Saber-Literário

Diário Literário Online

Mãe, onde está o seu filho, agora?... R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 08/05/2016

Mãe, onde está o seu filho, agora?...
R. Santana

Alguém que de chofre pergunte pelo paradeiro dum filho à sua mãe, nos dias atuais, decerto, terá uma resposta insegura, vacilante, vaga, pois, cada dia, a mãe sabe menos aonde anda e com quem anda o seu filho... Ele pode estar na escola, na biblioteca, numa “Lan House”, jogando bola, comprando pipoca, chupando sorvete ou num lugar ermo, embaixo duma marquise, numa casa abandonada, num apartamento de luxo, fumando maconha ou pitando crack ou se alcoolizando, ou cheirando cocaína ou usando “ecstasy” e LSD, então, por algum dinheirinho a serviço do narcotráfico.

A droga é uma peste, ela mina a sociedade e destrói a família. Jean Jack Rousseau foi feliz quando mais ou menos disse: “... o homem nasce naturalmente bom e a sociedade o corrompe, torna-o mau”. O jovem de hoje é cada vez mais pervertido, é cada vez mais corrompido, é cada vez mais vítima de animais humanos desprezíveis, de bestas-feras, de facínoras desprovidos de alma e coração que os Direitos Humanos exigem que os tratemos como humanos...

Felizes são os pais que vêem o seu filho nascer, crescer e amadurecer!... Hoje, os filhos não mais sepultam os seus pais, mas os pais choram os seus filhos cada vez mais. A malha protetora da sociedade da vida humana é falível e impotente. O estado que Tomaz Hobbers pensou para que o homem não fosse vítima de sua natureza: “home homini lupus”, “homem lobo do homem”, é uma teoria de estado que não deu certo, o homem, hoje, barbariza, mata, rouba, sequestra, estupra, calunia e denigre o outro sem conflito de consciência, cinicamente e, a sociedade e o estado...

A Lei 8069 de 13 de julho de 1990, ou seja, o Estatuto da Criança e o Adolescente – ECA, os juizados da infância e juventude, os ministérios públicos, os conselhos tutelares da infância e juventude, as pastorais e outros órgãos afins, não contêm a demanda, são ineficientes, cada vez menos, eles não cumprem o seu papel, é comum nas grandes cidades, as bocas-de-fumo, as prostituições infantis e os absurdos de abusos sexuais no seio da família, nas barbas das autoridades e da sociedade.

Antes da Internet, antes da mídia comprometida com o IBOP e com o sensacionalismo, quando o brasileiro era tupiniquim, caipira, jeca, quando a escola e a família eram mais estruturadas, quando o homem não estava conectado ao mundo, quando a palavra “narcotraficante” não constava no dicionário, quando “droga” não era uma droga, quando “aviãozinho” era uma miniatura, quando a religião era coisa de beato, quando “bandido” era personagem de filme americano, quando se prezava as relações afetivas, quando “craque” era um exímio jogador de futebol, quando os instintos primitivos do homem eram usados na sua autodefesa, as bestas-feras, os psicopatas e os criminosos eram personagens de cinema e cochichos de vizinhos, a vida tinha sentido.

No livro de coletânea: “Encontro Pontual - Antologia Scortecci de Poesias, Contas e Crônicas, 21ª. Bienal Internacional do Livro de São Paulo – 2010”; há um conto de minha autoria, intitulado: “Nóia não, meu filho!”, o confronto de um policial e uma mãe, quando ela chorava a morte do seu filho assaltante, crivado de balas, e o policial lhe rogou que não chorasse a morte dum nóia.

Portanto, não existe mãe de ladrão, de malfazejo, de criminoso, mas filho da mãe, filho do coração, filho da alma, por isto, é justo reconhecer que a mãe, moça, madura ou velha encarquilhada pelo tempo, não é responsável, porém, ela é vítima e a mais sofrida pelos desvios de comportamento dos seus filhos por influência desses corruptores e desses criminosos dos novos tempos e a ausência de políticas públicas efetivas.

Não se faz apologia do atraso e não se faz apologia às ideias retrógradas. A evolução, o desenvolvimento, as conquistas tecnológicas e científicas são bem-vindas, são necessárias, mas quando o homem é o “lobo do homem”, é um animal perverso, os bandidos assumem as funções do estado, o homem é desprovido de valores morais, não tem apego à família, é desprovido de amor e de Deus, é o começo do fim, faz-se necessário renegar a evolução dos tempos e o desenvolvimento, seria melhor que a mãe respondesse à pergunta:

- Mãe, onde está seu filho, agora?...

Gênero: Crônica
Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.