Saber-Literário

Diário Literário Online

Brincadeiras de criança - R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 11/05/2016

Brincadeiras de criança
R. Santana

Duas garotas de 8 ou 9 anos de idade, não sei por certo as idades, lembro-me das feições e do tipo físico: uma morena cor de jambo, cabelos castanhos até os ombros, olhos cor de mel, mãos finas, pernas longilíneas e rosto bonito; a outra, cútis branca, cabelos de espigas de milho, olhos verdes, mãos delicadas, pernas também longilíneas e rosto belo. O nome de família delas eu não me lembro, sei que a loira tinha o apelido de Pixixica e a outra o prenome Nilce.  A loira era apimentada, não levava desaforo pra casa, quanto mais zangada mais bonita e, a morena cor de jambo, doce, calma, classuda.
            Morávamos na mesma rua – não se podia chamar aquilo de rua, era mais um caminho que o capim morria de pisado - em casas de adobe, cobertas de telha, caiadas por dentro e por fora, um luxo, já que a maioria era de taipa e palha de dendezeiro ou açaí. Os quintais confundiam-se com as matas que ficavam nos fundos das casas, não valia a pena delimitá-los com cercas de arame, com o tempo, urgia a necessidade de lavar roupa nos córregos ou nos ribeirões, então, buscar água para beber de algum minadouro nas grotas da mata, aí o arame era rompido ou fazia-se algum passadiço.
            Não tínhamos brinquedo de loja. Os brinquedos eram improvisados pelos meninos e pelas meninas. Os meninos gostavam de badoque, empinar papagaio, carrinhos de madeira, brincar de gude, cavalo-de-vara, pião, mas nos divertíamos mais nadando nos ribeirões das matas próximas ao vilarejo “Fuminho”. As meninas improvisavam bonecas de pano, bambolê, jogo da velha e adoravam maquiar-se de princesa com os apetrechos de beleza das mães.
Porém, as brincadeiras ganhavam vida quando meninos e meninas se juntavam no jogo de esconde-esconde, caça ao tesouro, o mestre mandou, dança das cadeiras e amarelinha. Não havia maldade, tudo era inocência até no beijo roubado. Éramos ricos na pobreza.
Os meninos maiores, os mais taludos, beirando os 13 e os 14 anos de idade, com a permissão dos pais, embrenhavam-se nos cacauais, nas matas, à procura de assanhaço, bem-te-vi, curió, guriatã, cardeal, rolinha, canário, sabiá, araponga-do-nordeste, pássaro preto, azulão, e, outras espécies da fauna do Sul da Bahia. Além dos passarinhos, a meninada caçava tatu-canastra, saruê, cágado, teiú, preá, etc. Os passarinhos eram pra criar e as caças comidas cozidas ou assadas. Quando a tarde findava, eles voltavam das roças com os bornais nas costas abastecidos de jaca, banana, abacate, fruta-pão, graviola, jambo, e numa das mãos, uma vara de bambu com gaiolas e caças penduradas.  A molecada não usava arma de fogo, no máximo, faca, facão, badoque, alçapão e visgueiras.
Criar passarinho no “Fuminho” era uma brincadeira para molecada e uma atividade séria para gente grande, gente que vivia de adestrar passarinho e fazer gaiola. Não havia uma casa que não tivesse 3 ou 4 gaiolas com passarinhos cantando e encantando e o mais disputado era o curió, depois o canário  o pássaro preto e o sabiá. No casebre podia faltar o pão, a farinha ou o feijão, mas não faltava o alpiste, quando a situação apertava, os passarinheiros recorriam à natureza, assim, suas criaturinhas não passavam fome nem sede.
Pele cor de leite, olhos verdes, cabelos loiros escorridos, mãos finas, esbelto, dentição perfeita, eu era mimado pelas mulheres velhas e disputado pelas meninas da mesma idade do “Fuminho”, porém, o meu coração era ocupado por Pixixica e Nilce. Claro que era amor de criança, sem maldade, a libido se manifestava em sonhos...
Ali não havia pabulagem, todos eram iguais socioeconomicamente naquela pequena comunidade, todo mundo conhecia todo mundo, todos cultivavam relações de amizade, porém algumas afinidades, algum bem-querer, algumas preferências pessoais e algumas simpatias eram diferentes: - mãe Judite tinha mais amizade com as mães de Pixixica e Nilce.
Hoje, desconheço o paradeiro das minhas amigas de infância, não sei se estão vivas ou mortas, não sei se estão solteiras, casadas ou viúvas, se estão sozinhas ou rodeadas de filhos e netos, se estão ricas ou pobres, se estão com saúde ou doente, mas elas estejam onde estiverem, sei que dói no peito e na alma de ambas, a saudade dos tempos de infância, dos tempos perdidos no tempo, as nossas brincadeiras de criança.

Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons  

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.