Saber-Literário

Diário Literário Online

A VAMPIRA LIBIDINOSA - Mateus Cosentino

Postado por Rilvan Batista de Santana 22/09/2016

A VAMPIRA LIBIDINOSA


Alguns dos meus leitores, disseram que em meus textos sou prolixo, uso palavras difíceis, sendo castiço e até “arcaico” algumas vezes.
Estes são meus melhores leitores, porque não me bajulam e dizem o que pensam. Sei entrementes que para o meu “mau leitor”, ou leitor ocasional de literatura em geral, o estilo aparentemente “difícil” com o qual escrevo, somente cria dificuldades na leitura e fica enfadonho, pretensioso, ou ininteligível.

Segundo pesquisas americanas, as pessoas de lá falam, em média, de 7 a  20 mil palavras por dia, dependendo de seu grau e instrução. Por outro lado, conforme algumas fontes daqui, o número de verbetes existentes no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa é 228 500 palavras, enquanto no Dicionário Aurélio Online estão catalogadas  435.000. Esses números, que a mim parecem absurdos, me levam a perguntar quantas dessas palavras são conhecidas e/ou utilizadas por nós simples mortais.

Não encontrei resposta para isso, mas uma pessoa culta talvez nem conheça menos de uns 10%, ou seja, de 23.000 a 43.000 palavras de nosso idioma. Portanto qualquer mortal desconhece mais de 90% dos vocábulos contidos nos Dicionários. Assim, para todos nós em geral, o Dicionário é realmente o “pai dos burros”. 

Sempre me senti “muito burro” e muito mau leitor de Guimarães Rosa, o considerado, por quase unanimidade da crítica nacional, como um dos maiores escritores brasileiros. Mas ignorante que sou do regionalismo e do “invencionismo vernacular” do famoso autor, o tenho considerado ininteligível em alguns trechos, pretencioso em outros e enfadonho às vezes. Já cheguei a interromper a leitura de obra sua, não voltando mais a ela.  Evidentemente por comprovada ignorância minha, considero que o idioma com que o Rosa escreveu, seja “outra língua”, muito parecida com o português. 

Tive também algumas dificuldades em minhas leituras de diversos outros autores de excelência comprovada, como Camões, Cecília Meireles e Clarice Lispector e mais alguns. Mas a estes todos voltei a insistir em releituras e acabei não somente os aceitando como também gostando imensamente de tê-los lido.

Por outro lado, devorei as obras Castro Alves, Machado de Assis, Olavo Bilac, Eça de Queiroz, Jorge Amado e muitos outros, mesmo sem conhecer algumas palavras contidas em seus textos. Confesso que umas poucas vezes, supri o meu desconhecimento com a ajuda preciosa de um Dicionário.

Não me é muito claro o porquê se detesta o estilo de poucos, se faz grande esforço para apreciar o estilo de alguns clássicos e se deixa levar pelos escritos de outros tradicionais literatos. Porém, mesmo sem muita clareza, estou propenso a considerar que, apesar do nível de erudição vernacular da linguagem de um escritor, o que prende o leitor é o tema.

Sei que com esta conclusão “não descobri a América”, mas fiquei finalmente convencido de que se ao escrever eu não tratar de sexo maliciosamente explicito, crimes hediondos, aventuras sobre-humanas, fantasmagorias horripilantes ou autoajuda de qualquer tipo, dificilmente chegarei a escrever um “best-seller”, nestas terras tupiniquins.

Mas, enquanto isso vou continuar a desenvolver meus textos criticáveis por serem prolixos, com palavras difíceis, estilo castiço e até mesmo arcaico. Continuarei sendo prolixo porque acredito que o detalhamento é necessário para dar precisão e lógica ao contexto de fatos e situações descritas. Manter-me-ei castiço e arcaico, porque o uso mais amplo de vocabulário é extremamente necessário para:

·        manter a exatidão das ideias desenvolvidas
·        conservar conhecida a língua culta, ou a linguagem regional e
·        instruir o leitor, ampliando seu conhecimento de sua própria língua.   

Porém estou convencido que para conquistar mais leitores interessados e fidelizá-los, devo modificar o nível de minha temática. Talvez escreva um livro sobre um extraterrestre tarado sexual, que estrupa suas vítimas, mas é trazido para o lado do bem por uma linda mulher espiritualista e mística, que secretamente é uma vampira libidinosa.






Mateus Cosentino
Sampa – 21/08/2016


0 comentários

Postar um comentário

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Patrono

Patrono

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creatve Commons.
Tecnologia do Blogger.