Saber-Literário

Diário Literário Online

Dolores a penosa! Antonio Nunes de Souza*

Postado por Rilvan Batista de Santana 18/07/2016

Dolores a penosa!
Antonio Nunes de Souza*

A denominação dada as “periguetes”, desde muitos e muitos anos era, se não um tanto pejorativa, talvez com uma conotação de ave, sendo a preferencial e muito usada era a de “galinha”. Em princípio, pela minha pouca idade, não entendia essa ligação avícola a uma moça safadinha, mas, com o tempo, velho professor e esclarecedor das dúvidas, vim a saber que como as galinhas soltas em seus terreiros, qualquer galo, sem precisar raças ou belezas, bastava correr atrás, montar, dar uma rápida e boa transada e pronto. A galinha se arrepiava toda, batia as asas, fazia cocô e saía cocoricando de alegria, sempre disposta a receber outra bimbada sem nem pestanejar. Percebi que a comparação tinha sentido e foi bem empregada!

A nossa querida Dolores era o protótipo de uma galinha arisca. Moça bonita, corpo sedutor esbanjando sexy e charme, carinha de vagaba, olhar dos mais sacanas possíveis, que, com esse conjunto de predicados, tornava-se um convite imediato de leva-la para a cama. E pensa que ela não ia? Pois sim! Não dispensava uma sacanagem em qualquer hora que as oportunidades surgissem. Dizia cinicamente para as amiga: “não sei quanto tempo vou viver, portanto eu quero mais é foder”. E isso ela seguia ao pé da letra. No seu último ano do segundo grau, já com 17 anos, olhava para a turma de formandos e dizia orgulhosamente: Já tranzei com todo mundo da classe, menos com Robertinho que é gay, mas, mesmo assim, um dia fiz um boquete nele que adorou!

Por ser uma mulher de origem mestiça, era uma mulata amarronzada e, como complemento do seu apelido, era denominada de “galinha de molho pardo”. Não só pela sua cor, como também ser uma iguaria deliciosa e gostosa!

Mas, como tudo tem seus limites com finais felizes ou tristes, o de Dolores, lamentavelmente, foi dos mais tristes. Nas suas soltas e tiradas aventuras terminou se contaminando com HIV, quando deu por fé seu estado já estava muito adiantado e, “penosamente”, faleceu com vinte anos apenas, ontem, e hoje, por ser amigo dos seus familiares, estou aqui no Jardim da Saudade, dando-lhe meu último adeus. Dei uma olhada lentamente para todos os lados, podendo ver o número expressivo de rapazes que, provavelmente, tinham tido relações com ela e, com justa razão cochichavam preocupados, que imaginei que estavam combinando para fazer exames para ver suas condições clínicas!

Assim sendo, tenham cuidados com as periguetes, galinhas de molho pardo, vagabas, funkeiras, etc., sejam mais qualitativos e cuidadosos. E, quando desejarem comer uma galinha, escolha uma “galinha caipira”, pois, sendo da roça, as possibilidades de doenças são bem mais remotas!



*Escritor – Membro da Academia Grapiúna de Letras – AGRAL – antoniodaagral26@hotmail.com

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.