Saber-Literário

Diário Literário Online

Adultério de sangue - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 06/05/2017

Adultério de sangue
R. Santana


O negro Lubião, filósofo do povo, dizia que: “quem conta um conto, aumenta um ponto”, não deixa de ser verdade, mas o conto mesmo com pontos a mais ou pontos a menos, é diferente de história da carochinha que é produto da imaginação popular e não história de verdade, portanto, caro leitor, permita-me que lhe conte essa história vulgar de “Adultério de sangue” que ocorreu na cidade de Simão Dias, interior do estado de Sergipe. 
            Hoje, ainda é comum mulheres e homens morrerem por prática de infidelidade conjugal, porém, bem menos do que no meado do Século XX, naquela época, infidelidade era tipificada por lei de crime contra honra e passível de processo e crime de morte, além de grande intolerância social. A traição feminina não era tolerada de nenhuma forma e a traição masculina a sociedade fazia vista grossa, salvo, quando o atraiçoado resolvia lavar sua honra com sangue.
            Para evitar contaminação do autor nessa história de "Adultério de sangue”, é que lhe convido leitor, deixarmos de lado os “entretantos” e partirmos para os “finalmentes”, que os protagonistas falem o que ocorreu naquele dia bonito de Sol naquele pedaço de chão nordestino:
            - Pelo amor de Deus, compadre Dedé, não me mate nem a Júlia! – protegendo a amante com o corpo da mira da arma do marido.
            - Não me chame de compadre, Dedé!
             - Somos compadres de batismo, somos primos, temos o mesmo cognome, temos negócios juntos... – o marido traído o interrompe:
            - Chega! – a esposa interveio:
            - Dedé, ultimamente, você não liga pra mim, os nossos filhos que ainda nos mantêm juntos!
            - Mulher, tu és venenosa e dissimulada, ainda ontem, tu me fizestes juras de mulher apaixonada, embaixo dos lençóis! – o amante empurra a amante pra o lado e a encara:
            - É verdade, Júlia? Se for, tu és maquiavélica e dissimulada!
            - Eu não sou maquiavélica nem dissimulada! Tu não és santo, tu que me conquistaste com promessa de casa em Aracaju e dinheiro, tu que urdistes toda trama, jamais quis trair meu marido!
- Tu és cínica, não mexi uma palha para te conquistar, tu arquitetaste várias situações comprometedoras, principalmente, quando compadre Dedé viajava, quantas vezes eu fui chamado por ti? Tu fingias de doente...
O marido, agora, aturdido e cheio de dúvida (in dubio pro reo) não queria mais fazer justiça por conta própria, pois já não sabia qual era o mais reles, todavia, continuava empunhando a arma pra ambos, talvez tudo acabasse diferente se o amante não usasse de um velho truque para surpreendê-lo:
- Tenente Raimundo! - instintivamente, Dedé se virou assustado com a presença inoportuna da autoridade policial máxima do município que acumulava as funções de chefe do destacamento (6 soldados, um cabo e um sargento), e, delegado da cidade, mas não havia nenhum policial, um velho truque para distrair o adversário, o bastante para que Dedé amante lhe pulasse em cima e tentasse tomar o seu revólver,  mas no esfrega-esfrega, Dedé disparou um tiro à queima roupa que lhe trespassou o coração e o amante despencou agonizante no chão. Júlia aproveitou o entrevero e tentou fugir, não foi muito longe, foi agarrada e esfaqueada por aquele que deixou de ser seu marido, o marido traído.
A repercussão do duplo homicídio chegou à capital do estado, ganhou manchetes nos jornais. O governador designou um delegado doutor para acompanhar o processo. Dedé se apresentou às autoridades depois do flagrante. Não se falou noutra coisa em Simão Dias por muito tempo. A maioria absoluta da população lamentou a morte dos amantes, mais de Dedé amante, mas achava que Dedé enganado fez o que tinha de fazer, ele estava na casa do sem jeito, honra manchada se lava com sangue...
O júri foi concorrido, chegou jornalista de tudo quanto foi lugar. Não havia televisão nem emissora de rádio, mas o serviço de alto falante da cidade passou dias anunciando o libelo jurídico. As famílias das vítimas contrataram dois advogados da capital e Dedé contratou um rábula da terra de reconhecido saber jurídico.
Foram três dias de embate forense. O promotor foi mais pálido em seus argumentos do que uma camisa desbotada pelo tempo. Os advogados de acusação fizeram jus ser escolhidos pelas famílias das vítimas, porém, o velho rábula arrasou, usou de todos os recursos disponíveis para provar a inocência do seu cliente, o mais decisivo foi um empregado do comércio de ambos que testemunhou as vilanias das vítimas. Disse que fazia tempo que Dedé era enganado, debochado e todos os seus empregados tinham conhecimento do adultério de sua mulher com o seu primo e não entendia por que o patrão levou tanto tempo pra descobrir a infidelidade do primo e de seu cônjuge.
Os jurados decidiram pela inocência de Dedé que ganhou a liberdade por 7 X 0. Os seus amigos e familiares festejaram sua saída do presídio e a cidade de Simão Dias continuou com sentimento de macho e não de cabrão. Dedé amante foi pranteado por muito tempo ao contrário de sua amante Júlia. Ela era lembrada pela prevaricação e responsável pela tragédia e foi sepultada para sempre na consciência das pessoas. 



Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.