAUS.
    SALVE A PUREZA E A BELEZA DOS SENTIMENTOS.
    MEUS SINCEROS PARABENS PELA REFLEXÃO E TEXTO.
    SEU LEITOR E FÃ.
    JOÃODEPAULA.

     

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.