Saber-Literário

Diário Literário Online

“A ERA OBAMA EM POLÍTICA EXTERNA ACABOU”, DIZ JOHN BOLTON

Postado por Rilvan Batista de Santana 09/04/2017

“A ERA OBAMA EM POLÍTICA EXTERNA ACABOU”, DIZ JOHN BOLTON


John Bolton, que foi embaixador americano na ONU, disse nesta sexta que os ataques de mísseis autorizados pelo presidente Donald Trump marcaram o fim da era Obama na política externa dos Estados Unidos:


Ele explicou melhor o que quis dizer na Fox and Friends. Para Bolton, é ridículo esperar alguma reação que não a de repúdio por parte da Rússia, cujo governo é o maior aliado de Assad. Também é questionar se o presidente americano tinha ou não o direito constitucional para agir. A Síria era membro da Chemical Weapons Convention, e sempre que algum país descumpre o tratado designado para a prevenção do aumento de armas de destruição em massa, a segurança nacional dos americanos é diretamente afetada.

“O presidente tem plena autoridade constitucional sob a cláusula do comandante-em-chefe para agir”, afirmou Bolton. O que ele fez. “Ele fez um ataque bem limitado e preciso por um motivo bem limitado e preciso. Eu acho que foi a coisa certa a fazer, e eu acho que ontem à noite a era Obama na política externa americana terminou”, concluiu.

Bolton também disse a Sean Hannity que a Rússia deve estar muito constrangida com o que fez Assad, não por questões humanitárias, mas porque eles sabem que agora têm um problema. O principal interesse da Rússia em proteger Assad é garantir suas bases navais em Tartus e Latakia, e por isso Putin deve apoiar Assad pelo tempo que for necessário. Só aceitaria substituí-lo por alguém que permitisse a permanência russa nesses locais.



A Rússia, claro, foi a voz mais estridente a condenar os ataques, que chamou de “violação da lei internacional”. Mas a atitude de Trump encontrou suporte em vários países ocidentais. Se o próprio Obama tinha ameaçado agir em caso de armas químicas, que os democratas alegaram não mais existir no país após o então presidente “persuadir” o governo a abandoná-las, então só havia uma coisa a ser feita para a América não perder sua credibilidade: atacar.

Eis o que mudou então de Obama para Trump: agora o Ocidente tem um líder disposto a agir, a colocar suas ações onde estão suas palavras, a defender os valores básicos que sustentam nossa civilização, a enfrentar os inimigos da liberdade. Faltava a Obama clareza moral e coragem, atributos que não faltam em Trump. A era Obama chegou ao fim, ou seja, a era da retórica romântica e das ameaças vazias, que colaboraram para o avanço dos piores regimes mundo afora.

Sobre a reação de muitos, não seria diferente. Sempre haverá aqueles dispostos a condenar qualquer ação militar americana, especialmente sob um governante republicano. Mas a imensa maioria deles é movida por um antiamericanismo infantil, e não quer fazer análise de verdade. Thiago Kistenmacher resumiu bem a postura enviesada dessa turma:

Quando é o Trump: “Presidente milionário ataca covardemente a Síria a fim de manter o imperialismo estadunidense e favorecer a indústria do petróleo.” Se fosse o Obama: “Primeiro presidente negro dos EUA se solidariza com o sofrimento do povo sírio e, a fim de promover a paz mundial, ataca o país em retaliação às atrocidades cometidas pelo ditador Bashar al-Assad.”

Esses “analistas”, inclusive vários que são convidados para entrevistas em nossos canais de televisão, devem ter concluído seus estudos na Faculdade Facebook, e ostentam esse incrível diploma:


Felizmente ainda há quem queira fazer análise séria, refletir, ler muito material de verdadeiros especialistas, para finalmente chegar a uma conclusão embasada. Nem todos são obrigados a concordar que a resposta de Trump foi a melhor, claro. Mas daí a ficar “horrorizado” com o “irresponsável” e “cruel” presidente americano, sem dizer uma só palavra sobre Assad, as armas químicas que não deveriam mais existir na Síria e Putin, vai uma longa distância, que separa as pessoas decentes dos antiamericanos bobocas. Rodrigo Constantino



Rodrigo Constantino


Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.