Saber-Literário

Diário Literário Online

As primeiras pontes de Itabuna: resultado da ousadia e liderança

Postado por Rilvan Batista de Santana 26/01/2017

Google
As primeiras pontes de Itabuna: resultado da ousadia e liderança

 somadas ao espírito desbravador dos primeiros habitantes deste pedaço de chão. A mais folclórica, a ponte dos Velhacos, submersa nas águas do Cachoeira, tem história e data de 1940, quando começaram as obras. A colocação de módulos em cimento armado foi feita durante a administração do então prefeito Francisco Ferreira da Silva. Ponte Goes Calmon
      Essa passagem, que ligava o bairro Nossa Senhora da Conceição ao centro da cidade, teve um grande momento na gestão do prefeito Miguel Fernandes Moreira, quando ganhou corrimão de madeira, sendo batizada com o nome de Ponte do Tororó em dezembro de 1954, com direito a festa e muitos fogos.
      Uma enchente, em 1955, levou o corrimão e parte de sua estrutura. Então o povo esqueceu o nome de Tororó e continuou a chamá-la de ponte dos Velhacos.
Google

      A verdadeira primeira ponte, construída oficialmente em Itabuna, foi a do Góes Calmon (que liga o Conceição ao centro) e surgiu em 1920 no governo J.J. Seabra. A ponte veio dar suporte ao traçado da estrada de rodagem Itabuna-Macuco (hoje Buerarema).
      Sua inauguração, em 1 de março de 1928, contou com a presença do governador Francisco Marques de Góes Calmon e do Intendente de Itabuna na época, o coronel Henrique Alves do Reis.
      A terceira ponte, que liga o Centro ao São Caetano, a Francisco Lacerda, foi construída em 1955 pelo Dr. Abílio Caetano de Almeida, então dono de todos os terrenos do bairro. A ponte foi construída por iniciativa própria, a fim de valorizar os terrenos da área.
      Outra construída por particular, de iniciativa do fazendeiro Mário dos Santos Padre, foi a Miguel Calmon, também chamada de Marabá. A ponte leva desvantagem por ter sido construída no mesmo nível do rio e é a primeira a ficar submersa durante as cheias do Cachoeira.
      A ponte foi inaugurada em 1958 e foi considerada a responsável pela ruína de Mário Padre. Ele acreditava estar investindo em algo lucrativo. Tanto que conseguiu um empréstimo no então Banco da Bahia e usou o dinheiro para comprar terrenos e fazer a ponte. Não teve sucesso. Vendeu todos os seus bens de herança para pagar débitos e foi à falência.
      Finalmente vem a última e mais recente, que homenageia uma das grandes lideranças de Itabuna, Calixto Midlej Filho, construída na década de 80 pelo Estado. Com modernas técnicas, até mesmo para evitar problemas com o rio Cachoeira, a ponte liga a Vila Zara (que faz divisa com o São Judas) ao bairro de Fátima. Foi o atendimento de uma antiga reivindicação de moradores dos dois lados do rio.
      Um exemplo de resistência é a ponte 28 de Dezembro, usada por milhares de pessoas por dia, mas quase invisível aos olhos do público. Ela está lá há 77 anos e foi construída na administração do coronel Henrique Alves dos Reis.
      Sua inauguração ocorreu em grande estilo, justamente no dia 28 de dezembro de 1926, data em que se comemora o dia da padroeira do bairro Conceição. A placa, que simbolizou a inauguração, está centralizada no pilar que dá para o lado do rio. Bem escondida, suja e gasta pela ação do tempo, ainda assim é possível ler os dizeres.
      A ponte, com menos de 40 metros de comprimento e cinco de largura, foi erguida sobre um ribeirão, na Rua Felícia de Novaes (próximo à ponte Calixto Midlej Filho). À época, o ribeirão tinha suas águas escuras, mas limpas o suficiente para permitir que os poucos moradores que viviam próximos tomassem banho e pescassem belos robalos, como lembra um ex-morador, o aposentado Juracy Costa Oliveira.
      Ele conta que era menino e morava com sua avó e sua mãe na única casa existente no lado direito do rio, onde funcionou por muito tempo a Usina Luz e Força, ou a usina do Cajueiro, como era conhecida. "Isso aqui era muito bonito, tinha muito verde e poucas casas".
      Ela era uma importante via para quem partia do centro de Itabuna para a cidade de Ilhéus. Com mais de 75 anos, ela suportou por muitas décadas o tráfego pesado de caminhões carregados de cacau. Em tempos recentes passou anos sendo castigada pelos caminhões da Brahma, de tonelagem bem superior ao que ela foi projetada para aguentar, e hoje continua firme mesmo com o tráfego dos caminhões da Schincariol.
      Embora ainda resista ao tempo a ponte está mal conservada. As laterais de proteção estão quebradas, o piso gasto e o mato em volta toma conta. Já o piso, asfaltado há alguns anos, continua firme, assim como a placa colocada na lateral quando de sua inauguração.
      O que era um saudável ribeirão, hoje é um esgoto. De entulhos, matagal e insetos, tudo seguindo uma mesma direção: o velho Cachoeira.

Memoria Grapiúna é um projeto da Fundação Jupará com patrocínio da rádio Morena FM 98.7 e jornal A Região.



0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.