Saber-Literário

Diário Literário Online

O PERFIL DO CANALHA - Márcio Chocorosqui

Postado por Rilvan Batista de Santana 22/01/2017

O PERFIL DO CANALHA -  Márcio Chocorosqui

Quem nunca sofreu uma canalhice na vida? É inacreditável, mas isso acontece de forma inesperada. Quando você percebe, já caiu na rede de artimanhas de um canalha. Aí pode ser tarde demais para amenizar os danos causados. Mas quem é esse cara ignóbil que quer vê-lo arruinado? Nunca é demais observar algumas reflexões sobre o canalha.

Você despreza exemplos e avisos de outras pessoas, segue envelhecendo tranquilo e ileso... Até que, quando se dá conta, já era! Pode ser irreversível. Quem já se deparou com uma canalhice sabe do que se trata. Ao descobri-la, sente que a fratura está exposta. Por isso, aqui estão algumas considerações sobre o canalha, esse famigerado artífice da maldade, da injustiça e da frustração.

Sabe-se que o canalha é capaz de todo tipo de patifaria, mau caratismo e filhadaputice. Contudo, há quem ache que isso nunca vai ocorrer consigo. Aí é que reside o engano, pois o canalha não vê cara nem coração. Assim, qualquer um pode se tornar a vítima. O que surpreende é que, geralmente, o calhorda (ele possui outros sinônimos pejorativos) é um conhecido ou está bem próximo e, com certeza, não aparenta ser o que realmente é.

Buscando ilustração na literatura, chega-se a Nelson Rodrigues. Na crônica “O Juiz Ladrão”, compilada no livro “À Sombra das Chuteiras Imortais”, ele diz que “o canalha é sempre um cordial, um ameno, um amorável”. Em outro livro, “O Reacionário”, antologia na qual confidencia suas memórias, o Anjo Pornográfico complementa: “o pulha costuma ter uma fluorescente aura de simpatia.”

Ou seja, a falsidade é palavra-chave no perfil do canalha. Ele vai lhe dar tapinhas nos ombros e fingir ser seu amigo para depois apunhalá-lo à traição, o que lembra o soneto “Versos Íntimos”, de Augusto dos Anjos, em que avisa: “A mão que afaga é a mesma que apedreja.” Deduz-se, portanto, que esse biltre é, também, um covarde, já que ataca pelas costas. Além disso, o canalha quase nunca assina sua obra. Ele manipula situações para permanecer legalmente oculto e protegido. Mas se sabe claramente que foi ele o autor do malefício.


A mão que afaga também apedreja, diz o poeta Augusto dos Anjos, versando sobre ingratidão e perfídia (Foto: Hobvias Sudonelghm/Flickr)

No âmbito da falsidade, o canalha é, ainda, um impostor ideológico. Significa que a teoria que ostenta não condiz com sua prática. Se apregoa liberdade, altruísmo e humildade, é, no fundo, cerceador, egoísta e arrogante. Mais uma vez, ensina Rodrigues, na peça “Toda Nudez Será Castigada”, pela voz do padre Nicolau: “Acredite: só o canalha precisa de uma ideologia que o justifique e absolva.”

Até aqui você poderia perguntar: “Mas qual o objetivo ou motivo do canalha?” Nem sempre os há de fato. Ele quer simplesmente prejudicar alguém e se satisfaz com isso. O que você fez ou faz não teria repercussão nenhuma na vida do canalha. Por que ele se esforça para lhe causar dano, se o seu sucesso em nada o afeta? Poderia se supor que o canalha age em benefício próprio ou de outrem, por sua vez, também canalha. No entanto, na maioria dos casos, não é assim, o que leva ao entendimento de que ele é motivado por inveja, sadismo e necessidade de autoafirmação.
Fonte da imagem Gabriel Delgado. Olhos não mentem-Wikimedia.jpg O canalha está à espreita, sondando para pegar você desprevenido (Foto: Gabriel Delgado/Wikimedia Commons)

Certamente esse terrorista de satanás tem baixa autoestima e precisa de suas canalhices para se achar "o" melhor. É por aí que ele pode se tornar um perseguidor implacável até ver que você está derrotado. E ele tem que vê-lo cabisbaixo. Caso você não se importe de ter sido vitimado e perambule por aí se dissolvendo em sorrisos, o canalha irá novamente ao seu encalço, engendrando novo sortilégio de patifarias (nunca subestime o repertório de diabruras de um canalha). Por isso, mesmo não se importando, finja que foi atingido e está abalado.

A música “Canalha”, de Walter Franco, em bom e explosivo rock’n’roll, fala de “uma dor canalha/ Que te dilacera”. Você pode senti-la devido à canalhice sofrida ou pode tê-la dentro de si para expandi-la a seus semelhantes. Isto é, você pode ser agente da canalhice ao praticá-la em outras pessoas, sendo, em si, também um canalha. Desse modo, é preciso se vigiar para não fazer com os outros o que não deseja que façam consigo. Franco ainda alerta sobre a “dor canalha” e o próprio: “Não tarda nem falha/ Apenas te espera”. Então, um dia ele virá com a dor. E sem mandar aviso.



MÁRCIO CHOCOROSQUI
Um dia aventurei-me no mundo das letras e, desde então, alimento-me do meu trabalho com as palavras e dele faço uma profissão de fé, mesmo que isso pareça ser a luta mais vã.



Fonte:
OBVIOUS

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.