Saber-Literário

Diário Literário Online

Viagem para Vila de Itabuna - Helena Borborema

Postado por Rilvan Batista de Santana 09/02/2017

Viagem para Vila de Itabuna - Helena Borborema


Google
O pequeno barco já deixara o porto de Salvador e singrava bamboleando em busca do porto de Ilhéus. A bordo o coronel Firmino, impávido aos balanços, sereno como um velho lobo do mar, charuto na boca, circulava pelo pequeno barco com a naturalidade de um veterano naquelas viagens. Um viajante comercial, que ia representar as suas mercadorias nas casas comerciais de Ilhéus, uns poucos sergipanos em demanda do Sul da Bahia, a pequena tripulação meio rude, meio pressurosa e, estirado numa espreguiçadeira no estreito tombadilho, sentindo as agruras de uma viagem marítima que enfrentava pela primeira vez, olhar perdido no horizonte, coração apertado,  o jovem advogado buscava o encontro com o seu novo e definitivo destino. Que surpresas o aguardariam naquela terra?
 Três dias durou a viagem. A alimentação a bordo constava de café com bolacha, servido em canecas, feijão, arroz e alguma carne. O barco às vezes esquentava tanto que era preciso se chegar bem perto à amurada para receber no rosto a brisa do mar, mas para isso era preciso firmeza nas pernas e muito equilíbrio para não escorregar no vai-e-vem do balanço. O ruído das máquinas lá em baixo, o calor, a má acomodação só despertavam uma vontade: chegar!

Na tarde do terceiro dia um ar mais animado se estampou nos rostos dos passageiros. Estavam passando ao largo da “pedra de Ilhéus” e os coqueirais e contornos de morros já se delineavam ao longe. Logo mais entravam na barra e umas horas mais desembarcavam em terra firme. A tarde começava a cair. O coronel Firmino e o jovem Lafayette hospedaram-se por aquela noite em casa do coronel Eustáquio Bastos, no Pontal. No dia seguinte prosseguiriam viagem de canoa até o Banco da Vitória e, de lá, para Itabuna, iriam a cavalo. Seriam dois dias de viagem podendo até durar mais a depender da maré e das montarias que se tinha de arranjar. Pela manhã bem cedo deixaram o Pontal embarcando numa grande canoa. Esta começou a deslizar silenciosa e monótona, ora beirando o manguezal, ora enfrentando as águas mais profundas do rio Fundão, que subiam ou desciam conforme a maré. Nessa viagem já os acompanhava um homem de confiança, para cuidar das bagagens e providenciar as montarias. No Banco mais um pernoite. No dia seguinte, pela manhã, os viajantes prosseguiram montados até a vila de Itabuna. A longa viagem no lombo de um burro, para quem nunca tinha montado em toda a sua vida, era penosa. O grupo agora era composto de mais outro homem. Na frente ia o “camarada” mostrando o caminho, abrindo passagem,  decepando ramos baixos ou entrelaçados com o afiado facão. Por último outro “camarada” conduzia  a besta com as bagagens. Depois de horas de viagem no meio de uma vegetação rasteira bordada de flores silvestres, ora arbustivas, atravessaram um pedaço de mata para mais adiante surgir uma visão inédita para o moço Lafayette: cacau! Estavam entrando numa das grandes fazendas do coronel Henrique, passagem obrigatória para quem demandava aquele itinerário. Ali estava a riqueza sonhada por muitos. As árvores dos frutos de ouro se estendiam incontáveis. Nos seus troncos e galhos, frutos verdes e amarelados se amontoavam num prenúncio de safra propícia. Era um mundo de sombra e silêncio. Na grande quietude só se ouvia, a pedaços, o murmúrio do Cachoeira, que corria perto, ou a estridência de alguma cigarra. No mais, o farfalhar das folhas secas que estalavam sob as patas das cavalgaduras. De vez em quando um alerta:

             - Abaixa a cabeça, coroné!

            Era mais um galho de cacaueiro ameaçador para o viajante distraído ou desavisado. De repente, lá pelas tantas, os cavaleiros estacam de supetão os seus animais. O que estaria acontecendo? Que tiroteio era aquele? Cautelosos, avançam mais alguns metros e, com surpresa e aliviados vêm que é uma explosão de alegria dos cabras da fazenda saudando, à maneira deles,  a chegada do coronel Henrique vindo de Ilhéus. A saudação era feita ainda a caminho já perto da entrada da fazenda. Um verdadeiro séquito armado e a cavalo, viera recebê-lo numa explosão de tiros de saudação.
Um cheiro novo e desconhecido para o moço advogado enchia agora todo o ar, cheiro de cacau fermentado, cheiro de terra molhada, de mato, de mistérios.



Fonte: Lafayette de Borborema - UMA VIDA, UM IDEAL - Helena Borborema

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.