Saber-Literário

Diário Literário Online

Pacote de incertezas - Zuenir Ventura

Postado por Rilvan Batista de Santana 12/11/2016

Pacote de incertezas
Zuenir Ventura

O governo do estado defende como necessárias as medidas drásticas a serem adotadas contra a crise, alegando que, se essas providências amargas não forem tomadas, o déficit estadual chegará a níveis insuportáveis, a um rombo de mais de R$ 50 bilhões em 2018. Tudo bem. Mas quem garante que a adoção delas resolverá o problema? E se, a exemplo do que produzem certos remédios, houver o chamado efeito paradoxal: se, em vez de curar, a dieta se mostrar prejudicial? Afinal, as exigências do ajuste fiscal contidas no tal “pacote de austeridade” formam um assustador conjunto de decretos e projetos de lei que ameaçam um estrago na vida de muitos dos que menos têm. Programas sociais como Aluguel Social, Renda Melhor e Restaurante Popular, por exemplo, podem acabar. Reajustes salariais serão suspensos, o desconto previdenciário deve subir para 30%, e o ICMS de energia, combustíveis e telecomunicações vai tornar a vida mais cara. Parece o fim do mundo. E é, pelo menos para as vítimas de sempre.

Vários leitores do jornal têm reclamado, e um deles quis saber com ironia por que os funcionários públicos estaduais não foram convidados a participar da festa quando o estado nadava nos royalties do petróleo. Por que após “anos de má gestão do dinheiro público (e guardanapos em Paris e anéis em Mônaco) vêm cobrar covardemente a consequência de seus desatinos justamente da parte mais essencial do dia a dia: (...) professores, médicos, policiais e tantos outros serviços assistenciais?”.

Também o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, e o procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, são contrários às medidas e ameaçam recorrer contra elas, se a Assembleia aprová-las, como o presidente, Jorge Picciani, acredita que vai acontecer. O primeiro disse que não deixará a Constituição ser rasgada, e o segundo chamou o ajuste de “confisco”. Já o governador Pezão, meio perdido, avisa que não tem plano B, não sabe se vai poder pagar o décimo terceiro, e que continua “correndo atrás”.

Finalmente, uma pergunta de quem não entende de finanças públicas, só de sensatez. Se o estado chegou a essa situação de calamidade por gastar mais do que arrecadar, por que não começa o ajuste corrigindo as distorções? José Casado mostrou ontem que o Rio tem aposentados ganhando até R$ 75 mil por mês e servidor ativo recebendo até R$ 48,7 mil.

Enquanto isso, mais uma incerteza para nos perseguir: saber se o pacote anunciado como de austeridade não é, na realidade, de maldades.


Fonte: O Globo /ABL

0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.