Saber-Literário

Diário Literário Online

FALTA UM: COREIA E O NÃO À ESTANDARTIZAÇÃO
publicado em sociedade por Natália Nogueira

Seu território foi ocupado pelo Japão e, após a Segunda Guerra (1948), o país conseguiu expulsar as tropas japonesas e se reerguer econômica e socialmente, levando em consideração a relatividade que este desenvolvimento pode ter. Desde então, com o país dividido (a Coréia do Sul ocupada pelos Estados Unidos), a nova Coréia “adotou” o regime socialista iniciado pelo líder dos Partido dos Trabalhadores, Kim Il Sung. Com sua morte em 1988, seu filho é seu sucessor, Kim Jong-Il.

Desde a imposição do regime socialista, o país, naturalmente se fechou para o resto do mundo. Suas relações são limitadas ao ponto de o país receber ajuda alimentar da Organização das Nações Unidas (ONU) e as atividades se restringem à produção agropecuária e bélica. Os quase 24 milhões de habitantes não são subdivididos em classes sociais, portanto têm uma sobrevivência comum, pelo menos em tese.

O documentário “The Propaganda Game”, dirigido pelo espanhol, Álvaro Longoria, mostra um pouco dos artifícios usados para manter a população norte-coreana sob os cuidados de um único e soberano homem. A visita do diretor e produtor do filme é guiada pelo único estrangeiro com um cargo no governo, o delegado Especial do Comitê de Relações Culturais da Coreia do Norte, Alejandro Cao de Benós.

É óbvio que se tratando de um documentário, existem verdades, bem como intenções de quem produz algo. A teoria da persuasão, apresentada por Laswell sugere a intencionalidade, a aceitação, a memorização seletiva, dentre outros aspectos. Essa breve explicação se faz pertinente para entender o que nos faz aceitar uma informação como verdade e para que as conclusões sobre minha percepção a respeito do documentário possa ser questionada.

Kim-Jong-un.jpg

Álvaro é levado aos locais mais importantes do país e a todo momento é acompanhado pelo militante comunista, Benós. Aparentemente a sociedade se apresenta organizada de maneira satisfatória, entretanto é notória a “introversão” dos cidadãos. Não é preciso ser um expert em leitura corporal para notar o receio em interagir com as câmeras do cineasta. O historicismo romântico da Coreia do Norte apresentado pelos guias no documentário é realmente assustador. O nacionalismo representado nas crianças, nas ruas e até pelos cidadãos é inacreditável. Não há outras palavras que melhor descrevam os olhares capturados pelas câmeras. O povo norte-coreano acredita piamente que seu líder e a ideologia de autossuficiência, Juche, atendem de suas necessidades mais básicas às aspirações de vida.

criançascoreanas.jpg

Em entrevista nas ruas, Álvaro pergunta a um jovem estudante que será graduado a motorista de locomotiva qual o seu maior sonho. Após alguns segundos buscando uma resposta, ele responde que é ser motorista de locomotiva e trabalhar para seu grande líder.

É fato que a República é acusada de inúmeras violações dos direitos humanos, como trabalho forçado, liberdade de expressão etc., mas como os cidadãos não veem isso? Na verdade, desde criança eles são monitorados e trabalhados para aceitarem as condições e adorarem seus líderes como soberanos. Muitas pessoas não têm outra experiência de realidade, diariamente eles são programados para não conhecerem o mundo ocidental chamado de imperialista pelo Governo. Mas por que a Coreia do Norte se fechou para o resto do mundo? Qual sua real intenção? Não podemos excluir a loucura megalomaníaca de seus imperadores, mas o “protecionismo” sem dúvida pode ser uma das principais causas de as “portas” estarem fechadas ao resto do mundo. O histórico que temos inclui o fantasma imperialista por eles representado pelos Estados Unidos.

A relação entre Estados Unidos e Coreia do Norte não é de paz desde a invasão das tropas americanas, há mais de 60 anos, e perdura até hoje como uma troca de farpas e ameaças quase que diárias de testes de armas nucleares de curto e longo alcance, ataques comandados por líderes, como Keneddy e Bush, às produções de comodities, barragens etc.

Mas qual o interesse dos Estados Unidos em interferir no poderio militar norte-coreano além da preservação da paz e da autoproteção? Vejamos bem. O Estados Unidos da América é a representação do poderio econômico para todo o resto do mundo. Muitas vezes não percebemos, mas as grandes marcas que consumimos, como uma simples lata de Coca-Cola, representa a hegemonia norte-americana. A cultura do país é um caso à parte. Mesmo reciclada ou oriundas de outras culturas, é levada a todo o mundo como “a boa nova” americana. Música, cinema (que merecem um estudo profundo devido à influência que exercem e regras que ditam), cultura, arte, etc. A estandartização do que consumimos recebe o toque do patriotismo histórico deste universo. Isto pode responder o porquê do interesse americano em estender seu poder a um país que se fecha ao consumismo, padrões e relação “dominador-dominante”. O aclamado cientista social, como também podemos chamar, Noam Chomsky, relata este histórico em suas entrevistas e observações, o que me permite acrescentar o ponto de vista cultural e “subjetivo” da situação como algo a ser analisado e compreendido em todos os âmbitos.

NATÁLIA NOGUEIRA
Publicitária e pós-graduanda em semiótica, amante dos animais e da arte. Não sabe se aquietar e se arrisca a desenhar, pintar e cantar. Ama dormir e doces. Seu maior sonho é mudar o mundo..


http://lounge.obviousmag.org/nati_nogueira/2016/12/falta-um-coreia-e-o-nao-a-estandartizacao.html#ixzz4SfFWgZoE


0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.