Saber-Literário

Diário Literário Online

“Moro mentiu para prender Mantega”, dispara jornalista

O jornalista Fernando Molica denuncia em seu blog, com provas, não com convicção, que o depoimento de Eike Batista, usado por Sergio Moro como principal – na verdade, única – base legal no pedido de prisão de Guido Mantega, não trazia nenhuma acusação contra o ex-ministro.

Sergio Moro mentiu.

Sergio Moro distorceu o depoimento de Eike Batista, de maneira a tirar dele uma interpretação completamente desconectada do que o empresário de fato disse aos procuradores.

Batista, em seu depoimento, fez questão de inocentar Guido Mantega, e não acusá-lo. E ainda enfatiza que fazia doações para todos os partidos, inclusive para Cristovam Buarque, o hipócrita que se tornou golpista sabe-se lá com que interesses.

Sergio Moro mentiu para poder tirar a liberdade de um cidadão brasileiro.

Sergio Moro mentiu para poder interferir no processo eleitoral de uma das maiores democracias do planeta.

Sergio Moro mentiu para dar continuidade a uma farsa que já transformou nossa democracia numa miserável republiqueta de bananas.

Sergio Moro mentiu para ajudar o golpe.

Sergio Moro acaba de voltar dos Estados Unidos, onde deu palestras, por um cachê que não precisa revelar ao público, porque um STF acovardado e cúmplice do golpe, acaba de mudar a regra que obrigava os juízes – que são, afinal, simples servidores públicos – a informarem o cachê pago por participação em eventos e estabelecia alguns limites.

Agora não. Agora o cachê pago a juízes é sigiloso e não tem mais limites. E isso apesar dos juízes brasileiros – junto com promotores – receberem os maiores salários pagos no planeta para funções similares.


Na série Billions, o procurador da região sul de Nova York, revela seu salário: 185 mil dólares por ano, ou 15 mil dólares por mês – nos EUA, não tem 13º salário. Isso num país com um custo de vida bem superior ao nosso.

Aqui no Brasil, Sergio Moro recebeu, apenas num mês, R$ 77 mil.

Pesquisa recente revela que o Judiciário brasileiro é, proporcionalmente ao PIB, seis vezes mais caro que o Judiciário dos Estados Unidos.

Bem vindos à ditadura do judiciário mais corrupto, mais caro e mais golpista do mundo!

O Cafezinho pede licença a Fernando Molica para reproduzir o seu post.

***

Ao MPF, Eike negou motivo alegado por Moro para prender Mantega

Por Fernando Molica, em seu blog

em 22 de setembro de 2016

Eike Batista, em seu depoimento a procuradores da Lava Jato, não fez qualquer relação entre contratos do Consórcio Integra com a Petrobras e o pedido de contribuição de R$ 5 milhões para o pagamento de dívidas do PT que, segundo ele, foi feito por Guido Mantega. A OSX Construção Naval, de Eike, fazia parte do consórcio.

No despacho/decisão em que determinou a soltura do ex-ministro, Sérgio Moro afirma que as decisões relacionadas à nova fase da Lava Jato, entre elas a prisão de Mantega, estavam ligadas “a propinas em contrato da Petrobrás com o Consórcio Integra”.

Moro cita a entrega da quantia que teria sido pedida por Mantega:

“O pagamento estaria vinculado ao esquema criminoso que vitimou a Petrobrás e a propinas também pagas a agentes da Petrobrás no âmbito do contrato da Petrobrás com o Consórcio Integra”, escreveu o juiz.

A ausência de ligação entre o pedido do ex-ministro e a Petrobras foi reafirmada em nota divulgada, nesta quinta-feira, pelos advogados de Eike. A relação entre a suposta solicitação de Mantega e a estatal é que justifica o fato de a investigação sobre o suposto ato do ex-ministro ser conduzida pela Força-Tarefa da Lava Jato. Mantega foi presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

No despacho/decisão anterior, que determinara a prisão de Mantega e de outros suspeitos, Moro cita outros depoimentos que indicariam fraudes em contrato da Petrobras com o Consórcio Integra. O nome de Mantega, porém, não é mencionado nesses relatos.

Formado pela Mendes Junior e pela OSX, o consórcio, em julho de 2012, assinou com a Petrobras um contrato de US$ 922 milhões para a construção de duas plataformas de construção de petróleo. A conversa com Mantega, segundo Eike, ocorreu em novembro, cinco meses depois.

No depoimento, Eike nega que tenha feito qualquer pagamento ilícito relacionado ao contrato. A transcrição oficial da conversa mostra que um dos procuradores perguntou se empresas de Eike tinham algum contrato “relacionado a plataforma”. O empresário disse que sim, com a Integra, e citou a Mendes Junior – disse que havia cedido um espaço para a empreiteira, que era responsável pelos contatos com a Petrobras. Frisou que não era bem visto na estatal: “Eu era o diabo lá dentro”, disse.

Um dos procuradores perguntou:

“E nesse relacionamento, esse contrato com a Petrobras, considerando o contexto da Lava-Jato, o senhor teve ciência ou participou de algum ato ilícito?”

Eike respondeu:

“A estrutura nunca… Olha, de novo, a gente entrou nessa operação com a área, o espaço, acho que tem o contrato né, que rege, qual é o contrato que existe com a Mendes Junior?”

O representante do Ministério Público Federal foi mais direto:

“Mas só voltando objetivamente, a pergunta que eu fiz ao senhor: o senhor tem conhecimento ou teve participação em algum ato ilícito ligado a esse contrato?”

Resposta do empresário:

“Absolutamente não.”

O procurador insistiu:

“Certo. O senhor teve algum relacionamento… ”

Eike:

“Até porque não faz parte da cultura nossa, por favor, eu não…”.

O representante do MPF continuou, mas Eike ressaltou que não participara de nada ilegal e ressaltou que, por estar envolvido na exploração de petróleo, não tinha boa relação com a Petrobras e que estava de fora do “clube”, uma suposta citação a esquemas irregulares de empreiteiras na estatal:

“MPF: Perguntamos isso, senhor Eike, porque vendo a lava-jato, isso aconteceu diversas de outras vezes. Então nunca foi solicitado ao senhor, digamos, comissionamento para a Petrobras?

DEPOENTE: Olha, eu era como um jogo fora do baralho. É só vocês verem o que aconteceu. Por que que o Eike Batista não está na Lava-Jato? Não está envolvido com Petrobras? Por que? Eu com os empreiteiros, eu era um bicho que as pessoas nem sabiam me interpretar. O que eles faziam era o seguinte: vamos sugerir para a Petrobras construir um novo porto. Essa era a cultura. Um cartel e o Eike Batista que trazia empresas estrangeiras e capital próprio, não encaixava. Esse clube… eu não fazia parte desse clube. E sempre fui expulso do clube.”

Depois, o procurador perguntou se ele conhecia operadores financeiras denunciados na Lava Jato. Eike negou conhecer, entre outros, Alberto Youssef, Mario Goes e Milton Pascowitch. O empresário disse que chegou a ser procurado por Fernando Soares, o Fernando Baiano, mas disse que a conversa não estava relacionada à Petrobras.

No depoimento, Eike diz que Mantega pediu os R$ 5 milhões para pagamento de despesas de campanha:

“Então numa dessas visitas aconteceu precisamente no dia 1º de novembro de 2012, no Gabinete do Ministro MANTEGA, houve um pedido para que eu contribuísse para campanha, para é (…), despesas, porque a campanha já tinha passado, despesas para campanha.”

Os procuradores também quiseram saber se o dinheiro iria para o PT e se Mantega fizera alguma ameaça caso a contribuição, que acabaria sendo paga à publicitária Mônica Moura, não fosse entregue.

O empresário negou qualquer ameaça, mas deu a entender que, por conta do volume de seus investimentos, não iria contrariar o ministro:

“MPF: Me permita que… um outro questionamento, senhor Eike. Isso tinha por objetivo de certa forma repassar valores para o Partido dos Trabalhadores?

DEPOENTE: Claro. No fundo, no fundo sim. O Ministro de Estado me pediu, que que você faz? Eu tenho 40 bilhões investidos no país, como é que você faz?

MPF: Ele fez algum tipo de ameaça ao senhor? Fez assim, olha, se não acontecer isso, vai acontecer aquilo?

DEPOENTE: Não, não. Não. Isso nunca existiu. Até porque o capital era meu. Não tinha o que me dar.”

Na conversa com os procuradores, Eike entregou uma lista de contribuições de campanhas a partidos políticos, revelou que também fez doações para outros partidos, entre eles, o PSDB:

“Depoente: Eu devo ter. Então, como eu fazia, eu fazia muito no espírito – está aqui, eu tenho aqui – assim democrático, como meus projetos eram muito grandes, estavam em todos os Estados, se nos, quer dizer, achamos que temos uma democracia, eu participei de praticamente em 2006 com o mesmo volume de recursos R$ 1 milhão para o PT, PSDB, é (…) tudo isso daqui a gente pode deixar aqui né.”

Citou também doação para o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) – seu nome foi transcrito como “Cristovom”:

“Pelo menos, olha, eu acho quem agradeceu foi quem eu não conheço, o CRISTOVOM BUARQUE, esse é educado, o resto não dava para as presidências de partido, comitê de partido, e (…).”

Fonte:
Redação Click Política

http://clickpolitica.com.br

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Machado de Assis, o bruxo das palavras.

ENEM: Os Gêneros Literários

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfis

Perfis
Eglê S. Machado e Antônio Cabral Filho - coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

Seguidores

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.