Saber-Literário

Diário Literário Online

UM MINISTRO MAIS CONSERVADOR NÃO FARIA MAL ALGUM AO STF: MUITO PELO CONTRÁRIO!

Merval Pereira, em sua coluna de hoje, fala sobre a busca por critérios de Michel Temer na escolha do nome que irá substituir Teori Zavascki, morto num acidente (ou atentado) com o avião que o levaria a Parati recentemente. Um dos nomes que têm dominado as especulações é o de Ives Gandra Filho, filho do respeitado advogado Ives Gandra Martins. Mas o nome, como Merval aponta, gera reações contrárias dos “progressistas”, por seu viés mais conservador:

Também a flexibilização das leis trabalhistas certamente será levada ao Supremo quando a reforma da legislação entrar em discussão, e é por isso que o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra Martins Filho é um dos nomes com que o presidente Michel Temer trabalha no momento. No TST ele tem defendido que o negociado se sobreponha ao legislado, ponto que será central na reforma trabalhista do governo.

Ele vem sendo muito criticado, porém, por suas posições conservadores em termos de costumes, que está em choque com a tendência do STF nos últimos tempos. Membro da Opus Dei, Ives Gandra Filho escreveu um artigo em 2010, publicado em livro coordenado, entre outros, pelo ministro Gilmar Mendes, onde critica o casamento de homossexuais, que o Supremo aprovaria posteriormente, e expõe uma visão retrógrada sobre as relações familiares, afirmando que a mulher deve obediência ao marido.

Provavelmente Ives Gandra se posicionará a respeito nos próximos dias, para tentar neutralizar os efeitos desses conceitos na sua eventual indicação.

Qual exatamente o problema em ser da Opus Dei? A turma tem lido muito Dan Brown, pelo visto, e pouco Paul Jonhson. No Brasil, maior país católico do mundo, parece ter se tornado um pecado mortal defender o legado Cristão, os valores tradicionais, a família. O cristão tem que pedir desculpas, enquanto a feminista radical que enfia um crucifixo no ânus em praça pública em frente às senhoras e crianças de uma passeata católica é tida como ícone da “liberdade de expressão”. Só há espaço para a esquerda. O estado é “laico”, ou seja, antirreligioso, ou mais especificamente anticristão (é preciso “tolerar” as religiões africanas e o Islã, essa grande “religião da paz”). Na prática, a única religião aceita é mesmo o esquerdismo.

Sobre o casamento gay, o ponto de vista liberal é deixar a religião de fora, mas isso vale para os dois lados: a Igreja jamais deveria ser obrigada a aceitar como matrimônio aquilo que fere seus valores. Pelo estado o relevante seria apenas o contrato social. Há ainda outro aspecto liberal: dar mais autonomia aos estados e retirar tanto poder da esfera federal. Por fim, existe a questão do respeito à Constituição, da qual o STF deve ser o guardião. E nela está escrito que casamento é entre homem e mulher.

Sobre a “obediência” da mulher ao marido, recomendo C.S. Lewis em Cristianismo Puro e Simples, onde ele aborda a questão de forma bem interessante. Para o cristão, isso é importante frisar, a mulher deve “obedecer” ao marido da mesma forma em que o marido deve se sacrificar pela mulher e o casamento como Jesus teria se sacrificado pela Igreja. Ou seja, a mulher aceita uma espécie de “voto de minerva” do marido, desde que o marido siga esse mandamento de colocá-la em primeiro lugar sempre.

Lewis desenvolve ainda o argumento de que é necessário um dos dois ter essa “última voz” para que o casamento prospere, caso contrário a taxa de divórcios irá aumentar bastante. Mas isso não é o foco aqui. Basta notar que defender certos valores que até “ontem” eram tidos como absolutamente normais e legítimos passou a ser um completo absurdo no mundo moderno e feminista de hoje.

E como o STF foi aparelhado por ministros “progressistas”, a imensa maioria apontada por Lula e Dilma e de acordo com essa visão socialista de mundo, alguém com um perfil mais conservador não faria mal algum nesse time. Muito pelo contrário: digo até que se faz extremamente necessário colocar lá um conservador para contrabalançar um pouco o esquerdismo atual, com ministros como Barroso que desejam até se meter na legislação, invadindo outro poder, para mudar as leis sobre aborto e coisas do tipo.

Ives Gandra Filho seria, em minha opinião, uma excelente escolha. Michel Temer daria, assim, uma ótima contribuição ao esforço de limpeza do “progressismo” que tomou conta de nosso país na última década.
Fonte:


Rodrigo Constantino

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.