Saber-Literário

Diário Literário Online

Ninguém esperava! - Antonio Nunes de Souza*

Postado por Rilvan Batista de Santana 29/09/16

Ninguém esperava!
Antonio Nunes de Souza*

Tudo que acontece nesse mundo de “meu Deus”, na sua maioria, tem características interessantes e estranhas que, por mais que sejamos experientes, estudiosos, analistas, ou adivinhos, sempre somos surpreendidos por desfechos completamente inesperados e improváveis!
Estava agora rememorando o que aconteceu comigo e Isabella (meu nome é Ana), mas, desde criança somos tratadas como Aninha e Bela. Eu, menina pobre fui parar na casa de Bela em função do seu pai, homem rico e legal, contratar minha mãe para ser a governanta em sua casa e, além de dar uma quitinete no fundo, concordou que eu fosse junto, pois, sendo da mesma idade de Bela seria uma companhia para brincar e estudar.
Tínhamos sete anos nessa época e, com sua bondade, dr. Meira me matriculou na mesma escola da filha, custeando todos meus estudos. Minha mãe chorou de felicidade, mas, para mim que nada entendia, encarei como uma coisa normal. Brincávamos, passeávamos, saímos para aulas de piano, tênis, natação, balé, etc., praticamente como se fôssemos irmãs. Só que eu, mesmo sendo bonita, era negra e Bela era loura linda e com características escandinavas. Um contraste interessante, mas todos nos admiravam pela união, afeto, amizade e carinho. Era uma maravilha, pois, até a noite quando dr. Meira chegava, pegava as duas no colo e enchia de beijos e abraços, sempre trazendo chocolates para nós. Verdadeiro carinho de pai! Minha mãe, rezava muito agradecendo a Deus essa dádiva!

Fomos crescendo e, em função dessa amizade ardente e união, começamos a nós tocarmos e alisarmos pela curiosidade do sexo, que terminamos passando a ter verdadeiras relações sexuais, com orgasmos e sensações novas e boas em nossas vidas. Isso começou quando tínhamos dezesseis anos, já terminando o secundário e nos preparando para o terrível vestibular que, na verdade, não nos amedrontava, pois éramos ótimas alunas!
Esse amor carnal era nosso maior segredo e ninguém percebia, pois nossas características de irmãs, fazia com que essa ideia não pudesse brotar em alguma mente. Nos amávamos loucamente em nosso quarto, já que passei a morar junto com Bela, para que fosse mais fácil estudarmos e fazermos companhia a noite uma para a outra!
Passaram-se os anos, fizemos faculdade, nos formamos em medicina, dado a influência do nosso querido (pai e protetor). Nossa amizade sexual já durava oito anos, já que estávamos com 25 anos e, curiosamente, nunca chegamos a namorar com nenhum rapaz, conservando nossos afetos uma para a outra, que, sinceramente, preenchia nossos desejos, não dando lugar para ter a curiosidade de testar o sexo oposto!
Na nossa formatura ganhamos do dr. Meira uma viagem para passar 15 dias em Salvador, exatamente nos dias precedentes ao carnaval e mais uma semana posterior aos festejos. Não precisa dizer que enlouquecemos de alegria, pois, morávamos em Cuiabá e tínhamos loucura para conhecer a maravilha citada por todos, que era Salvador e seu desbundante carnaval!
Providências foram tomadas, reservas de hotéis, compra de Abadás do Chicletes e Olodum, além dos pequenos detalhes importantes para que as noitadas fossem delirantes. E, na verdade, foram!

Assim que chegamos, logo a noite fomos a um ensaio da Timbalada, que era uma verdadeira loucura, comandada por Carlinhos Brawn e seus timbaleiros. E, de estalo, eu conheci Hiltinho, que não era garotinho, mas, com seus 40 ou 50 anos, derramava charme e dançava como ninguém e, ao mesmo tempo, Bela conheceu Maurício Benjamim, cara sarado, super alegre, muito doidão e animado. O verdadeiro barriga de tanquinho, já que vivia sempre em cima das pranchas de surf. Dançamos loucamente, bebemos rimos e nos divertimos até o dia raiar, acontecendo o inesperado: levamos ambos para o nosso hotel, transamos quase até as dez horas da manhã, dormimos e, pela tarde, depois do almoço as 15 horas, eles foram nos mostrar a Praia do Porto, point respeitável dos turista de todo o mundo!

A essa altura, percebemos que estávamos dando um tempo em nossa relação, mas, que estava valendo a pena a nova e deliciosa experiência peniana. Assim como nós, os dois estavam também vidrados na gente, já que além de bonitas, tínhamos classe e qualificações. Principalmente pela nossa independência, já que, para eles, tudo era 0800!
Encurtando a conversa, passamos um carnaval inesquecível, ficamos nos correspondendo e eles indo nos ver eventualmente, até que, resolvemos nos casar. Eles foram bem recebidos pelo dr. Meira (que era viúvo) e pela minha mãe que transbordava de felicidade.
Já se passaram 10 anos, temos dois filhos cada uma (curiosamente casais). Moramos, por um pedido do pai de Bela, que, para mim, já era também o meu pai (pois me perfilhou há pouco tempo). Sempre vamos passear em Salvado e ficamos hospedados o no apartamento do sogro de Bela, dr. Hélio ou na casa de minha sogra Dayse em uma praia famosa chamada Arembepe!
Ninguém poderia imaginar esse desfecho, principalmente, nós duas que, por uma década fizemos as mais fervorosas juras de amor eterno e fidelidade!
Essa “vida louca” sempre nos oferece histórias, completamente, inusitadas!



*Escritor – Membro da Academia Grapiúna de Letras –AGRAL – antoniodaagral26@hotmail.com

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Machado de Assis, o bruxo das palavras.

ENEM: Os Gêneros Literários

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfis

Perfis
Eglê S. Machado e Antônio Cabral Filho - coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

Seguidores

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.