Saber-Literário

Diário Literário Online

Jipe - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 13/10/16

Jipe
R. Santana

“Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio” (Raul Seixas)

Pense nesta história, caro leitor: se o prefeito de uma cidade resolvesse homenagear a figura mais popular de sua cidade e propusesse erigir estátua na praça, o faria com base nos feitos do homenageado e no reconhecimento da comunidade, mas se os feitos do homenageado não passassem de loucas e excêntricas manifestações, que o homenageado fosse conhecido pelo apelido e não pelo nome de batismo, será que o prefeito teria sucesso nesse pleito? Claro que não! Mas, se o homenageado fosse Afrânio Batista Queiroz, maluco beleza itabunense, carinhosamente apelidado de Jipe, claro que sim! Pois Jipe é a figura folclórica mais popular de Itabuna e quem mais povoou o imaginário lúdico da criança daquela época, além de obter a compreensão do adulto de seu tempo.
Não se sabe até onde é lenda e até onde é fato: conta-se que Afrânio, jovem, pediu ao pai um Jeep Willys de presente, o velho prometeu, mas não lhe deu, ignora-se o motivo do descumprimento paterno, contudo, foi a gota d´água para o distúrbio mental de Jipe. Daí em diante, ele proveu-se de apetrechos (rádio de pilha, lanterna, retrovisores, antena, buzina, volante, caixa às costas, etc.), e, tornou-se um homem-carro.
Com fôlego de maratonista, Jipe percorria com seu “Jeep” imaginário, cidades circunvizinhas de Itabuna, algumas com distância acima de 20 Km.  Com uma caixa cheia de apetrechos às costas, antena balançando da esquerda pra direita, pra cima e pra baixo, rádio de pilha ligado em alguma FM ou AM, retrovisores laterais, volante para manobrar o “carro”, lanterna, jipe é alegria da molecada aonde vai. Quando chegava à cidade, percorria a rua principal, fazia demonstrações de baliza na praça, parava quando alguém lhe oferecia combustível (água) – não tomava bebida alcóolica, fiel às leis de trânsito.
A molecada fazia uma festa quando Afrânio saía da cidade com o seu “Jeep”. Os moleques acompanhavam Jipe com tampa (volante) de panela nas mãos, numa imitação hilariante, assim, eles divertiam-se e divertiam a todos.
Suas aptidões de chofer deixaram marcas na Avenida Cinquentenário, Jipe acompanhava os automóveis com pensamento criativo nas manobras que deixavam as pessoas embasbacadas, se ia estacionar entre 2 carros, ele fazia o movimento de baliza com precisão de um piloto de Fórmula-1:  colocava o seu “Jeep” à altura do retrovisor do carro estacionado, dava uma ré em diagonal, ia pra frente e pra trás no limite da vaga, puxava a “trava” de mão, dava-se por satisfeito.
Jipe era um louco talentoso, inteligente, instinto aguçado, criativo, feliz em seu mundo imaginário, nunca fez o mal, alma pura, recolhido em sua ideia obsessiva, perseguiu o objeto do desejo e o alcançou não do modo normal, concreto, mas do modo imaginário, no mundo das ideias, lugar que somente os loucos têm acesso, lugar que tudo é possível, lugar onde não há censura, não há proibição, lugar em que o superego não decide e onde a fantasia é real.
O homem desde o princípio do mundo investiga a mente humana, mas pouco evoluiu até agora, fisiologicamente tem havido avanço, no entanto, existe ainda muito mistério. Há um adágio popular que "cada doido tem sua mania”, o que é verdade, aí se justifica o estereótipo de Afrânio Batista Queiroz.
O modelo “Jeep” 1918 bateu o motor em 2010 e Jipe foi morar no céu e parodiando os versos do poeta desconhecido, o destino de Jipe é viajar... Viajar na rua, na estrada, na luz, no ar, nas estrelas, nos cometas, nos planetas, porque o signo de Jipe é viajar, sempre aprender viajar... Jipe, o audaz, Jipe, o incansável, Jipe, o maratonista, Jipe, o homem-carro... Seu destino é viajar, sempre viajar, viajar, viajar, viajar...



Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Machado de Assis, o bruxo das palavras.

ENEM: Os Gêneros Literários

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfis

Perfis
Eglê S. Machado e Antônio Cabral Filho - coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

Seguidores

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.