Saber-Literário

Diário Literário Online

Biografia de Ferreira Gullar (10/9/1930, São Luís (MA)​

Postado por Rilvan Batista de Santana 26/06/2016

Biografia de Ferreira Gullar (10/9/1930, São Luís - MA)​

Autor Da Página 3 Pedagogia e Comunicação

José Ribamar Ferreira nasceu na capital do Maranhão e era um dos onze filhos que teriam seus pais, Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart.

Modificou seu nome aos 18 anos, adotando o "Goulart" materno, adaptado a uma grafia portuguesa. Durante a adolescência, descobriu a poesia clássica e em seguida, Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes, entre outros.

Seu primeiro livro, "Um pouco acima do chão" (1949) acabou excluído de sua bibliografia. Em 1950, com o poema "O galo", ganhou um concurso promovido pelo Jornal de Letras, tendo no júri Manuel Bandeira, Willy Lewin e Odylo Costa Filho.

Ferreira Gullar mudou-se para o Rio de Janeiro em 1951, onde conheceu o crítico de arte Mário Pedrosa e o escritor Oswald de Andrade, e trabalhou como revisor na revista "O Cruzeiro".

Em 1954, publicou "A luta corporal", cujo projeto gráfico chamou a atenção de Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari. Gullar trabalhou na revista "Manchete" e no "Diário Carioca", e depois se engajou no projeto do "Suplemento Dominical" do "Jornal do Brasil".
Gullar participou da I Exposição Nacional de Arte Concreta no MASP, em 1956. No ano seguinte, quando a mostra foi para o Rio de Janeiro, distanciou-se do grupo concretista de São Paulo. Em 1958, lançou o livro "Poemas".

Um ano depois, redigiu o "Manifesto Neoconcreto", publicado no "Suplemento Dominical" e também assinado por Lygia Pape, Franz Waissman, Lygia Clark, Amilcar de Castro e Reynaldo Jardim, entre outros. "O manifesto" abriu o catálogo da I Exposição de Arte Neoconcreta, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Em 1961, Gullar assumiu a direção da Fundação Cultural de Brasília no governo de Jânio Quadros. Na instituição, que dirigiu até outubro de 1961, construiu o Museu de Arte Popular.

A partir de 1962, passou a fazer parte do Centro Popular de Cultura (CPC) da União Nacional dos Estudantes e trabalhou na sucursal carioca de O Estado de S. Paulo. Nesse ano, publicou "João Boa-Morte, cabra marcado para morrer" e "Quem matou Aparecida".

Após ser eleito presidente do CPC, em 1963, filiou-se ao Partido Comunista em abril de 1964, ano em que fundou o grupo Opinião, com Oduvaldo Vianna Filho, Paulo Pontes e outros.

Em 1966, a peça "Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come", escrita em parceria com Oduvaldo Viana Filho, conquistou os prêmios Molière e Saci. No ano seguinte, o grupo Opinião encenou, também no Rio, a peça "A saída? Onde está a saída?", escrita em parceria com Antônio Carlos Fontoura e Armando Costa.

Durante o governo militar, em 13 de dezembro de 1968, Gullar foi preso em companhia de Paulo Francis, Caetano Veloso e Gilberto Gil. Em 1969, ainda lançou o ensaio "Vanguarda e subdesenvolvimento", mas passou a dedicar-se à pintura e, em 1971, pariu para o exílio, morando em Moscou e depois em Santiago, Lima e Buenos Aires.

Durante esse período, colaborou com O Pasquim, sob o pseudônimo de Frederico Marques. Em 1975, publicou "Dentro da noite veloz" e escreveu, em Buenos Aires, o famoso "Poema sujo", que chegou ao Brasil gravado em uma fita, trazida por Vinicius de Moraes e publicado no ano seguinte pela editora Civilização Brasileira. O lançamento do livro no Rio de Janeiro tornou-se um ato pela volta de Gullar, que acabou retornando ao Brasil em 10 de março de 1977.

Nesse ano, lançou "Antologia Poética" e "La Lucha Corporal y Otros Incêndios", publicado em Caracas, Venezuela. No ano seguinte, gravou o disco "Antologia Poética de Ferreira Gullar" e a peça teatral "Um rubi no umbigo" foi encenada.

Seu livro "Na Vertigem do Dia" foi publicado em 1980 e "Toda poesia" marcou seus 50 anos de vida. Lançou ainda o livro "Sobre Arte", uma coletânea de artigos publicados na revista Módulo, entre 1975 e 1980.
Em 1985. Gullar foi premiado com um Molière por sua versão para "Cyrano de Bergerac", de Edmond Rostand. Dois anos depois, lançou o livro de poemas "Barulhos". Em 1989, publicou ensaios sobre cultura brasileira em "Indagações de Hoje". Assumiu a direção do Instituto Brasileiro de Arte e Cultura em 1992, permanecendo até 1995.

Criticou as vanguardas no livro "Argumentação Contra a Morte da Arte", em 1993, criando polêmica entre artistas plásticos. No ano seguinte, morre sua mulher, Thereza Aragão, produtora e pesquisadora de música popular brasileira, com quem teve três filhos.

Em 1997, lançou "Cidades inventadas" e passou a viver com a poeta Cláudia Ahimsa. "Rabo de Foguete - Os Anos de Exílio" é publicado em 1998. No ano seguinte, lançou "Muitas vozes" e foi agraciado com o Prêmio Jabuti, na categoria poesia. Em 2000, recebeu o Prêmio Multicultural Estadão, de O Estado de São Paulo, pelo conjunto de sua obra.



Fonte: http://educacao.uol.com.br/biografias/ferreira-gullar.htm

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.