Saber-Literário

Diário Literário Online

O CENTENÁRIO DA ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA - ALB (1917-2017)
Antonella Rita Roscilli

A Academia de Letras da Bahia (ALB) é uma instituição cultural brasileira antiga e prestigiosa que visa cultivar a língua e a literatura nacional, preservando a memória cultural da Bahia, difundindo a literatura baiana e promovendo as formas culturais literárias de qualidade, através de lançamentos, conferências, debates e discussões literárias. Foi fundada em Salvador Bahia e, 7 de março de 1917, no mesmo dia e mês em que, alguns séculos antes, havia sido fundada a Academia Brasilica dos Esquecidos: 7 Março 1724.

Ao longo da história foram eleitos na Alb pessoas ilustres como o ex-governador Otávio Mangabeira, os escritores Jorge Amado, Zélia Gattai, João Ubaldo Ribeiro, o jornalista Jorge Calmon etc...

Em 2017 há muitas atividades programadas para celebrar o centenário de sua fundação. Em 10 de abril, dia em que, em 1917, pela primeira vez os membros da ALB tomaram posse, foi escolhido para a primeira cerimônia oficial dos festejos, durante a qual vão intervir autoridades e amantes da literatura.  Vão falar sobre a ALB os três presidentes mais recentes da instituição:  os acadêmicos Evelina a Hoisel, Aramis Ribeiro Costa e Edivaldo Boaventura. Além disso, haverá a apresentação do Madrigal da UFBA.

A partir de 2014 a instituição é dirigida por Evelina Hoisel, professora  do Instituto de Literatura e Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia. Um fato marcante, porque pela primeira vez na história foi eleita uma mulher para dirigir esta instituição de prestígio. Destacamos também que em 2014 foi eleita uma outra mulher como vice presidente: a estimada poeta e Diretora da FCJA Myriam Fraga, que terminou seu cargo em 2016, ano da sua morte. Os membros da ALB atualmente incluem, por exemplo, o historiador Luis Henrique Dias Tavares, Edivaldo Boaventura, Florisvaldo Mattos, Luis Antonio Cajazeira Ramos, Aleilton Fonseca, Edilene Dias Matos, Antonio Torres, Glaucia Lemos, Cyro de Mattos, Joaci Góes, co-fundador da jornal Tribuna da Bahia.

A atual sede está localizada no Palacete Góes Calmos, bairro de Nazaré, e cuja fachada foi renovada por ocasião do centenário. A restauração foi necessária, pois trata-se de um edifício histórico precioso. O trabalho foi realizado em parceria com a prefeitura de Salvador, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (CREA-BA) Regional, e a Escola Politécnica da UFBA, como mencionou a Presidente Hoisel.

Além da cerimônia em abril, este ano, haverá um concerto da Orquestra Sinfônica da UFBA, o lançamento de um livro sobre a história da ALB e um documentário que vai destacar seus principais membros e sua influência sobre a cultura do estado. Alguns seminários são planejados com especialistas na área da literatura acadêmica e que atuam dentro e fora da Bahia. Este ano, a prestigiosa revista da Academia, n.  55, deve ser publicado com conteúdo direcionado para lembrar a trajetória da instituição, a sua contribuição e os desafios para os próximos anos, juntamente com histórias, poemas, traduções e outros itens que normalmente formam parte da publicação anual.

Entre as muitas pessoas que, com amor e dedicação, se envolvem constantemente lembramos do professor Edivaldo Boaventura, Conselheiro de Educação, ex-secretário de Educação e Cultura do Estado, e um dos responsáveis ​​para a fundação do Doutorado em Educação na Ufba. Ele afirma: "A ALB é uma organização importante que também possui um valioso Arquivo e uma Biblioteca de mais de 30.000 volumes. funcionando como uma casa museu, com preciosas pinturas, mobiliário, coleções e móveis. E' um valioso centro para pesquisadores e no cotidiano chegam numerosos pedidos."
Como recorda o acadêmico Joaci Góes "A Academia de Letras da Bahia merece o apoio da sociedade e do governo, porque é sempre o porta-voz e símbolo da necessidade que a Bahia e o Brasil têm de lidar com a prioridade da educação das massas".

A Academia de Letras da Bahia foi fundada baseada no modelo da Academia Francesa e da Academia Brasileira de Letras, com quarenta assentos numerados, cada um com seu patrono permanente e imutável, quarenta membros e vinte correspondentes, todos eleitos para a vida e chamados de "imortais ". Mas as origens desta instituição remonta ao século XVIII. De fato, em 1724, na Bahia, na época parte da Colônia brasiileira,  foi fundada a Academia dos Esquecidos e mais tarde a Academia dos Renascidos (1759). Foram as duas primeiras tentativas para equipar o Brasil com uma entidade cultural capaz de reunir interesses literários.

Em 1845, o futuro Barão de Macaúbas fundou juntamente com outros literatos do Instituto da Bahia, uma espécie de Academia de Letras, onde se faziam  música e poesia,  discutindo sobre vários assuntos com os escritores mais importantes da literatura baiana. Mais tarde, o poeta e escritor baiano Almachio Diniz Gonçalves (1880-1937), após a tentativa de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, fundou em Salvador  a Academia de Letras Baiana de que se proclamou Presidente Honorário. Mas a instituição não decolou e o mesmo Almachio mais tarde se tornou um dos membros fundadores da instituição nova e definitiva. Entre os quarenta membros fundadores estavam Rui Barbosa, Severino Vieira, Egas Moniz Barreto de Aragão, Antonio Alexandre Borges dos Reis, Filinto Bastos etc. O engenheiro e intelectual Arlindo Fragoso era baiano de Santo Amaro da Purificação. Foi também  fundador da Politécnica e, em seguida, da Escola Politécnica da Bahia, tornando-se professor e diretor. O primeiro presidente da ALB foi o filólogo e professor Ernesto Carneiro Ribeiro, e Arlindo Fragoso foi eleito primeiro secretário. Os principais objectivos, desde a fundação eram "o cultivo da língua e da literatura nacional, preservação da memória cultural da Bahia e com o apoio e incentivo de eventos, mesmo nas ciências e setores das artes" (art. 1 dos estatutos ) sob o lema "Servir a Pátria honrando as Letras."

A primeira sede se encontrava no centro histórico do Pelourinho, especificamente no Largo do Terreiro de Jesus. Assim se começou a expandr a arte da literatura até que a sede mudou para o Campo Grande, perto do Palacio da Aclamação.  Apenas em 1983, o ALB conheceu sua localização final no belo Palacete de Góes Calmon, na Avenida Joana Angélica nº 198. É bom lembrar a história deste edifício através das palavras do acadêmico Edivaldo Boaventura. "O governador Francisco Marques de Góes Calmon (1874-1931) recebeu em seu  palacete personalidades como Afonso Pena, presidente do Brasil; Gago Coutinho e Sacadura Cabral, os dois portugueses pioneiros da aviação, o Príncipe Umberto II de Saboia, da Casa Real da Itália.

Após a morte de Góes Calmon, a casa tornou-se  sede do Museu de arte da Bahia, preservando diversas e belas coleções de arte do ex-governador, juntamente com a pinacoteca do colecionador Jonathas Abbott. Em 1983, o Museu de arte Moderna foi transferido no Corredor da Vitória, e a casa se tornou a sede da Academia de Letras da Bahia". Na nova sede a ALB aumentou a sua atividade ao ponto de se tornar um importante núcleo difusor da cultura, dedicada principalmente às Letras e Literatura brasileiro, em particular, letras baianas, que também ocorreu através de encontros com escritores, prêmios literários, bem como publicações da Revista Acadêmica.

Além das excelentes instalações, lembramos a Biblioteca "Jorge Amado", um ponto de referência para a produção baiana e um arquivo que preserva a memória de tudo o que é publicado pelos membros acadêmicos da ALB, e inteiramente à disposição dos pesquisadores. A sala de informática está aberta para pesquisadores e o site na internet coloca a instituição entre as primeiras filas dos arquivos para a pesquisa sobre atividades culturais de qualidade que ocorrem na Bahia. A organização também prevê um Prêmio Nacional de Literatura, um concurso literário que este ano vai trabalhar com poesia. A Presidente Evelina salientou que este concurso tem até agora revelado novos nomes de escritores do Estado.

Em 2011 também foi reinauguratd uma estátua do ex-governador da Bahia Francisco Marques de Góes Calmon, criada pelo escultor italiano Pasquale de Chirico em 1938, depois de um delicado trabalho de restauração. "Sob proposta do académico Ormindo Paulo Azevedo, a escultura se encontra agora ao lado esquerdo, logo que você entrar na Academia. Então, o governador continuará a receber todos aqueles que chegarem", revela o professor Edivaldo Boaventura. Todos aqueles que vêm para aprender sobre a importante ALB sítio que junta passado, presente e futuro da literatura baiana.

Lembre-se que, em geral, a Academia de Letras está localizada em todos os estados brasileiros e é uma sociedade literária organizada sem fins lucrativos. E' a mais alta autoridade para o idioma nacional, o português. Seus membros são eleitos por voto e são definidos "imortais", escolhidos entre aqueles que publicaram ensaios, artigos ou livros com reconhecido valor literário. A Academia Brasileira de Letras é a organização nacional  e está localizado no Rio de Janeiro. Primeiro presidente foi o escritor Machado de Assis, que a declarou fundada oficialmente em 20 de julho de 1897.


Antonella Rita Roscilli. Brasilianista, jornalista, escritora, pesquisadora e tradutora. Há mais de vinte anos vem se dedicando à divulgação na Europa da cultura latino americana, particularmente da cultura do Brasil e dos Países da África de idioma português, com matérias publicadas na imprensa e no mundo acadêmico, além de palestras. Formada na Itália em Lingua e Literatura Brasileira, è no Brasil Mestre em Cultura e Sociedade, Membro correspondente da Academia de Letras da Bahia e do Instituto Geográfico Histórico (IGHB). Traduziu para o italiano artigos, contos e obras de autores quais Carlos Nejar, Sérgio Paulo Rouanet, Zélia Gattai, Aleilton Fonseca, Florisvaldo Mattos. Biografa da memorialista brasileira Zélia Gattai, publicou sobre ela as obras literárias: Zélia de Euá Rodeada de Estrelas (ed. Casa de Palavras, 2006), Da palavra à imagem em “Anarquistas, graças a Deus” (ed. Edufba/Fapesb, 2011), Zélia Gattai e a Imigração Italiana no Brasil entre séc XIX e XX"(ed. Edufba-2016). Escreveu o posfacio da edição italiana de Um chapéu para viagem, (Un cappello di viaggio, ed. Sperling & Kupfer).




0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.