Saber-Literário

Diário Literário Online

Roubaram a inocência do moleque - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 11/11/16

Roubaram a inocência do moleque

R. Santana


Google
Qual o cristão que não gosta do Natal? Nenhum. Homem, mulher, menino, menina, todos gostam de festejar o nascimento de Jesus Cristo, sem medo de heresia, todos curtem mais o Natal do que sua Paixão e Ressurreição porque o Natal é o broto da vida enquanto a Paixão é o roxo da vida.

O Natal perdeu a simplicidade doutros tempos, onde a família se reunia em lauto jantar festivo com prelúdios de oração e após a janta iam assistir à Missa do Galo, de lá voltavam para casa felizes, jovens e velhos, namorados de mãos dadas, crianças no colo dos pais e meninos e meninas saracoteando...

Se pra nascer o moleque era trazido pela cegonha, para ter o brinquedo dos sonhos, a molecada implorava que Papai Noel descesse pela chaminé ou adentrasse pela janela de sua casa com o saco superlotado e deixasse o seu brinquedo embaixo da cama ou dentro do sapato ou dentro das meias, desperto o moleque com o canto do galo, o seu brinquedo encontrava. Nenhum pedagogo, nenhum psicólogo, talvez, algum poeta ou algum pintor soubesse colocar no papel ou na tela esse sentimento lúdico e indescritível que era o presente de Papai Noel!...

Com o advento da Internet, da televisão, e, doutros meios de comunicação, o Natal perdeu sua simplicidade e sua tradição diminuiu o ritmo, até o Papai Noel deixou de ser lenda para ser velho barrigudo de barba branca fedorenta e maltratada, travestido a caráter, nas portas das lojas e dos shoppings atraindo os pais e as crianças.

O velhinho rechonchudo inspirado no arcebispo Nicolau Taumaturgo de Mira na Turquia, nascido no Pólo Norte, que usava trenós carregados de brinquedos e arrastados por renas não existe mais na cabeça da molecada. Hoje, ele virou garoto propaganda das grandes empresas em todo mundo, aqui, em nossa terra tupiniquim, os Correios, as prefeituras e alguns empresários filantropos travestidos fazem sua vez, mas sem graça e sem sonhos, mais uma esmola do que brinquedo...

O sonho, a surpresa, a ansiedade de um menino na noite de Natal, o mito e a tradição foram trocados pelo frio glamour dos supermercados, das lojas de brinquedos, pelo selo do INMETRO e pelo comércio clandestino do camelô.

A informação massificada modificou a conduta do pimpolho e roubou-lhe a poesia e a inocência. Atualmente, não são os pais que decidem na alcova, aos cochichos, o sonho de felicidade do seu pequerrucho, mas a televisão que orienta o moleque escolher o seu brinquedo e o Papai Noel é a figura do papel de presente, para maioria dos miseráveis, é o consolo do letrista Assis Valente:

“...Eu pensei que todo mundo

Fosse filho de Papai Noel

Bem assim felicidade

Eu pensei que fosse uma

Brincadeira de papel

Já faz tempo que eu pedi

Mas o meu Papai Noel

Não vem

Com certeza já morreu

Ou então felicidade

È brinquedo que não tem.”



Mas, para todos moleques do mundo que pensaram ser filhos de Papai Noel, que o brinquedo veio e a “felicidade é brinquedo que não tem”, a saída é gritar:

-Roubaram a minha inocência!!!...







Gênero: Crônica
Autoria: Rilvan Batusta de Santana
Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Machado de Assis, o bruxo das palavras.

ENEM: Os Gêneros Literários

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfis

Perfis
Eglê S. Machado e Antônio Cabral Filho - coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

Seguidores

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.