Saber-Literário

Diário Literário Online

CONVITE: Ciclo Mutações 2016 - SESC - VILA MARIANA.

Postado por Rilvan Batista de Santana 09/08/2016

CICLO MUTAÇÕES CHEGA AOS 30 ANOS E TRAZ 24 CONFERENCISTAS PARA EDIÇÃO ESPECIAL NO SESC VILA MARIANA

Objetivo do evento, de 31 de agosto a 4 de novembro de 2016, é atualizar os
temas abordados nos anos anteriores, com organização de Adauto Novaes


“Eu disse um dia e talvez com razão: da antiga cultura restará apenas um monte de escombros, um monte de cinzas, mas haverá espíritos que flutuarão sobre essas cinzas”. O impacto dessa cena, imaginada pelo filósofo Ludwig Wittgenstein, é uma boa indicação do que vai ser o Ciclo Mutações 2016: Entre Dois Mundos – 30 anos de experiência do pensamentode 31 de agosto a 4 de novembro, no Sesc Vila Mariana.


Grande fórum de discussões que ocorre simultaneamente em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, o Ciclo Mutações é um convite ao público para desacelerar e refletir sobre o mundo moderno e as transformações éticas e produtivas nas relações humanas e, possivelmente, se transformar após essas conferências.

O ciclo, concebido e organizado pelo filósofo Adauto Novaes, completa 30 anos de existência. Temas importantes foram abordados ao longo desse período, em mais de 800 ensaios, como as paixões, o olhar, o desejo, a política, a ética, a civilização e a barbárie. A proposta desta edição especial é rediscutir os temas previamente abordados, atualizando-os e trazendo desdobramentos (acompanhe a programação das palestras pelo Portal Sesc SP).

O evento contará com 24 conferencistas: Francis Wolff, Marilena Chauí, João Carlos Salles, Maria Rita Kehl, Franklin Leopoldo e Silva, Marcelo Jasmin, Antonio Cicero, Pascal Dibie, Oswaldo Giacoia Junior, David Lapoujade, Guilherme Wisnik, Jean-Michel Besnier, Newton Bignotto, Eugênio Bucci, José Miguel Wisnik, Marcelo Coelho, Jean-Pierre Dupuy, Frédéric Gros, Luís Alberto Oliveira, Pedro Duarte, Renato Lessa, Vladimir Safatle, Olgária Matos e Jorge Coli.

Na opinião de Novaes, as ideias não estão superadas. Elas se tornariam frágeis se permanecessem presas a si mesmas. Apresentando-se como passagem, ganham mais certeza, mais potência de transformação. A proposta do novo ciclo, portanto, é “ir ao impensado dos ciclos anteriores através dos vestígios de coisas já pensadas”.

A conferência de abertura será realizada pelo filósofo francês Francis Wolff no dia 31 de agosto, às 19h30, no Teatro do Sesc Vila Mariana. Wolff é professor de filosofia na Ecole Normale Supérieure (Paris) e já lecionou na Universidade de Paris-Nanterre e na USP. É autor de artigos e livros dedicados à filosofia antiga, à filosofia da linguagem e à metafísica contemporânea.
Na abertura de cada novo Ciclo Mutações, as Edições Sesc SP lançam um livro com as conferências proferidas no ano anterior. Antes de começar oficialmente o Ciclo Mutações 2016: Entre Dois Mundos – 30 anos de experiência do pensamento, no dia 31 de agosto, às 19h30, no Teatro do Sesc Vila Mariana, será apresentado o nono livro da série Mutações, “O Novo Espírito Utópico” (Edições Sesc SP, 2016, 408 páginas), organizado por Adauto Novaes. Tendo como premissa a temática de um futuro pensado, a obra escrita permite a contemplação, por parte dos seus leitores, da beleza que esse mesmo cotidiano pode nos oferecer e o equilíbrio que devemos buscar.
As demais conferências serão de 14 de setembro a 4 de novembro, no Auditório da mesma unidade, sempre às 10h30. As inscrições iniciaram-se no dia 26 de julho, com valores de R$ 6 a R$ 20 por palestra, pelo Portal Sesc SP (bit.ly/Muta30anos)ou nas Centrais de Atendimento de todas as Unidades do Sesc SP.

Confira os temas das conferências programadas para São Paulo:
31/8 – Amizade / Francis Wolff               
Hoje um tanto esquecida, a amizade era valor de referência para a filosofia antiga. Tanto que, de Aristóteles a Epicuro, a relação entre amizade e felicidade foi amplamente debatida. É dela, suas implicações e paradoxos, que se procurará tratar.

14/9 – Os sentidos da paixão (A liberdade: afastar e combater as paixões tristes) / Marilena Chauí
A alegria fortalece o corpo e a mente, de modo a conduzir da passividade à atividade. A tristeza enfraquece e subjuga às forças exteriores. Eis por que afastar e combater a tristeza é condição necessária para a liberdade.

15/9 – O olhar (O olho e a história) / João Carlos Salles               
Ainda presente no pensamento moderno, o olhar divino, eterno, associa o necessário ao universal. Na atualidade, há que se associar o ver, histórico, a um espírito que anda, perfazendo conexões e inventando necessidades: perspectivo, pedestre.

16/9 – O desejo (A depressão e o desejo saciado) / Maria Rita Kehl     
Trata-se de articular a noção de desejo a um dos grandes enigmas do século 21: o do aumento das depressões em um mundo em que as pessoas são assoladas por objetos, ofertas, imagens, sonhos prontos. A depressão é o desejo saciado.

21/9 – Ética (A antiética da violência) / Franklin Leopoldo e Silva          
Mais do que a degradação do sentido ético-político, do espaço público (em função do interesse privado), do senso de solidariedade (em função do egoísmo), a sociedade vive a substituição da ética pela violência.

22/9 – Tempo e história / Marcelo Jasmin          
O tempo já foi circular. Ele também já foi linear, rumo a um futuro rico em significado. Já hoje ele parece combinar a latência inultrapassável do primitivo com os raios velozes de uma tecnologia renovada sem fim e significado.

23/9 – Artepensamento / Antonio Cicero           
São inesgotáveis as relações entre arte e pensamento. Por isso, é preciso escolher uma referência. A obra de Heidegger. Por quê? Porque é exatamente segundo ela que a linguagem – a casa do ser – é guardada por poetas e pensadores.

28/9 – A condição humana / Pedro Duarte         
O específico da mutação atual é que ela busca abolir os limites. Mas será que há vida sem morte, início sem fim? Pode ser que o homem caminhe agora pelas trilhas da desmedida trágica e encontre o avesso do que procura: seu fim.

29/9 –A crise da razão / Oswaldo Giacoia Júnior             
Em meio a paixões, desejos, interesses, conflitos e outras variantes, é difícil equacionar o desenvolvimento da tecnociência. Esse é o aspecto mais preocupante do cenário em que se desenrola hoje o drama da crise da razão.

30/9 – A invenção das crenças (Uma antropologia da crença) / Renato Lessa    
Se o homem é um animal ativo, há que se considerar a ideia de crença, pois é no abrigo dela – e não no mapeamento prático ou no cotejamento com a materialidade das coisas – que as sensações epistêmicas são, de fato, usufruídas.

5/10 – Civilização e barbárie (Nós, os bárbaros) / Newton Bignotto      
A fusão entre o público e o privado, que caracterizava o regime totalitário, integra-se à típica sociedade industrial contemporânea, que faz da violência a solda de laços que constituem o universo dos novos bárbaros: nós.

6/10 – O homem máquina (O amor na era digital) / Francisco Bosco     
É preciso investigar as experiências amorosas e sexuais a partir das possibilidades tecnológicas contemporâneas. Isso, claro, em contato e contraste com a história de tais experiências, sobretudo algumas de suas teorias mais relevantes.

7/10 –Muito além do espetáculo (Muito aquém da superação) / Eugênio Bucci
Hoje, o olhar é o sentido dos sentidos. Ele pode, por exemplo, tornar-se o fundamento social do capitalismo transbordado em espetáculo ou o móvel dispositivo do acervo imagético transitório de um tempo mutante... Ou mais, muito mais.

13/10 – Poetas que pensaram o mundo (Drummond e a maquinação do mundo) / José Miguel Wisnik             
Em 1942, fundou-se a Vale do Rio Doce para exportar minério de ferro extraído de Itabira, terra natal de Drummond. Isso integrou os bastidores históricos de dois de seus poemas cruciais: Grande máquina e A máquina do mundo.

14/10 – O silêncio dos intelectuais (Entre o silêncio e a irrelevância) / Marcelo Coelho
Entre a generalidade e a falsa competência, como recuperar a credibilidade do intelectual hoje? Talvez o papel dele seja o de ligar os pontos, sem se impor como porta-voz da universalidade, mas aspirando a uma visão de mundo mais articulada.

19/10 – Novas configurações do mundo (Mundos reconfigurados) / Luiz Alberto Oliveira
Verdadeira mutação, a reconfiguração do mundo é tal que impele pesquisadores e pensadores a novos conceitos e posturas para dar conta de indeterminações que partem de todos os lados e todos os níveis, do bacteriano ao atmosférico.

20/10 – Vida vício virtude / Vladimir Safatle
O conceito de vida redimensiona o de virtude. Essa perspectiva já estava presente nas obras de Nietzsche (amor pelo destino) e Deleuze (vitalismo). Trata-se de atualizá-la e explorar as implicações de uma nova visão de vida.

21/10 – Libertinos libertários / Pascal Dibie      
O aspecto mais subversivo da libertinagem que se originou no século 18 não era a irreligião ou a devassidão, mas a ideia de liberdade. É por isso que ela seria impossível hoje, em meio a uma sociedade consumista, globalizada e midiática.

26/10 – O esquecimento da política (As novas docilidades) / Frédéric Gros      
O conceito de alienação não é mais o da exploração, mas o do vício. É por aí que a governamentalidade algorítmica promove o esquecimento político, transformando o cidadão num viciado em seus próprios traços digitais.

27/10 – Congresso internacional do medo (Quando o medo é bom conselheiro) / Jean-Pierre Dupuy
A razão pode e deve alimentar-se do medo. Na verdade, de um medo específico. Não o que impede de pensar e agir, mas o que – simulado, intelectualizado, imaginado – revela o que há de valor, está sob risco e deve ser conservado.

28/10 – A experiência do pensamento (A sociedade à prova da promessa) / Olgária Matos     
A tão incensada adaptabilidade não é, como se pensa, prudência ou virtude, mas disciplinarização, que rompe, sem pesar nem remorso, os laços que unem um homem a um lugar, uma cultura e a outros homens.

1/11 – Fontes passionais da violência (O sono da razão) / Jorge Coli     
Vênus agrega. Marte fecunda. Daí que, junto ao progresso em meio à harmonia, a história progride por meio da violência. Isso de que a Revolução Francesa é exemplo. E hoje? Como conceber a sistematização da violência ilegítima?               
3/11– A outra margem do Ocidente (Nos limites do mundo) / David Lapoujade             
Não há fronteiras e limites para o Capitalismo – diz-se. Por que, então, sociedades fundadas no controle total? Em outra escala, por que a instituição de mais de 30 mil quilômetros de novas fronteiras internacionais? Isso sem tratar das novas limitações que cada um encontra diariamente em seu trabalho, em seus direitos sociais, em sua liberdade – liberdade tão mais restrita.

4/11 – O futuro não é mais o que era (No futuro, de volta à aldeia?) / Guilherme Wisnik         
Além de redefinir conceitos, as mutações invertem alguns. Daí a cidade do século 21, abundante em tudo, exigir a ressurgência da produção individual voltada não só para a própria subsistência como para a da espécie.


SERVIÇO

Ciclo Mutações 2016: Entre Dois Mundos – 30 anos de Experiência do Pensamento
Lançamento do livro da edição anterior “O Novo Espírito Utópico”, pelas Edições Sesc SP, 
e Conferência de Abertura com Francis Wolff: dia 31 de agosto (quarta-feira), às 19h30

Local: Teatro do Sesc Vila Mariana
Endereço: Rua Pelotas, 141, Vila Mariana, São Paulo (SP)

Capacidade: 620 lugares
Duração: 90 minutos
Classificação: não recomendado para menores de 14 anos

Demais conferências:
Data: de 14 de setembro a 4 de novembro de 2016*
Horário: 10h30 (programação no Portal Sesc SP)
Local:Auditório do SescVila Mariana      
Endereço: Rua Pelotas, 141, Vila Mariana, São Paulo (SP)            
Capacidade: 128 lugares              
Duração: 90 minutos (cada conferência)              
Classificação etária: não recomendado para menores de 14 anos          
Ingressos(valores por palestra): 

R$ 20,00 (inteira)             
R$ 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante)        
R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesce dependentes/Credencial Plena)**                
Mais informações: de terça a sábado, das 10h às 19h, pelo telefone 5080-3142 ou e-mail mutacoes@vilamariana.sescsp.org.br
* As conferências acontecerão sempre às quartas, quintas e sextas-feiras, às 10h30, no Auditório (exceto dia 31/8, no Teatro) do Sesc Vila Mariana.


**Deve ser feita uma inscrição por palestra, sendo a inscrição online no Portal Sesc SP ou pessoalmente nas Centrais de Atendimento das Unidades do Sesc SP a partir do dia 26 de julho.


Sesc Vila Mariana
Rua Pelotas, 141, São Paulo - SP
Informações: 5080-3000
sescsp.org.br
Facebook, Twitter e Instagram: /sescvilamariana

Horário de funcionamento da Unidade: Terça a sexta, das 7h às 21h30; sábado, das 9h às 21h; e domingo e feriado, das 9h às 18h30.


Central de Atendimento (Piso Superior – Torre A): Terça a sexta-feira, das 9h às 20h30; sábado, domingo e feriado, das 10h às 18h30.

Estacionamento: R$ 4,50 a primeira hora + R$ 1,50 a hora adicional (Credencial Plena: trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes). R$ 10 a primeira hora + R$ 2,50 a hora adicional (outros). 200 vagas.


cid:image002.png@01CFB0B8.DE12D180

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.