Saber-Literário

Diário Literário Online

Especialista pede cautela sobre vacina contra febre amarela - Tiago Oliveira 

 O surto de febre amarela registrado em algumas regiões do Brasil colocou em alerta moradores de todo o país, que iniciaram uma corrida a postos de vacinação e clínicas particulares.

No entanto, apesar das notícias de aumento dos casos, não há motivo para desespero. Em entrevista ao RDTv, a infectologista Elaine Matsuda lembra que a vacina é recomendada apenas para quem vai viajar para áreas de risco e alerta que a imunização pode até representar perigo, dependendo do perfil do paciente.


Infectologista Elaine Matsuda alerta que vacinação é recomendada apenas para quem vai viajar para áreas de risco (Foto: Raíssa Ribeiro)

“Não é uma vacina totalmente isenta de riscos, por isso tem que se pesar o risco e benefício de ser imunizado. Se você está [na região metropolitana de] São Paulo e não vai sair, não precisa tomar a vacina”, explica a especialista, que atua na rede municipal de saúde de Santo André.

De acordo com Matsuda, a vacina por causar efeitos graves em pessoas com saúde mais debilitada, “inclusive causando um quadro similar ao da febre amarela”. Por isso deve-se avaliar a real necessidade de vacinação em “idosos e pessoas com doenças que podem causar imunodepressão”.

Ou seja, uma pessoa idosa que não vai sair de São Paulo correrá mais risco tomando a vacina contra febre amarela do que ficar sem a vacinação.

Casos no ABC

As prefeituras da região enviaram nesta quarta-feira (1º/02) ao RD informações atualizadas sobre os casos de febre amarela no ABC. Em Santo André, São Caetano e Mauá não houve nenhum registro.

Em Diadema há dois casos, de um menino de 11 anos e de um homem de 60 anos, ambos que contraíram a doença em Minas Gerais. Em Ribeirão Pires há 1 caso suspeito, que está em investigação.

A rede municipal de saúde de São Bernardo atendeu um paciente que foi confirmado com febre amarela. A pessoa, no entanto é moradora de Diadema e contraiu a doença também em viagem a Minas Gerais.



Mapa divulgado pelo Ministério da Saúde mostra áreas onde moradores devem se vacinar; região metropolitana de São Paulo e litoral paulista estão fora das regiões de risco
Todos os casos registrados até agora, portanto, não são autóctones – quando a doença é contraída na mesma região em que a vítima reside. Exatamente por isso não há recomendação para vacinação em massa dos moradores do ABC contra o vírus.


Guerra ao Aedes

Durante a entrevista ao RDTv, a infectologista Elaine Matsuda ressaltou que o surto de febre amarela, apesar de não ser motivo para corrida desesperada aos postos de vacinação, serve de alerta para reforçar o combate ao mosquito Aedes aegypti.

“Não precisa chegar a febre amarela pra gente ficar em pânico e limpar o quintal. Já era para estar limpo. A responsabilidade por essas arboviroses é nossa. Mais de 90% dos criadouros fica dentro do domicílio das pessoas”, explica a especialista.

O Aedes aegypti é o responsável pela transmissão da doença na cidade. O último caso da chamada “febre amarela urbana” no Brasil foi registrado em 1942. Na mata, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes  é  que transmitem o vírus.

(Colaborou Amanda Lemos)




RD (Repórter Diário)

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.