Saber-Literário

Diário Literário Online

ADVERTÊNCIA NÃO ENSINA LIÇÃO A JEAN WYLLYS

Postado por Rilvan Batista de Santana 08/04/2017

ADVERTÊNCIA NÃO ENSINA LIÇÃO A JEAN WYLLYS: A DESGRAÇA MODERNA EXPLICADA POR UM CUSPE IMPUNE!

O Conselho de Ética da Câmara aprovou nesta quarta-feira (5), por 13 votos a zero (uma abstenção), “censura por escrito” ao deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) por ele ter cuspido em Jair Bolsonaro (PSC-RJ) no plenário. O parlamentar pode recorrer à Comissão de Constituição e Justiça.
 
No ano passado, quando a Câmara analisava o processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, após votar contra o afastamento da petista, Jean Wyllys cuspiu em Bolsonaro, e o Conselho de Ética abriu um processo para apurar o caso.

Relator do processo, o deputado Ricardo Izar (PP-SP) havia proposto como pena a suspensão do mandato de Jean Wyllys por 30 dias, mas o parecer foi rejeitado por 9 votos a 4.

Após a rejeição do relatório, a comissão aprovou um parecer alternativo, apresentado por Julio Delgado (PSB-MG), que recomendou a advertência ao deputado do PSOL. Para Delgado, o cuspe representou uma “ofensa moral”, mas não foi premeditado.

Após a decisão do conselho, Jean Wyllys divulgou uma nota na qual afirmou que a tentativa de cassar o mandato dele “fracassou” em razão da mobilização da sociedade e do apoio de artistas e movimentos sociais e de direitos humanos contra a tentativa de “alguns homofóbicos”, da “bancada fundamentalista” e de aliados de Eduardo Cunha de “calar a voz” dele.

O deputado afirmou, ainda, que “a pressão social valeu a pena”. Para ele, o fato de não ter sido suspenso foi uma “vitória da democracia”.

“No dia da sessão do impeachment, tive uma reação espontânea, humana, contra os xingamentos e agressões que há anos recebo na Câmara por conta da minha orientação sexual e das minhas posições políticas. Nunca antes na vida tinha cuspido em alguém (e não é a forma em que eu costumo agir, nem na Câmara, nem na minha vida privada), mas sou humano, tenho sangue nas veias, e o grau de violência, desrespeito e ofensas que recebo desde que estou deputado é intolerável”, declarou o deputado.

 O Deputado Sandro Alex (PSD-PR) disse: “Me parece que estamos aqui julgando alunos. Mas, como na escola, antes da suspensão vem a advertência”. De fato, a postura de Jean Wyllys parece de uma criança birrenta mesmo. Mas eis o problema: alunos mimados nunca aprendem só com a advertência. E foi o caso. O deputado socialista disse, com orgulho, sobre a decisão: “Guardo como um troféu. O que redimiu aquela noite pavorosa foi um cuspe na cara de um fascista. Foram seis anos sendo difamado e, quando fui chamado de ‘queima-rosca’ naquela hora por ele, cheguei ao meu limite. Cuspiria de novo, sim”.

Ou seja, nada aprendeu! Sente-se no direito de pairar acima das leis por ser gay. Banca a vítima e acredita que, por isso, pode “reagir” da forma que quiser, inclusive desrespeitando o decoro do Congresso e da civilidade. Quando essa turma se convence de que é “vítima” sempre, então pode perpetrar os atos mais bárbaros que sempre serão vistos como “reações legítimas e justas”. São eternos agredidos, jamais agressores!

Os rótulos já foram decididos antes. Logo, Jean Wyllys, por ser gay e de esquerda, será sempre o coitadinho, não importa o que faça, e Bolsonaro, por ser de direita, será sempre um “fascista” e “racista”. Os atos de cada um não serão mais julgados de forma independente, imparcial, por uma Justiça “cega” e objetiva. No limite, se um tirar uma vida e o outro salvar uma vida, o assassino ainda será “do bem” e o salvador “do mal”. O “julgamento” é a priori, ou seja, fruto do preconceito.

É irônico, portanto, que a esquerda fale tanto em preconceitos. A advertência para Jean Wyllys ficou muito barata, não ensinou nada ao deputado, que se sente vingado e afirma que faria tudo novamente. Enquanto isso, Bolsonaro é perseguido por qualquer fala, e pode realmente pagar um preço elevado por ter dito que uma deputada não merece ser estuprada. Também é atacado por ter elogiado Ustra, enquanto esquerdistas elogiaram abertamente terroristas e ditadores e ficou por isso mesmo.

É esse duplo padrão que mata. É esse salvo-conduto de que goza a esquerda que tanto incomoda. O cuspe passou a ser visto como símbolo de justiça. As leis e as regras só existem para a direita. A esquerda, por “ser sempre vítima”, pode tudo. Mobiliza sua claque organizada em prol da impunidade. E depois ridiculariza o sistema, zombando dele, pois se coloca acima do bem e do mal. O gay pode tudo. O capitão estará sempre lascado.

Num mundo com Lava Jato e Síria, o leitor tem todo direito de pensar que esse tema é irrelevante. Mas discordo. São nessas pequenas coisas que vemos o poder de fogo da esquerda organizada, a força dos “fracos”, a influência da “marcha dos oprimidos” e o alcance da “revolução das vítimas”. Esse é um dos temais mais relevantes da era moderna. Os que falam em nome das “minorias” podem tudo, estão blindados contra as leis que continuam valendo para os reles mortais.

E isso, claro, é sempre um enorme perigo, um convite a mais e mais abusos, a ponto de um ditador como Maduro ser protegido por ser socialista. É a desgraça da modernidade explicada por um cuspe impune! Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.