Saber-Literário

Diário Literário Online

A Fonte do Amado - Marco Lucchesi

Postado por Rilvan Batista de Santana 25/01/2017

Google
A Fonte do Amado
Marco Lucchesi

A cada livro do teólogo e escritor Faustino Teixeira adquirimos novas potências ecumênicas e toda uma saudável inquietação em torno das núpcias com o Amado. Como quem restaura as pontas de uma prisca e de uma tarda theologia ou, em outras palavras, a tradição e as malhas do percurso místico, de saltos e abismos, conjugados no plural, quando diminui a tensão dos fios, nas demandas que se alternam entre o mapa e o relevo, o sistema e a aventura. Porque cada biografia mística é matéria intransferível e ao mesmo tempo fonte de partilha, porque o bem, como diziam os antigos, é sempre difusivo.

As pesquisas de Faustino não se desvinculam de uma visão serena que consiste em reconhecer a mútua dependência dos extremos, a mística e a religião, sem desconsiderar a gramática difusa, ponto de partida, sobre a qual a experiência mística instaura uma segunda língua, um léxico específico, um lúcido desvio da norma. Faustino tem a clareza do processo e o refinamento de uma cultura literária que o leva a enfrentar modos ambíguos, tantas vezes porosos e oblíquos, como no êxtase de Teresa, no abismo de Eckhart e no mergulho oceânico de Teilhard, mas sempre mediante a poética do encontro e do irredutível.

Faustino Teixeira não perdeu a capacidade do espanto.

 Suas páginas parecem um diário de redescobertas, uma agenda de passagens e aproximações, pontuada por um crescente entusiasmo, que desborda para ser compartilhado, como dádiva e prebenda, memória diáfana do itinerarium mentis e projeção irreversível da imago cordis. Para Faustino Teixeira, não há como separar a realidade bifronte, a condição mista, que propicia um alcance mais profundo às dimensões da linguagem mística, a gestos e silêncios, dislates e contradições, que desaguam numa fonte de água cristalina ao redor da qual seus personagens, todos Gottbetrunken, todos ébrios de Deus, não cessam de buscar o Rosto perdido.

Por fim, a obra de Faustino se inscreve numa paisagem comparatista, inter-religiosa, de paralelismos e analogias que implica outra modalidade, outra espessura aos místicos do cristianismo. E não o faz para esvaziá-los do alto potencial que os singulariza, como se fossem meros retransmissores de uma mesma estação, mas para sinalizar recortes da mística comparada que favorecem o diálogo e as linhas essenciais que demarcam o vigor de biografias solitárias. Vidas paralelas. Encontros improváveis.

O livro A fonte do amado pode ser também um livro de memórias, escrito em terceira e interposta pessoa, pois quem fala da fonte do Amado reclama de algum modo as parcelas inabordáveis de sua própria sede.


Fontes:

Comunità Italiana

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.