Saber-Literário

Diário Literário Online

Roubaram a inocência do moleque - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 11/11/2016

Roubaram a inocência do moleque

R. Santana


Google
Qual o cristão que não gosta do Natal? Nenhum. Homem, mulher, menino, menina, todos gostam de festejar o nascimento de Jesus Cristo, sem medo de heresia, todos curtem mais o Natal do que sua Paixão e Ressurreição porque o Natal é o broto da vida enquanto a Paixão é o roxo da vida.

O Natal perdeu a simplicidade doutros tempos, onde a família se reunia em lauto jantar festivo com prelúdios de oração e após a janta iam assistir à Missa do Galo, de lá voltavam para casa felizes, jovens e velhos, namorados de mãos dadas, crianças no colo dos pais e meninos e meninas saracoteando...

Se pra nascer o moleque era trazido pela cegonha, para ter o brinquedo dos sonhos, a molecada implorava que Papai Noel descesse pela chaminé ou adentrasse pela janela de sua casa com o saco superlotado e deixasse o seu brinquedo embaixo da cama ou dentro do sapato ou dentro das meias, desperto o moleque com o canto do galo, o seu brinquedo encontrava. Nenhum pedagogo, nenhum psicólogo, talvez, algum poeta ou algum pintor soubesse colocar no papel ou na tela esse sentimento lúdico e indescritível que era o presente de Papai Noel!...

Com o advento da Internet, da televisão, e, doutros meios de comunicação, o Natal perdeu sua simplicidade e sua tradição diminuiu o ritmo, até o Papai Noel deixou de ser lenda para ser velho barrigudo de barba branca fedorenta e maltratada, travestido a caráter, nas portas das lojas e dos shoppings atraindo os pais e as crianças.

O velhinho rechonchudo inspirado no arcebispo Nicolau Taumaturgo de Mira na Turquia, nascido no Pólo Norte, que usava trenós carregados de brinquedos e arrastados por renas não existe mais na cabeça da molecada. Hoje, ele virou garoto propaganda das grandes empresas em todo mundo, aqui, em nossa terra tupiniquim, os Correios, as prefeituras e alguns empresários filantropos travestidos fazem sua vez, mas sem graça e sem sonhos, mais uma esmola do que brinquedo...

O sonho, a surpresa, a ansiedade de um menino na noite de Natal, o mito e a tradição foram trocados pelo frio glamour dos supermercados, das lojas de brinquedos, pelo selo do INMETRO e pelo comércio clandestino do camelô.

A informação massificada modificou a conduta do pimpolho e roubou-lhe a poesia e a inocência. Atualmente, não são os pais que decidem na alcova, aos cochichos, o sonho de felicidade do seu pequerrucho, mas a televisão que orienta o moleque escolher o seu brinquedo e o Papai Noel é a figura do papel de presente, para maioria dos miseráveis, é o consolo do letrista Assis Valente:

“...Eu pensei que todo mundo

Fosse filho de Papai Noel

Bem assim felicidade

Eu pensei que fosse uma

Brincadeira de papel

Já faz tempo que eu pedi

Mas o meu Papai Noel

Não vem

Com certeza já morreu

Ou então felicidade

È brinquedo que não tem.”



Mas, para todos moleques do mundo que pensaram ser filhos de Papai Noel, que o brinquedo veio e a “felicidade é brinquedo que não tem”, a saída é gritar:

-Roubaram a minha inocência!!!...







Gênero: Crônica
Autoria: Rilvan Batusta de Santana
Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.