Saber-Literário

Diário Literário Online

Valdelice Soares Pinheiro R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 04/03/2017

Valdelice Soares Pinheiro
R. Santana

          Nesta Segunda-feira (13), fui presenteado por Dr. José Neto, com “O Canto Contido”, que reúne os livros: “De dentro de mim” e “Pacto”, organizado e prefaciado pelo escritor e poeta Cyro de Mattos. “O Canto Contido” é um livro de poesias da poetisa maior da nossa região e sempre lembrada Valdelice Soares Pinheiro.
Eu a conheci no início dos anos 70 na Faculdade de Filosofia de Itabuna- FAFI. Uma mulher avançada no seu tempo, incapaz da promover o mal, uma doçura de pessoa, muito culta, porém sem afetação. Conhecia como ninguém a alma humana, por isto, era sempre compreensiva com as dificuldades do outro.
Fui seu aluno no curso de filosofia em Ontologia e Estética em anos diferentes. Embora o estudo do ser, sua natureza e atributos, não fosse uma matéria prática, mas, metafísica, Valdelice Pinheiro a ensinava com jeito todo especial para torná-la mais acessível e mais compreensiva. Porém, fez a diferença quando nos ensinou Estética e não poderia ser diferente como poeta, pois é o estudo das condições e dos efeitos da criação artística, o estudo racional do belo.
Produziu filosofia em suas poesias, seus versos são universais e atemporais. Mesmo quando faz versos particulares, em que o objeto é limitado e de foro íntimo, ela dá vestimenta metafórica e sentido próprio, veja, por exemplo, o poemeto: Itabuna (1):
“Meu primeiro gesto
foi semente.
E de meus dedos longos
de esperança e sonho
levantou-se a flor
na mata enorme,
toda prenhe
deste fruto
que hoje sou”.

Itabuna não surgiu da saga dos jagunços, camaradas e coroneis do cacau, mas da “semente”, “esperança”, a flor brotou na “mata enorme” e o fruto hoje é realidade. Ou seja, o que era potência tornou-se ato. Em Itabuna (2), ela conclui com versos mais concretos: “... Eu sou plantada neste chão / Eu sou raiz deste chão / Este chão sou eu”.
            Sensível aos problemas sociais, ao período da Guerra Fria entre as potências mundiais Estados Unidos e União Soviética, entre os países da “Cortina de Ferro” e o Ocidente, e, o medo que perpassava na mente do homem comum, de uma Guerra Nuclear, onde não sobraria nada ou quase nada com a destruição do mundo pelas bombas nucleares e a profecia de George Orwell do “Grande Irmão”, do “Big Brother” que Valdelice Pinheiro sintetiza em Medo:
                                   “Existe um olho enorme
                                   sobre o mundo.
                                   todas as bombas,
                                   todos os heróis
                                   estão em expectativa.
                                   Porque existe um olho enorme
                                   sobre o mundo,
                                   espiando a hora
                                   de chorar”.
                                             
            Com exceção de Graciliano Ramos, que pintou com cores fortes o drama da seca no Nordeste, em “Vidas Secas”, o poema de Valdelice Pinheiro, “Seca”, é a maior expressão literária feita sobre o assunto:
“Peitos magros
                                   pendidos para o chão
                                   e mãos que se levantam
                                   em garras para o céu.
                                   Nuvens que se vão
                                   e  chuva que não vem.
                                   Carcaças brancas
                                   pintando o barro do caminho
                                   e dos olhos do menino
                                   pau de arara
                                   duas gotas de luz
                                   pingando a terra
                                   - água da dor
                                   que a morte esfria.
          
     

     Porém, é no seu poema “Testamento” que se ler uma Valdelice despojada sem preocupação com a forma, livre, leve e solta... Quando ela diz: “...deixo os meus livros / para as almas que os quiserem / e ficam os meus discos / para o sonho dos meus amigos...”, não é a pensadora, a filósofa que se manifesta, é a Valdelice que acredita nos sonhos, na esperança, no ser humano, é a Valdelice que acredita no amor.




Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.