Saber-Literário

Diário Literário Online

O pequeno cajueiro - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 21/10/2016

O pequeno cajueiro
R. Santana

Ele tinha um pouco menos de três metros de altura, aliás, sua altura não passa de palpite, apenas, sabíamos que dentre todos os cajueiros da chácara, o nosso era o menor, o mais aconchegante, o mais estimado, aquele que alimentava as nossas fantasias, os nossos sonhos, as minhas esperanças e as esperanças da minha prima Gilcélia, às vezes, passávamos a tarde ou a manhã embaixo do cajueiro brincando de “casinha”, de “médico”, de “carrinho de madeira”, de “boneca”, então, trepado nele gozando a paisagem, ou, trotando-o como um cavalo, o cajueiro parecia gostar de nossas brincadeiras, o cajueiro parecia gostar de dois pirralhas de 8 e 9 anos de idade.
            O nosso pequeno cajueiro nasceu na chácara do meu avô João Zabelinha, cresceu lá e ainda está lá no Coqueiro, na cidade sergipana de Lagarto. Hoje, ele está maior e mais robusto, mesmo com o tempo, não perdeu o viço e a boniteza: frondoso, tronco forte, rijo, galhos compridos, brotos que nascem ao redor, folhas esverdeadas, amareladas e avermelhadas.
            No inverno chorava sempre e as lágrimas escorriam em suas folhas. No outono, ele curtia a temperatura amena, mas amarelava de medo de perder essa temperatura suave; vinha o verão, ficava irrequieto, ardiloso, vivo, alegre e provocante, e quando a primavera chegava, abria-se para vida e reflorescia e brotava vida por todos os lados e sorria pra natureza.
            O sol sinalizava meio dia e Gilcélia, arteira, improvisava o nosso almoço embaixo do nosso pequeno cajueiro: os pratos de esmalte, as colheres, os garfos e o feijão eram trazidos de sua casa; a farinha, o arroz, a carne e a cabaça de água potável eram trazidas da casa do meu avô, a minha casa. Depois do almoço, refestelávamo-nos no seu tronco e com voz desafinada, nós cantávamos “Cajueiro” de Jackson do Pandeiro:
Cajueiro
Cajueiro, êê, cajueiro ê-á
Cajueiro pequenino
Todo enfeitado de flor
Eu também sou pequenino
Carregadinho de amor.

Tradicional cajueiro
Dos meus avós traz lembrança
Testemunha evocativa
Dos meus tempos de criança.

O cajueiro não dá coco
Coqueiro não dá limão
O amor quando é de gosto
Não produz ingratidão.

            Cenário de festa contemplado lá de cima pelo nosso pequeno cajueiro, talvez a gozar de nossas invencionices, de nossas estripulias, do nosso amor, das nossas vozes desafinadas, de nossa ingenuidade, de nossa inocência... Eu batia o pé que nosso amigo entendia-me, Gilcélia me chamava de maluco, então, na casa do sem jeito, eu a desafiava:
            - Eu vou lhe pedir o maior caju... – ela interrompeu-me:
            - O quê? Tu estás maluco, onde já se viu o cajueiro lhe dá caju? – não me fiz de rogado:
            - Meu pequeno cajueiro! Meu pequeno cajueiro! Meu pequeno cajueiro manda um caju pra mim! – não se sabe se coincidência, o caju despencava no chão.
            Ó Deus! Ó Deus! Quê razão Tu fizeste de mim um homem?  Porque Tu não me deixaste menino? O tempo não recua e os momentos de felicidade também, já que não sou mais menino, Vós não apagues de minha alma esses momentos de criança e permita que minha alma goze essas recordações sempre! Que elas sejam eternas enquanto um sopro de vida me restar!...





Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons



1 Responses to O pequeno cajueiro - R. Santana

  1. BELO CONTEXTO LITERÁRIO.
    A ARVORE TEM RAIZES PROFUNDAS.
    BELA ARVORE, AMOR DE ARVORE FRUTIFERA.
    BOAS RECORDAÇÕES DA FAMILIA E PARA OS AMIGOS DAS LETRAS.
    JOÃODEPAULA.

     

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.