Saber-Literário

Diário Literário Online

Cem anos em um dia - Zuenir Ventura

Postado por Rilvan Batista de Santana 10/09/2016

Cem anos em um dia
Zuenir Ventura

Foi um domingo especial este último, em que familiares, alunos, ex-alunos e colegas da ABL se reuniram para celebrar os 100 anos da professora Cleonice Berardinelli, doutora em Literatura Portuguesa, consagrada nos meios acadêmicos daqui e de Portugal por seus trabalhos — em especial os dedicados a Fernando Pessoa. Por algumas boas horas nos esquecemos da crise atual, do baixo astral, e passamos a evocar as décadas em que a Divina Cleo reinava com seu saber e carisma nos cursos de Letras da antiga Faculdade Nacional de Filosofia, ao lado de um time de catedráticos de causar inveja: Manuel Bandeira, Alceu Amoroso Lima, José Carlos Lisboa, Celso Cunha, Hélcio Martins, Roberto Alvim Correa, Thiers Martins Moreira. Eram tempos em que “narrativa” designava o que romancistas como Machado de Assis escreviam, e não o que se atribui hoje às artimanhas usadas por Eduardo Cunha ou Renan Calheiros para se livrar da Justiça. Em vez de discutir o que é melhor/pior, se Temer ou Dilma, como agora, dividíamos nossas dúvidas entre Cervantes ou Camões, Pessoa ou Lorca. É verdade, éramos alienados, só pensávamos em literatura. Porém, valia mais a pena, como vale até hoje, quando a alma não é pequena. Nessa tarde, estavam ali alguns dos remanescentes daquela época de ouro: Margarida, Ana Maria, Gilda, Domício, Carlos, Cecchin, com direito a versos de Mário de Sá-Carneiro cantados por Adriana Calcanhoto. Alguém lembrou o dia em que Getúlio Vargas se suicidou. “Ouvimos a notícia e em seguida continuamos falando de um poema do Lorca”. Envergonhado, escondi a satisfação que tive porque seria feriado e, assim, não precisaria entregar o trabalho de casa que não tinha feito.

Bonita e elegante em sua cadeira de rodas, Dona Cleo recebeu seus admiradores por cerca de três horas, lembrando o nome de cada um com sua famosa voz cristalina de adolescente, que ainda impressiona, e a memória prodigiosa que se impacienta quando alguém parece testá-la: “Claro que me lembro, você já me apresentou”. Ou então: “Claro que me lembro, há muitos anos ele me entrevistou”. O mais divertido, porém, é o seu humor cheio de picardia: “Sua mulher está muito bonita, já você...”. Disciplinadamente na fila de cumprimentos, Padre Jesus Hortal, que foi reitor da aniversariante na PUC, acrescentava outro epíteto: “além de Divina, Celestial”.

Na hora do “Parabéns pra você”, a aniversariante cantou junto com todos e com sua bisneta Cleo, de 9 anos, que apagou as velinhas e ajudou a “bisa” a cortar o enorme bolo. Noventa e um anos separavam as duas Cleos, mas a animação era a mesma.


Zuenir Ventura



Fonte: O Globo / ABL

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.