Saber-Literário

Diário Literário Online

É preciso reduzir o foro privilegiado no Brasil, diz Luís Roberto Barroso.

Postado por Rilvan Batista de Santana 29/05/2016

É preciso reduzir o foro privilegiado no Brasil, diz Luís Roberto Barroso.

Luís Roberto Barroso, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), disse nesta segunda-feira (23) em São Paulo, durante debate promovido pela revista "Veja" sobre o legado da operação Lava Jato e do processo do mensalão, que é preciso acabar ou reduzir drasticamente o foro privilegiado no Brasil, reservando-o "apenas para um número muito pequeno de autoridades".

Deu três razões principais como justificativa. A primeira foi como uma origem filosófica, por ser "uma reminiscência aristocrática" e "não republicana". A segunda indicou ser estrutural: "O STF não está equipado e nem é o foro adequado para fazer esse tipo de juízo de primeiro grau. O mensalão durou um ano e meio e ocupou 69 sessões do Supremo". A terceira causa foi "de justiça". "Frequentemente leva à impunidade, porque ele é demorado e permite a manipulação da jurisdição", disse, ressaltando que já houve 369 inquéritos e 102 ações contra parlamentares. "O prazo médio de aceitação de uma denúncia no STF é de 617 dias. Se for julgado numa instância de primeiro grau, isso leva no máximo uma semana."

Afirmou que desde que o Supremo começou a julgar parlamentares, em 2001, já houve 59 casos de prescrição de crimes. Para evitar isso, sugeriu a criação de uma vara especializada em Brasília, com um juiz escolhido pelo Supremo, por um mandato de quatro anos, com os auxiliares necessários. "Seria o único juiz para dar unidade a essas decisões. Aí caberia recurso no STF ou no STJ [Superior Tribunal de Justiça], conforme o foro da autoridade."

Justiça mansa com os ricos

Barroso declarou que "a Justiça brasileira é mansa com os ricos e dura com os pobres", feita para punir pequenos delinquentes. Com bons advogados, afirmou o ministro, escapava-se de condenações.

"A regra sempre foi a impunidade. Mas houve uma mudança vertiginosa na atitude da sociedade e dos tribunais em relação a práticas que nos levavam a aceitar o inaceitável. A sociedade passou a reagir, e o Judiciário ouviu a sociedade e interpretou esse sentimento. O marco emblemático dessa mudança foi o julgamento do mensalão, em que pela primeira vez agentes públicos e privados foram condenados e encarcerados. Na Lava Jato, muitos se apressaram em fazer acordos de delação para não ter o mesmo fim daqueles do mensalão", disse.
 "Estamos dando objetividade à reação contra a corrupção. Corrupção é um mal em si - não é exclusividade de um governo. A mudança que estamos procurando produzir é a valorização dos bons no lugar da valorização dos espertos."

"Elite precisa aceitar a condenação de seus corruptos"

Nesse sentido, ele afirmou que a elite do país "precisa aceitar a condenação" de seus corruptos e criticou a forma como boa parte do sistema capitalista tira proveito do Estado brasileiro. Trata-se, segundo Barroso, de "um modelo de capitalismo que não gosta de risco e competição". "O capitalismo no Brasil gosta de financiamento público, de reserva de mercado e de cartelização. Isso não é capitalismo. É socialismo para os ricos."
 O ministro do STF disse que o "avanço civilizatório" também depende de mais ética no espaço privado, e não só no público.
 Questionado sobre a possibilidade de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele declarou que "as pessoas não devem supor que prisões específicas ou alinhadas é que vão mudar o que está acontecendo". O magistrado disse que o foco deve ser o sistema e defendeu uma reforma política que barateie as eleições.

Declarações de Romero Jucá

Luís Barroso comentou a reportagem publicada hoje pelo jornal "Folha de S.Paulo" que revelou conversas em que o ministro do Planejamento, Romero Jucá, sugeriu ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma "mudança" no governo federal resultaria em um pacto para "estancar a sangria" representada pela operação Lava Jato, que investiga ambos. O pacto, segundo Jucá, envolveria o Supremo Tribunal.

O ministro do STF afirmou que os magistrados vivem para as próprias biografias e não para as dos outros. "É impensável hoje que alguém tenha a capacidade de paralisar as investigações e influenciar o STF. Acesso para pedir audiência todo mundo tem, é recebido. Acesso no sentido de influenciar não acontece".

Fonte:
http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/05/23/e-preciso-acabar-ou-reduzir-o-foro-privilegiado-no-brasil-diz-barroso.htm
Wellington Ramalhoso - UOL, em São Paulo

 Publius Vergilius/Folhapress

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.