Saber-Literário

Diário Literário Online

Moro se atrapalha e defesa de Lula desmonta o processo sobre triplex

Postado por Rilvan Batista de Santana 16/02/2017

Moro se atrapalha e defesa de Lula desmonta o processo sobre triplex

Segundo o advogado, o procedimento adotado pela OAS é incompatível com a tese de acusação contra Lula, no julgamento de Moro - Por Redação – de Curitiba e São Paulo

O processo penal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobre o caso do triplex do Guarujá, entra em sua fase final, após os depoimentos de testemunhas de defesa. Mas aumenta o nível de enfrentamento da defesa ao juiz Sérgio Moro, titular da ação montada a partir da Operação Triplo X, da Polícia Federal. Entre os depoimentos colhidos, o advogado Cristiano Zanin Martins destacou que há novamente revelações que destroem a base da acusação contra Lula.
Cristiano Zanin

Zanin e Moro bateram boca durante o depoimento de testemunhas de defesa do ex-presidente Lula
Zanin e Moro bateram boca durante o depoimento de testemunhas de defesa do ex-presidente Lula
— O depoimento de Adriano Pires Ribeiro esclareceu que a partir de 2008, a OAS passou a fazer exames de viabilidade para assumir alguns empreendimentos pela Bancoop. Ele também esclareceu que a OAS impôs como condição para assumir esses empreendimentos que houvesse um patamar mínimo de 90% de adesão dos cooperados — afirmou Zanin, em um vídeo distribuído na manhã desta terça-feira.

Segundo o advogado, o procedimento adotado pela OAS é incompatível com a tese de acusação contra Lula.

— No sentido de que dona Marisa teria em 2005 comprado uma cota da Bancoop já sabendo que iria receber em 2009 um imóvel diferente daquele que a sua cota daria direito — afirmou.

Neófito

Também foi ouvido na mesma ação penal o ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli, que negou ter sido orientado por Lula para cometer atos ilícitos. Durante o depoimento de Gabrielli, o juiz Sergio Moro voltou a discutir com os advogados de Lula, que o acusaram de ser inquisidor.

Gabrielli, negou ter recebido orientação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para cometer atos ilícitos na estatal e disse que indicações para cargos da empresa são uma tradição. O ex-presidente da Petrobras afirmou, na condição de testemunha de defesa do ex-presidente Lula, que as indicações para os cargos diretivos da Petrobras são uma tradição desde a criação da estatal. Os ex-diretores Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costas tinham história dentro da companhia antes de chegarem a cargos de diretoria.

— O Paulo Roberto Costa não era um neófito na Petrobras, é um engenheiro de longa tradição e não demonstrava nenhum comportamento que ele veio confessar depois. Uma pessoa pacata, cumpridora dos seus deveres e não demonstrava nenhum comportamento ilícito. Nestor Cerveró também era um diretor de longa tradição na Petrobras. E era um diretor que na área internacional cumpriu as determinações da empresa — disse Gabrielli.

Cerveró e Paulo Roberto, condenados na Lava Jato, fecharam acordo de delação premiada em que reconheceram práticas criminosas.

Entrevero

Os advogados do ex-presidente Lula acusaram Moro de agir como um “inquisidor” ao fazer perguntas a Gabrielli. Moro negou, disse estar apenas fazendo perguntas e pediu respeito ao juízo.

Depois de os advogados de defesa e dos Ministério Público dirigirem perguntas a Gabrielli, foi a vez de Moro. Ele perguntou ao ex-presidente da Petrobras sobre a aprovação do nome de Jorge Zelada para a diretoria internacional da estatal. O nome foi aprovado pelo conselho diretor da empresa que à época era presidido por Gabrielli. Zelada substituiu Cerveró no cargo.

Gabrielli argumentou que houve uma “redefinição” da diretoria internacional. Por isso, afirmou, houve a mudança no comando da diretoria e a nomeação de Zelada para o cargo. O ex-presidente da Petrobras, no entanto, não soube dizer de quem era a indicação. Disse que foi o então presidente do conselho e ministro da Fazenda à época Guido Mantega quem sugeriu o nome.

Inquisidor

Moro insistiu se, como membro da conselho, Gabrielli não deveria ter se informado sobre as razões da nomeação de Zelada. Nesse momento, a defesa de Lula disse que o juiz estava tentando induzir as respostas.

— As perguntas já foram respondidas — disse o defensor.

Moro, por sua vez, negou que estivesse induzindo.

— Ouvi pacientemente as perguntas da defesa e do Ministério Público e estou fazendo as minhas perguntas — rebateu o magistrado.

Ato seguinte, o advogado retruca:

— A suas perguntas são de um inquisidor e não de um juiz.

Moro pediu respeito ao juízo.




Fontes: 


Yahoo Notícias

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.