Saber-Literário

Diário Literário Online

REFORMA DA PREVIDÊNCIA SÓ PARA O POVO E AUMENTO DE IMPOSTOS? ASSIM NÃO
DÁ, TEMER!

A gente bem que tenta, mas fica cada vez mais difícil defender o governo de transição. Derrubar o PT foi fundamental para impedir a “venezualização” do Brasil, sem dúvida. E sabíamos que não era razoável esperar milagres de Temer. Mas o fato de ele não precisar ser popular contava a seu favor: ao menos o homem faria as reformas, ainda que muito aquém do necessário, preparando o terreno para mudanças efetivas a partir de 2018. Mas a coisa está desandando antes de engatinhar…
 
É verdade: a terceirização foi aprovada, e isso é boa notícia. Nesse artigo pelo Instituto Liberal, Bernardo Santoro explica bem as vantagens da terceirização, atacada pelos sindicatos e defensores de nossa CLT, inspirada nas leis fascistas de Mussolini. Nesse outro texto, eu mostro quem está contra as mudanças e, portanto, contra os trabalhadores. Logo, ponto a favor de Temer.

Mas é só. Quando o assunto é reforma da Previdência, o governo tem recuado e transfigurado o projeto, de forma a jogar todo o fardo nas costas do povo trabalhador, poupando os servidores públicos. Isso é inaceitável! O editorial do GLOBO de hoje falou do assunto:

Por temerem pressões de corporações de professores, policiais civis e outras, governadores haviam pedido que o governo federal incluísse a reforma da Previdência de seu funcionalismo — a depender do caso, como o Rio de Janeiro, bastante deficitária — na emenda constitucional que tentará atualizar o Regime Geral (INSS) e o Regime Próprio (servidores federais), tornando suas regras menos díspares, e enfim condizentes com a nova realidade demográfica do país. Assim foi feito, mas agora o Planalto, num jogo de empurra, devolve o problema aos estados, para facilitar a aprovação da PEC no Congresso.

Pode ajudar no plano político. Aprovada a emenda, será um avanço e aliviará as contas públicas, se pontos básicos da reforma federal forem aprovados: como a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria, com um gatilho demográfico — o limite subirá à medida que a expectativa de vida do brasileiro aumente —, e, além de outros aspectos, não sofrerem grandes alterações as regras de transição para o novo regime.

Mas não é verdade que o inexorável atraso na reforma das previdências dos estados não provocará efeitos negativos no equilíbrio fiscal do conjunto do setor público. Haverá problemas, porque os estados tenderão a contribuir menos para o superávit primário, essencial na redução da perigosa proporção da dívida pública em relação ao PIB, já nos 70% e em ascensão. E se trata de uma ajuda ponderável: segundo o economista Raul Velloso, de 2002 a 2014, o conjunto desses entes federativos foi responsável por 26% do saldo positivo nas contas de todo o setor público. Por certo, esta contribuição cairá.

[…]

O recuo de Temer significa, então, que o sistema previdenciário brasileiro deverá ter um encontro marcado nos próximos anos com um novo estouro, o da Previdência de muitos estados. Sendo que algumas já explodiram, como a fluminense e gaúcho.

A reforma previdenciária também foi tema da coluna de Carlos Alberto Sardenberg, que explicou com números como a conta pesa para o lado do trabalhador, como sempre:

A Previdência brasileira, incluindo o pessoal do INSS e servidores de todos os níveis, fechou o ano passado com um déficit de R$ 316 bilhões. Esse é o resultado do total de contribuições pagas pelos trabalhadores e pelos patrões, incluídos os governos, menos o total de aposentadorias e pensões pagas. Isso significa que o governo federal e os estaduais tiraram dinheiro de outros impostos e contribuições para pagar aos aposentados. Como o déficit é crescente, está na cara que, se não for contido, os governos acabarão tendo de usar toda a receita arrecadada para financiar o sistema de aposentadoria. Claro que essa é a situação impossível — a hipótese apenas indica que vai faltar dinheiro.



Como há déficit tanto no INSS quanto nos sistemas de aposentadoria de servidores, todos devem entrar na reforma, certo? Não é bem assim. O presidente Temer resolveu tirar do projeto de reforma todos os servidores estaduais — sistema esse que fez um déficit de R$ 89,6 bilhões no ano passado. Já estavam de fora os militares, cujo sistema teve um rombo de R$ 34,1 bilhões.

Portanto, daquele déficit total de R$ 316 bilhões, nada menos que R$ 123,7 bi, ou 40%, estão excluídos do projeto de emenda constitucional, a PEC da Previdência. Como os servidores são os que têm maior poder de pressão sobre deputados e senadores que vão votar a reforma, não se exclui a hipótese de que os funcionários civis federais também sejam tirados da atual PEC. No ano passado, o déficit aí foi de R$ 43,1 bilhões.

No total, ficaria de fora um rombo de R$ 166,8 bilhões, referente a três milhões de aposentados, com os melhores rendimentos. E assim ficaria na reforma só pessoal do INSS que, de fato, apresenta o maior déficit: R$ 149,7 bilhões. Só que para pagar 30 milhões de brasileiros, sendo que quase 60% recebem um salário mínimo. Seria a reforma do povão.

Como se não bastasse a reforma mais importante ter subido no telhado, o governo ainda voltou a falar em aumento de impostos! Isso, novamente, é inaceitável! Não há grau de “pragmatismo” que justifique um novo avanço do Leão sobre o bolso do trabalhador brasileiro. A única alternativa é reduzir mais gastos ou vender ativos:

Ministério do Planejamento informou nesta quarta-feira (22) que a arrecadação federal em 2017 será menor que a prevista e que por isso o governo precisará adotar medidas, de aumento de receita ou corte de despesas, a fim de cumprir a meta fiscal deste ano, prevista na Lei Orçamentária, que já prevê um déficit (despesas maiores que receitas) de R$ 139 bilhões.

Para cumprir essa meta, faltam R$ 58,2 bilhões. E, para cobrir esse buraco no orçamento, o governo poderá aumentar impostos, cortar gastos e investimentos, fazer concessões ou vender ativos (bens).

Em entrevista, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que há “uma grande possibilidade” de elevação de impostos para conseguir esses recursos.

Não vamos tolerar isso! Colunistas ligados aos tucanos podem acusar a “direita xucra” de fazer o jogo da esquerda, de preparar o terreno para a volta de Lula, não importa! Não seremos coniventes com esse roubo! Não podemos aceitar que todo o esforço pelo impeachment de Dilma foi para isso, para uma reforma que blinda os funcionários públicos e aumento de impostos! Não foi para isso que fomos às ruas! Não saímos do PT para cair no colo de socialdemocratas que também querem aumentar o estado!

A única saída que aceitamos é menos estado, menos impostos, corte drástico nos gastos públicos, privatizações. Não tem conversa! Acabou a fase das concessões. Já cedemos demais, por tempo demais. O governo já nos toma quase a metade do que produzimos, a fundo perdido, enquanto abundam privilégios no setor público. Não mais! Só o liberalismo nos interessa agora. Ou o Brasil vira para valer à direita, ou vamos continuar nas ruas, atacando o establishment, protestando contra essa indecência.

Mas, pelo que consta na coluna de Lauro Jardim, Temer não entendeu mesmo o perigo e continua brincando com fogo. Quer se encontrar com o maior algoz da nação para falar sobre a crise que o próprio Lula criou?! A elite política acha mesmo que vai rolar um “acordão” pela impunidade? Essa turma precisa sair da bolha e conhecer o Brasil do lado de fora, para sentir a pressão, para compreender que não há mais como só olhar para os interesses dos poderosos e virar as costas para a população trabalhadora. Chega! Basta!

Rodrigo Constantino

Fonte: Fonte: GLOBO


http://rodrigoconstantino.com/artigos/reforma-da-previdencia-para-o-povo-e-aumento-de-impostos-assim-nao-da-temer/

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.