Saber-Literário

Diário Literário Online

Lançamento: ROBERTO CIVITA – O DONO DA BANCA - Carlos Maranhão

Postado por Rilvan Batista de Santana 04/10/2016

Empresário Roberto Civita ganha biografia Escrita pelo jornalista Carlos Maranhão, obra conta em quatro partes a saga do diretor da Editora Abril
       
José Maria Mayrink - O Estado de S. Paulo


O roteiro do livro Roberto Civita: o dono da banca, escrito pelo jornalista Carlos Maranhão, confunde-se com a história da Editora Abril e, particularmente, com a da Revista Veja, da qual foi diretor de 1968 até a véspera de sua morte, em 2013. Filho primogênito de Victor Civita e Sylvana Piperno Alcorso, que fugiram da Itália e do fascismo menos de nove meses antes do início da Segunda Guerra Mundial, o ítalo-americano-brasileiro Roberto – ou Robert Frank Civita, sua identidade no passaporte americano – emigrou para o Brasil aos 13 anos de idade, atendendo à convocação do pai, que estava fundando em São Paulo a Editora Abril Ltda.
Era uma réplica da Editorial Abril, lançada em 1941 na Argentina por César Civita, irmão de Victor. A empresa brasileira teria sido criada em 12 de junho de 1950 com o lançamento da revista O Pato Donald, na versão oficial da Editora Abril. Na verdade, foi diferente. Conforme documento da Junta Comercial de São Paulo, citado por Maranhão, César Civita registrou a nova empresa de comunicação em 16 de dezembro de 1947, com o capital de 50 mil cruzeiros, equivalentes a 2500 dólares na época, ou a 27 mil dólares em 2016. O nome dele não aparece entre os primeiros diretores brasileiros, porque como estrangeiro não poderia ser proprietário de jornais e revistas no Brasil.

Dividido em quatro partes – A árvore desfolhada I, A árvore germinada, A árvore frutificada e A árvore desfolhada II – mais um epílogo e um posfácio, o livro desenvolve a narrativa em 46 capítulos, cujos títulos remetem, com dia, mês e ano, para o conteúdo de que tratam. A leitura corre fácil, graças ao estilo direto, claro e simples de Maranhão, apesar da profusão de datas, cifras e nomes que enriquecem o texto. Mesmo os leitores familiarizados e particularmente interessados na área, como jornalistas, publicitários, professores e historiadores, terão de ler com redobrada atenção essas páginas cheias de pormenorizadas informações bem checadas pelo autor.

No posfácio, Carlos Maranhão revela que Roberto o convidou em junho de 2012 para escrever a biografia a quatro mãos. “Topa fazer comigo?”, perguntou o patrão. Maranhão estava na Editora Abril havia 42 anos. Era correspondente das revistas Placar e Veja em Curitiba e tinha 22 anos de idade quando se transferiu para São Paulo.

O jornalista aceitou o convite, as gravações de depoimentos começaram um mês depois. No início de 2013, Roberto mandou agendar 37 sessões, que iriam até o final do ano. Só houve mais uma, na véspera do Carnaval.

Depois de assistir no domingo ao desfile de escolas de samba no Rio, ele se internou no Hospital Sírio-Libanês em São Paulo.

“Pooh, am I dying?”, Roberto perguntou em inglês a sua filha Roberta Anamaria no hospital, tratando-a pelo nome do Ursinho Pooh dos desenhos de Disney. Roberta hesitou, mas respondeu: “Dé (abreviatura de Dad, pai), você é um homem maravilhoso. Fez tudo o que quis na vida, realizou todos os seus sonhos profissionais e teve muitas mulheres. As pessoas não vão esquecê-lo. Mas, sim, você está morrendo...And God exists, Dé.”

Deus existe? Roberto ouviu calado. Ele se considerava ora agnóstico, ora ateu, desde a adolescência, quando descobriu que os pais lhe haviam ocultado sua origem judaica. Convertidos ao cristianismo, Victor e Sylvana matricularam os filhos num colégio católico. Iam à missa e fizeram a primeira comunhão. Roberto sentia-se culturalmente judeu e, em determinados momentos, conta Maranhão, foi aconselhar-se com rabinos.

“Mais do que os três filhos, os seis netos, as três esposas, as namoradas e as amantes, ou os 51 títulos publicados pela editora por ocasião de sua saída de cena, sem contar dezenas que ficaram pelo caminho, a entrada no universo digital, os investimentos na área da educação, a descoberta e a formação de talentos, para não falar das incursões no mundo da TV, que por um triz não o levaram a quebrar – sim, mais do que tudo isso foi a Revista Veja, durante 45 anos e cerca de 2300 edições, a suprema paixão e sua razão de ser”, afirma Maranhão.

Seguiu todas as fases da revista, administrou sucessos e fracassos, defendeu a continuidade do maior projeto de seus sonhos nas mais difíceis fases de crise. Por exemplo, durante o período da censura, quando todo o material tinha de ser enviado para aprovação em Brasília. Num dos momentos mais agudos, Roberto tentou um acordo e aconselhou (mandou?) o diretor Mino Carta dispensar o escritor Plínio Marcos, cuja coluna irritava o governo. Mino Carta, uma das seis pessoas que se recusaram a dar entrevistas para o autor do livro, foi demitido.

Roberto, um workaholic por vocação, estava sempre ligado às suas revistas, mas dizia que não trabalhava. “Eu me divirto”, falava. E era verdade. Sem demonstrar cansaço ou mau humor, mesmo quando discordava dos subordinados.

ROBERTO CIVITA – O DONO DA BANCA

Autor: Carlos Maranhão

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.