Saber-Literário

Diário Literário Online

SÓ LEVO A CERTEZA DE QUE MUITO POUCO EU SEI, OU NADA SEI - Val Cabral

Postado por Rilvan Batista de Santana 03/08/2016

SÓ LEVO A CERTEZA DE QUE MUITO POUCO EU SEI, OU NADA SEI

O que tenho falado é muito pouco do que tenho para aprender
Trago comigo o que foi plantado em minha alma às margens do rio Cachoeira, por entre suas margens onde o sol se espalhava no espelho d´água, tingindo de vermelho laranja e amarelo, o divisor de partes de Itabuna, sob brancas nuvens e céu azul.
O verde que se aninhou naquele tempo em suas margens fez surgir em meu coração uma esperança que nunca morre, e retempera em mim a crença de que é preciso seguir avante, sempre e sem parar, mesmo que no caminho existam pedregulhos que nos machucam os pés e crateras que retardam os nossos passos. Não há tempo para enxugar as lágrimas nem lamentar as perdas, para o repouso ou a trégua.
Assim também resiste o moribundo rio Cachoeira. Ir, eis a ordem. No colo materno aprendi a ver a sabedoria escondida na simplicidade e na prudência, a palavra poupada quando se fazia desnecessária. Nos braços dos meus avós toda ternura testemunhei a bondade traduzida em gestos concretos, as portas sempre abertas para os desvalidos, a mesa sempre posta para servir aos famintos, o ouvido sempre disponível para as queixas e os lamentos. Com um vizinho generoso testemunhei o milagre cotidiano da multiplicação dos pães a encher a barriga da sua grande parentela rural.
Não recebi lições de força física, sequer me ensinaram a briga ou a disputa. Mostraram-me pardais na jaqueira e os pássaros que saíam dos bambuzais da ilha do Jegue, mal a noite se anunciava, sobrevoando as nossas casas com o seu voo pontual. Fizeram-me ouvir sapos no meio da manhã, e galos apressados que cantavam antes mesmo de o dia raiar.
Tomei banho de chuva em tardes de inverno, ao som de cigarras que faziam algazarra nas jaqueiras do sítio do seu João Moraes, pai do blogueiro Chaparraus e onde está fincada a Câmara de Vereadores. Joguei gude, rodei pião, fiz guerra de mamonas lançadas de estilingue – que para nós era muito divertido.
Cantei benditos marianos no mês de maio, entoei a ladainha de Santo Antônio em junho, na casa de Dona Stela, mãe do benemérito da Santa Casa, José Laytiner e comi caruru na sexta-feira da Paixão, ouvi os sinos silenciados em respeito ao sofrimento e morte do Redentor. Corri de bicicleta pelas ruas do Prado, Silveira Moura..., pulei de pés descalços em poças de lama e sarjetas transbordantes. Apontei estrelas sob o risco de verrugas no indicador, gesto ousadíssimo para a minha pouca coragem infantil. Tive pesadelos com a “mão cabeluda”, que diziam existir no fundo do rio Cachoeira, fugi com medo do “Tarzan”, que se vestia de Papai Noel, das caretas dos carnavais e do “bicho que pegava menino traquino”. Vivi a intimidade com o sagrado e me afeiçoei ao silêncio, entre altares e castiçais. Semeei sonhos que nunca viraram realidade, enquanto cruzes de cemitério foram aos poucos tomando o lugar de muitos rostos amigos.
Faço meus os versos de Almir Sater; “Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe? Só levo a certeza de que muito pouco eu sei. Nada sei.”


Fonte: Enviado por e-mail pelo autor

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.