Saber-Literário

Diário Literário Online

Educação para o trabalho - Merval Pereira

Postado por Rilvan Batista de Santana 03/01/2017

Educação para o trabalho
Merval Pereira

Merval Pereira
As mudanças no mercado de trabalho devido às novas tecnologias estão exigindo uma educação mais longa e, sobretudo, o aprendizado constante. Essas mudanças, e a necessidade de o padrão educacional brasileiro não apenas melhorar, mas sobretudo se adequar aos novos tempos, foram analisadas no recente ciclo de debates da Academia Brasileira de Letras, coordenado pela escritora Ana Maria Machado.

O sociólogo José Pastore, um dos maiores especialistas do assunto no país, diz que  o mercado de trabalho hoje "está atrás de pessoas que saibam transformar informação em conhecimento". Esse aprender contínuo, ressalta Pastore, nenhuma escola pode oferecer. "O ser humano antes tinha seu tempo dividido entre o trabalho e o lazer. Hoje, no mundo do trabalho, pede-se que se divida o tempo em três partes: trabalho, lazer e aprendizagem continuada".

Ele adverte que 60% das profissões que existirão dentro de 20 anos ainda não existem hoje.  "Aprender por conta própria, aprender a aprender, aprender continuamente. É preciso ter a obsessão da leitura", recomenda Pastore. Ele destaca que o bom comando da linguagem é fundamental hoje no mundo do trabalho. "Deficiência de linguagem vai junto com deficiência de pensamento, mina a produtividade da economia, a eficiência".

As escolas do Brasil são deficientes não é de hoje, diz ele. Em 1850, 90% da população dos EUA estava alfabetizada. No Brasil, naquele ano nós tínhamos 90% de analfabetos.   Os EUA passaram os últimos 50 anos investindo em educação, e mesmo assim nos testes de Pisa perdem para Singapura, Coréia do Sul e Finlândia.

Pastore resume assim nossa situação: os trabalhadores não ganham bem, não têm produtividade, não inovam, não geram lucro para as empresas, e as empresas não evoluem e não geram mais empregos. 

O economista-chefe do Instituto Ayrton Senna  Ricardo Paes e Barros cita outros exemplos: o Chile, em 30 anos, aumentou a produtividade graças à educação, Malásia e a China vão na mesma direção.  Com uma ponta de ironia, ele comenta: "Esses países consideram que a educação é um direito humano básico, mas permitem que a educação sirva ao capitalismo". 

Mas no Brasil temos uma educação desprovida de utilidade para o capitalismo, critica Paes e Barros. "A Coreia do Sul levou ao extremo, focou sua educação na tecnologia. E vem o Brasil e desmoraliza a educação. Conseguiu o sonho de alguns de aumentar a educação e não aumentar a produtividade".

Ele destaca que em 1980, estávamos na mesma situação da Coréia, o que um brasileiro produzia era igual ao que um coreano produzia. Hoje precisamos de mais de 3 brasileiros para produzir o que um coreano produz.  Na mesma época, eram precisos 10 chineses para produzir o que um brasileiro produzia,  em 2010, bastava um chinês, hoje um brasileiro já não produz o mesmo que um chinês.

O economista Samuel Pessoa, da Fundação Getulio Vargas, ressalta que no final dos anos 50 começamos a procurar estudar se a educação tinha relação com a desigualdade de renda, e acabamos entendendo que se quiséssemos compreender o aumento da produtividade do trabalho, uma parte seria responsabilidade da educação.

"Há uma correlação positiva entre a escolaridade e a renda. Quem estuda mais ganha mais em média. É uma relação de causa e efeito, olhar o investimento educacional como investimento econômico". Sem falar no aumento da produtividade. Ele cita exemplos claros: uma hora trabalhada no Brasil produz 1/5 que nos Estados Unidos, e 1/3 dessa diferença dá para explicar pelo atraso da educação.

"O atraso educacional brasileiro explica nossa diferença de produtividade em relação às economias desenvolvidas". Para Samuel Pessoa, "nunca tivemos uma educação de qualidade para todos". Nos anos 50, pelo menos metade das crianças de 7 a 14 anos estavam na rua, fora das escolas. "O país parecia estar vivendo seu auge, mas não tinha dinheiro para colocar as crianças nas escolas. A educação pública boa era para 2% da população".

O economista Samuel Pessoa é taxativo: "O sistema educacional só é bom quando o filho do pobre sai com a mesmo conhecimento do filho do rico. Desigualdade educacional explica a desigualdade de renda". Ele considera um "erro histórico" termos passado anos 30 aos anos 70 não dando importância para a educação, e pergunta: Qual seria o PIB per capita brasileiro se, entre 1930 e 1980, tivéssemos investido 4% do PIB a mais em educação. E responde, com base em pesquisas: "Seria o dobro.  É muito caro desistir de uma criança".

Fonte: 

O Globo / ABL

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.