Saber-Literário

Diário Literário Online

O FUXICO NO ABC DO ALENCAR OU A NOITE NO BECO DO CABOCLO - Adriana Dantas

Postado por Rilvan Batista de Santana 24/05/2017

O FUXICO NO ABC DO ALENCAR OU A NOITE NO BECO DO CABOCLO - Adriana Dantas

  Para entendermos este título, é preciso irmos por parte!

          O Caboclo, que na verdade é mulato, é o sorocabense que se mudou para Itabuna com a mãe, quando tinha três anos de Idade. Portanto, considera-se mais baiano do que paulista. Não por vontade própria, mas por obrigação, teve de escolher a profissão de comerciante, ajudando o padrasto no açougue de sua propriedade.

          Alencar é o seu nome verdadeiro: Alencar Pereira da Silveira. Ficou conhecido por Caboclo porque ele próprio chamava os fregueses de caboclo, quando o nome deles lhe fugia da mente. Já como o feitiço costuma virar contra o feiticeiro, o apelido pegou. Muito conhecido no comércio, por causa do açougue, passou a ser chamado, por todos, dessa maneira.

          O porquê a sigla ABC?

          Bem, quando o consumo do óleo animal passou a ser substituído pelo óleo vegetal, as carnes gordas, como as banhas e toicinhos, sofreram uma queda acentuada no mercado de carne. Percebendo o enfraquecimento do comércio, o Caboclo Alencar, que no fim dos anos 50 assumira o açougue sozinho, resolveu mudar de ramo, aproveitando o ponto para transformá-lo em um bar. Em 1962, no dia 28 de julho (dia do aniversário da cidade), vendendo bebidas e tira-gostos, o bar veio a ser inaugurado. Como nessa época havia casas comerciais com o nome ABC  (como era o caso do ABC da Bicicleta) e por sugestão de um dos seus clientes que também conhecia um bar ABC, em uma outra cidade, Alencar não se deu ao trabalho de pensar muito num outro nome. Assim, o ponto foi batizado com o nome ABC, ou melhor, ABC da Noite, já que, nessa primeira fase, o Caboclo Alencar mantinha o bar aberto até as vinte e uma horas.

          Com 41 anos de funcionamento, o ABC da Noite, inevitavelmente, é um bar tradicional na cidade. Localizado na Rua Adolfo Leite, mais conhecida pelo nome  Beco do Fuxico (a viela levou este nome porque cortava as ruas do meretrício: Quartel Velho e rua do Lopes – antiga rua da Garapa – ali costumavam ser marcados os encontros amorosos com as raparigas!), está aberto todos os dias somente das dez ao meio-dia e meia e das dezessete às dezenove horas – horários cumpridos, na íntegra,  pelo metódico Caboclo Alencar e respeitados (que jeito!) pelos assíduos frequentadores. Comparável a um boteco, pois nele não há mesas e o atendimento é feito no balcão, em pé, o ABC da Noite não teria nada de especial, não fossem as bebidas que o Caboclo Alencar põe à venda. Desde o início, as famosas “batidas” têm sido o segredo do bom negócio: frutas da época misturadas com uma cachacinha de primeira,  funcionando como um chamariz para os apreciadores das bebidas quentes. Quem as degusta com prazer, termina sempre encontrando um bom motivo (ou boa desculpa!) para beberica-las: após o trabalho, para aliviar o cansaço do expediente; antes do almoço, para abrir o apetite; no calor do verão, para refrescar; no inverno, para esquentar; nos momentos  de tristeza, para esquecer; nos de alegria, para comemorar... Assim, quem começa com a bebida de gengibre, quer também provar a de caju, a de pitanga, a de cajá... hic! A receita de como prepara-las o Caboclo Alencar não dá a ninguém. “A Coca-Cola também não dá a sua receita, por que eu daria a minha?!” – explica-se.

          Para manter a qualidade das batidas, Caboclo Alencar resolveu reduzir tanto o horário do expediente, quanto o cardápio, pois percebia que não dava conta dos pedidos da clientela. Sem querer ampliar o espaço e nem contratar funcionários, pois se dava por satisfeito com o pequeno empreendimento, decidiu fechar a cozinha, para poder dedicar-se diariamente à sua manufatura predileta. Com notável especialização, por vezes dá-se até ao luxo de inventar novas receitas com frutas exóticas como pêssego, damasco ou ameixa, mesmo assumindo o risco de não vendê-las, pois elas se tornam muito mais caras do que as feitas com frutas regionais. Preparadas com capricho, cada uma delas tem um gosto especial, mas se perguntarmos ao Caboclo de qual batida ele mais gosta, a resposta é imediata: “a que mais gosto é aquela que mais vendo”. E, de fato, esse exímio comerciante tornou-se tão especializado em sua área que não precisa temer a concorrência. Todos os dias, o número de pessoas que se reúne na porta do bar é tão grande que a rua, que já é estreita fica engarrafada. Interessante é notar que, ainda hoje, 98% dos fregueses são homens. Frequentado por profissionais liberais, funcionários públicos,  bancários e comerciantes, o “fuxico” preferido é a política. Até o dono do estabelecimento admite que, se conversa de bar adiantasse, os clientes dele já teriam resolvido, há muito, os problemas do mundo!

          A popularidade do ABC da Noite deve-se também ao Carnaval. Segundo conta o próprio Caboclo Alencar, ainda na década de 1960, um engenheiro que construía um trecho da estrada Ilhéus-Una apareceu em Itabuna no início de um dos carnavais, sugerindo a lavagem do Beco do Fuxico, à imitação do Beco Maria Paz,  em Salvador, . Dois dias depois, ao retornar à cidade com um pequeno carro-pipa e os apetrechos necessários, como vassoura e sabão, resolveu dar início ao trabalho de esfregamento.  A moda pegou. A população aderiu. A prefeitura apoiou. A festa cresceu. E haja batida para acalmar a sede dos foliões! Entretanto, a festa popularizou-se de tal forma que o Caboclo Alencar, atualmente, prefere fechar o bar durante o Carnaval. “No início era divertido, o povo lavava mesmo a rua com água e vassoura e ainda tinha os blocos que faziam presença na porta do bar. Houve até o bloco A Escolinha do ABC da Noite, que durou sete anos. Hoje, a festa é tão grande que até já se tornou anônima” – avalia.

          Há 52 anos trabalhando como comerciante (doze anos como açougueiro), o Caboclo Alencar ainda não se cansou de trabalhar. “Trabalho porque preciso e também porque não gosto da inatividade, nem física nem psicológica” – declara. Levando uma vida sistemática, estruturando seu dia com as horas de trabalho, dedica boa parte do seu tempo livre aos livros. O seu grande sonho era tornar-se humanista e poder continuar os estudos, pois só pôde concluir o curso primário com o professor Chaloub. (Dessa época, ele ainda lembra o retrato do Presidente da República Getúlio Vargas, pendurado na parede da sala de aula). Mas não gosta de se queixar do destino que a vida lhe reservou, pelo contrário, sente-se feliz por sua conquista profissional.

          “O comércio já me proporcionou boas coisas. Nos tempos bons, cheguei até a comprar um carro e vivia bem. Hoje, com a crise, ganho a média de 20 a 30 reais, por dia, o que também não é tão mal assim, porque vou conseguindo me manter e manter a esposa. Aliás, estabilidade não é problema de dinheiro, mas de consciência. A gente se estabiliza com o que tem.”

          Aos 70 anos de idade e 16 de casado, Caboclo Alencar não teve filhos, e, por isso, sabe que a sua herança vai terminar ficando para Itabuna:

          O ABC DA NOITE DO CABOCLO ALENCAR, NO BECO DO FUXICO.

          Acertei o título?


 Fonte: 

ITABUNA Histórias e Estórias. EDITUS Editora da Uesc -Ano 2003


Adriana Dantas Andrade

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.