Saber-Literário

Diário Literário Online

Nóia não, meu filho! - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 06/10/2016

Nóia não, meu filho!
R. Santana

1

           
A casa dela fica no sopé de uma encosta, em um bairro de pobre, de uma cidade grande (leitor não me peça o endereço, é uma história de ouvir-dizer), embora por fora a casa não tivesse um aspecto tão miserável, por dentro, as paredes de bloco estavam sem reboco, esburacadas, lugares ideais para Alexandro, o “Alex”, assim conhecido na roda da malandragem, esconder suas pedras de crack, papelotes, porções de cocaína e quando não abraçava jacaré numa balada de grã-finos, deslocava algumas pílulas de LSD. Foi também nesses buracos das paredes de sua baia que certa feita, os milicos flagraram essa bagulhada, para surpresa de sua mãe, numa batida inesperada.  
A faxineira Matilde, conhecida de algumas casas ricas, aos troncos e barrancos, conseguiu construir o seu casebre, não era escrava do aluguel... Bom papo, amiga da vizinhança, prestativa, nordestina da gema, nos finais de semana, pegava o busão e ia bater coxas nas casas de forró, onde conheceu e enrabichou-se pelo pernambucano Alexandro de Tonha.  
. Além de Alex, Matilde teve mais quatro filhos e, se não fosse a morte prematura de Alexandro de Tonha por um colega de bebedeira, teria o dobro da molecada, pois o negro não deixava sua perereca em paz, era um danado rufião!...



2

Naquela manhã foi grande o alvoroço na casa de Matilde, o pessoal do Conselho Tutelar, alguns policiais e alguns bisbilhoteiros da imprensa estavam lá, movidos por uma denúncia anônima.
O babado foi barra-pesada, os milicos e o pessoal do Conselho Tutelar flagraram o nóia do Alex preso ao cadeado por uma enorme corrente. Um alcagüete, um vizinho, algum boca-mole, havia denunciado Matilde por maus tratos e cárcere privado do seu filho Alexandro.
Boca-aberta, incapaz de maldade, jamais pensou que por perto houvesse algum dedo-duro que se prestasse denunciar um ato de amor. Acorrentar o filho foi a contragosto, o seu peito doía, o seu coração de mãe sangrava, dilacerava, mas tinha sido do gosto e permissão de Alex, que lhe pedira como único recurso para não ser morto pelos traficantes e noiados na rua, dele dá um rolê, capar o gato...
Condicionou à sua mãe, que o acorrentasse junto da casa de força, não queria ajuda de ninguém no momento de despejar o barro ou lançar mijo no vaso, exigências cumpridas e satisfeitas sem dificuldade, pela pequenez do casebre.
Naquele dia, fotografada de todos os ângulos e posições, transformada num piscar de olhos, em bruxa, mãe desalmada e megera, por aquela gente de paletó e gravata, farda e coturno, vestido e salto alto, pedindo-lhe para explicar o inexplicável, citando-lhe leis e artigos, de muita monta e pouca utilidade, de muito saber e pouco resolver, muito xaveco e pouco dizer, Matilde teria mandado aqueles almofadinhas e aquelas mocréias queimarem a rosca noutro lugar, zoar noutra freguesia, mas o seu chegado Zé Buceta e as ameaças de prisão impediram que ela mandasse os vazarem dali...  


3

Dois meses depois:

-E aí véi, tudo bem?
-Tô a pampa! – respondeu-lhe Alex.
-Tô a fim dum rolo, véi!...
-Arranje um trampo, Joca!
-Só de aviãozinho, mano!
-Fulerage véi, os nóias queimaram o meu filme! – acrescentou:
-Tô na seca mano, com vontade de puxar um beck!...
-Eu tenho aqui uma muamba quer?
-Fulerage, Alé!...
-Mano quem está na seca...
-Paraguai não, mano! Vou pegar um traveco daqui a pouco e queimar... – Alex bufou:
-Bobó só de mulher véi, tem que rolar sentimento, tesão!...
-Papo de elefante, mano! – Alex desconversou:
-Estou bolando um trampo... barra-pesada, vinte e dois... vou precisar de gente sacudida!
-Oie eu aqui mano! Sento o dedo numa boa...  - Alex o interrrompe:
-Si liga, Joca! Nada de presunto, use a cachola e não o dedo, véi!...
-Tá lordaço, mano!!! – irritado.
-Quer peitar os milicos, os gambés, miolo de pote!? – Joca corou.
-Mano, eu não sou mané, fique na moral... – Alex amenizou:
-Véi te considero, deixe de ser salsicha!– completou:
-É money, muito money, muita grana e não couro de rato! – Joca se animou:
-Agora, estou começando ter a moral, véi! É muito money?
-Muito!
-Pode crer, se avexe não Alé, estou aqui véi!...
-Arranje dois guapos, não quero ninguém espichando as canelas!
-Dividido por quatro, mano?
-Já lhe disse que é muito dindin, fita forte, e o entrevero pode ser barra-pesada!
-Deixe comigo Alé, conheço dois cascas-grossa de confiança. E as máquinas?
-Não se avexe, mano! – Joca muda de assunto para agradar o companheiro:
-Tem azarado a mina?
-Puro suco, style mano!... – deu uma risada e advertiu-lhe:
-Cinquenta nove, véi!
-Não se avexe Alé, pode crer!...
Alex e joca pegaram o beco, ficaram na moita uns três meses. Promessa feita, palavra cumprida, Joca conseguiu numa birosca conhecida, entre uma gel e uma birita, arrebanhar para Alex, dois chegados, mais que chegados, dois colados, eternos devedores de sua amizade e favores.
Enquanto Alexandro matutava o seu plano, embrechava-se mais com a louraça Mary, não saía de sua casa, rolava sentimento, tesão e bem querer. Amizade de criança, prazer de adolescente e mais tarde...  amor de adulto.
Mary, moça saitica, puro suco, enrabichou-se desde moleca por Alexandro, um ano mais nova, fazia dele gato e sapato, mais sapato do que gato, ia buscar-lhe em qualquer boca, destemida, até pouco tempo cabaço, jurara pra sua mãe e ia catiando para o seu bem querer, toda vez que ele ia com a mão leve:
-Assim não dar nega!!! – retado.
-Tá de chico...
-Tirando onda comigo, nega!?
-Bote fé!
Alexandro armou para lhe tirar o cabaço, dar uma, ficar e enfiar... Esperou-lhe um vacilo, aproveitou um bate-coxa de sua velha num final de semana e a levou para sua baia, lá lhe encheu o bucho de caipirinha e mais cedo do que pensou e mais tarde que pode agüentar, a loira se abriu mais do que macaxeira-batata.
Agora, sua nega estava estranha, arredia, parecendo facão, choramingando pelos cantos, de cachimbo apagado, não rolava mais sentimento, fubanga sem ser fubanga, mocréia ainda menina. Apagou-se o vulcão que lhe queimava as entranhas, não tinha mais fogo no rabo, desconfiada, exigia-lhe camisinha, não podia mais dizer “tá de chico” ; agora, Alexandro a conhecia pelo direito e pelo avesso:
-Nega, ta me fazendo de mané?
-Não paizinho, é que ando com uns sonhos...
-Sonhos?
-Sim!
-Todo mundo sonha, nega!
-Mas...
-“Mas” o quê?
-Paizinho espichando a canela...
-Tá de miolo mole nega?... Tá dando uma de mãe Creuza?...
-É que tô com medo ocê morrer, tô grávida! – Alexandro quase tem um treco...
-Verdade, nega?
-Verdade, verdadeira!...


4

            O quarteirão fervilhava de policiais, suas viaturas fechavam todas as ruas ao redor, ninguém entrava, ninguém saía, lá, dentro do Banco do Povo  BPtrês adultos e um moleque crescido, de revólveres em punho, deixavam em pânico, em polvorosa, os clientes, os jovens, os menos jovens e os idosos, enquanto a polícia de megafone apelava e advertia-lhes para o perigo que eles e os reféns estavam expostos, não admitiam negociar, não atenderiam de forma alguma às suas exigências, que a saída, o bom senso, seria, eles libertarem os reféns e renderem-se à prisão:
            -Rapazes soltem os reféns e entreguem-se, os seus direitos lhes serão assegurados!!!
            -É lero-lero, atendam aos nossos pedidos!!!
            O desgaste era visível, há mais de três horas, eles estavam nessa demanda: a polícia não cedia e os bandidos não transigiam e os reféns de medo morrendo...
            As mães dos bandidos foram chamadas, a polícia usou os apelos da mãe do bandido mais novo, pois parecia o mais recalcitrante e que mantinha o controle dos demais:
            -Filho, se entregue! Sua mulher tá grávida, você vai ser pai!...
            Este último apelo mexeu com o adolescente: “você vai ser pai!...” entrou como uma lâmina afiada no seu peito. Dezesseis anos incompletos e pai, não sonhou aquilo, não sonhou ser bandido, sonhou ser doutor ou jogador, sonhou sair daquela vida de miséria, deixou a vida lhe levar, quase não teve pai, toda vida teve mãe-pai, velha guerreira, sua heroína, heroína sem placa, anônima, mas de muita história e lição de vida, escrava e mãe de escravos ainda não alforriados duzentos anos depois, pelos mais afortunados: “merda!...” – pensou.
            Novo burburinho, alguma coisa iria acontecer e aconteceu: um rapazola empunhando um 38, escondido atrás de uma jovem, rendia-se, ia entregar-se, dessem-lhe segurança, tudo estava perdido:
            -Paz!!!
            Porém, o seu apelo não levou um minuto, alguém escondido não se sabe onde, deu um tiro de fuzil e acertou o coração da jovem escudeira, simultaneamente, o jovem bandido atirou na testa do homem do megafone, caindo em seguida, crivado de balas!...

5
            Duas mulheres se descabelavam em cima do corpo do jovem Alexandro Crispiniano Filho, quando um velho policial tentou confortá-las:
            -Senhoras, menos um nóia, menos um criminoso na sociedade... – Matilde o interrompeu:
            -Nóia não, meu filho!!! – as lágrimas caiam copiosamente dos seus rostos...

Autor: Rilvan Batista de Santana
Gênero: conto.


P.S:
Esta obra está licenciada sob uma 
Licença Creative Commons
. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Rilvan Batista de Santana).Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


1 Responses to Nóia não, meu filho! - R. Santana

  1. UMA OBRA QUE SERVE DE ORIENTAÇÃO E BASE PARA FREAR NOSSOS SENTIMENTOS...RACIONL E ENCANTADOS.
    PARABENS, RILVAN BATISTA DE SANTANA, O ILUMINADO DE DEUS.
    JOÃODEPAULA.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.