Saber-Literário

Diário Literário Online

Máquinas põe Chico Xavier à prova e resultado é surpreendente.

Postado por Rilvan Batista de Santana 04/07/2017

Máquinas põe Chico Xavier à prova e resultado é surpreendente.
Foto: divulgação

Há 15 anos o mundo perdia Francisco Cândido Xavier, um dos líderes espíritas mais famosos de todos os tempos e autor de exatos 412 livros escritos. Coleção essa que ele sempre rejeitou o papel de autor: afirmava que a obra era inteira psicografadas.

O aniversário da morte de Chico Xavier colocou essa questão novamente em discussão. Isso porque uma empresa brasileira resolveu fazer uma investigação da obra do líder espírita utilizando nada menos do que inteligência artificial. A ideia girava em torno da resposta de duas perguntas principais.

A primeira delas era sobre estilo. Teriam cada um desses autores que Chico Xavier alegava ter psicografado um estilo próprio? A segunda, é quase complementar a essa: os autores são suficientemente diferentes entre si?

Quem resolveu tentar buscar uma resposta para essa pergunta foi a empresa Stilingue, atuando na área da análise de textos via inteligência artificial como forma de “resumir a internet” e encontrar tendências que estejam sendo criadas em redes sociais. Para analisar a obra do médium, eles utilizaram a máquina chamada Deep Learning.

O processo é o seguinte: a partir de uma quantidade enorme de dados, o computador aprende a criar relações entre eles sem a necessidade de aprender o que é um verbo ou um substantivo, por exemplo. Assim, ele é capaz de entender que, caso vá reescrever a Bíblia, o computador saberá que precisa colocar um número antes de cada frase para refazer a estrutura em versículos.

A técnica já foi utilizada, por exemplo, para recriar Shakespeare. No caso do dramaturgo, o trabalho foi considerado bem sucedido. Afinal, apesar de alguns erros, o computador conseguiu “imitar” perfeitamente o estilo do inglês. As frases não faziam sempre total sentido, mas os tempos verbais e a criação de novas palavras mudando seus finais, marca de Shakespeare, foram fielmente reproduzidos.

Para fazer a técnica funcionar com Chico Xavier, a empresa resolveu escolher os três principais autores que eram psicografados pelo médium: Emmanuel, André Luiz e Humberto dos Campos. Foram selecionados três grandes livros de cada autor e o processo feito com Shakespeare foi então repetido pela máquina.

Logo de cara a primeira pergunta feita pelo estudo foi respondida: cada autorizá-los tem sim um estilo razoavelmente marcante e uniforme. Na sequência, os pesquisadores misturaram os textos de diferentes autores para confundir a máquina. Mandaram o bot criado para reproduzir Emmanuel, por exemplo, escrever com base na obra de Humberto. E deu muito errado.

Esse erro na hora de misturar as escritas provou que os modelos eram simplesmente incapazes de encontrar padrões iguais de estilo em livros de diferentes entidades espíritas. Ou seja, os autores são sim bastante diferentes entre eles, dado o acesso da pesquisa a essa informação.

Quanto à psicografia em si, o estudo não conclui nada que não que esse ato é uma questão de fé. Por outro lado, a genialidade do médium é devidamente comprovada. Mesmo sem a questão da sobrenaturalidade, é impressionante para pesquisadores que uma só pessoa tenha escrito tanto com personas comprovadamente distintas.

Fonte: Yahoo





0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.