Saber-Literário

Diário Literário Online

Sexo? Um tabu quebrado! - Antonio Nunes de Souza*

Postado por Rilvan Batista de Santana 31/03/2016

Sexo? Um tabu quebrado!
Antonio Nunes de Souza*

Por mais que queiramos ser pudicos, moralistas, religiosos radicais, ou conservadores de hábitos e costumes, temos que reconhecer todas as fases e mudanças com relação aos comportamentos sexuais nesses últimos cinquenta anos!

Infelizmente, em algumas ocasiões, algumas radicais mudanças foram dadas graças aos comportamentos sociais, necessidades financeiras, entre outras menos culpadas, logicamente, merecem uma atenção especial, mesmo que não seja um compêndio sobre o importante assunto, mas, simplesmente, em rápidas palavras, fale-se sobre suas mudanças, benéficas e maléficas no decorrer desse período!

Primeiramente devemos lembrar que o uso do sexo como transação comercial vem de longas datas, através dos prostíbulos, criados para atender aos ricos solteiros e casados, com a finalidade de desafogar suas necessidades e desejos. As mulheres, normalmente, dirigidas por uma velha cafetina que, descaradamente, conseguia fazer um bom cartel feminino, com mocinhas pobres que aliciava, ou mulheres abandonadas pelos maridos que não tinham condições de se manterem, em função de não terem profissões definidas. Essa fase foi dominadora por uma quase eternidade e, ainda hoje, funciona em uma escala bem inferior e não luxuosa como outrora. Antes o nome era suntuoso: castelo! Hoje, com menos requinte: puteiro ou mangue!

Nos anos sessenta, com o movimento de contracultura dos “hippies”, foi declarada a busca do espaço feminino, liberação de hábitos e comportamentos e, significativamente, a liberdade sexual em larga escala, mais como uma rebeldia que uma necessidade. Muita gente curtiu e se aproveitou dessa fase que, sem dó nem piedade, aumentou a população mundial com a chegada de milhares de “produções independentes”!

Já nos anos setenta, essa fase foi amainada e repensada, sentindo as mulheres que sair “dando” somente para provar liberdade e igualdade de gênero, era uma tolice e que, para ocupar seus verdadeiros espaços tinham que lutar, estudar e se preparar para enfrentar as dificuldades existentes. E foi o que começaram a fazer: Abrindo os braços e as mentes para as lutas e fechando as pernas para os homens! O sexo sofreu a sua primeira repressão pós hippie, graças as cautelas femininas. Não deixando de ter aquelas que transavam porque gostavam, pois tinham os provimentos familiares!

No início dos anos oitenta até o meado dos anos noventa, os medos, receios e hábitos comportamentais foram abrandando e, sorrateiramente e maravilhosamente, as mulheres começaram a despontar com suas formações acadêmicas, técnicas e profissionais e, pelas suas independências, voltaram a ser mais bondosas, facilitando umas carinhosas noites aos seus namorados e amantes. Sempre era um privilégio encontrar uma namorada ou caso que fosse liberal. Também não era tão difícil, pois o essencial era ter condições, locais e, principalmente, carro ou lambreta, vespa ou moto, que eram as curtições de transporte da época!

No fim dos anos noventa, com as necessidades financeiras mais acentuadas, faculdades cobrando os olhos da cara, universidades públicas com poucas vagas e vestibulares difíceis e competitivos, as mulheres foram começando, lentamente, a procurar homens independentes, principalmente mais velhos, para que, em troca de sexo e carícias, pagassem suas escolas e, na maioria das vezes, muitas outras despesas básicas, já que os salários em seus modestos empregos, não eram suficientes para suas manutenções! Essa parceria “sexo X comércio” prolonga-se até os dias de hoje com a maior tranquilidade, já existindo centenas de moças que, já formadas, casaram-se, constituíram suas famílias e apagaram completamente o passado nada brilhante, porém, muito essencial nas épocas!

Atualmente, já sendo o sexo encarado, praticamente, como apenas uma necessidade fisiológica, existindo uma grande possibilidade de se viver usando-o como fonte de renda, as mulheres passaram a ser “garotas de programa”, sem vínculos de afetos ou moradia, cobrando cachês dos mais simples até os mais caros e caríssimos (dependendo de corpo, beleza e charme), vivendo suas vidas luxuosas, com apartamentos e até carros! Ainda mandam dinheiro para os pobres familiares nas pequenas cidade, alegando que são altas secretárias executivas de empresas multinacionais!

Essas desinibidas, valentes e desprovidas das tolices de pecados, que não se submetem as hipocrisias sociais, dizem e repetem o seguinte: “Lavou está novinha outra vez. Preciso é ter cuidado com DST!”

Essa é uma simples crônica, com uma síntese minúscula do processo e comportamento sexual através do tempo, pois, se formos fazer um relato minucioso, num só livro não caberia!

Continuamos tendo o baixo meretrício, alguns altos, catálogos para escolher o tipo desejado, telefones e internet para encontros através das redes, fora as possibilidades nas ruas, festas, praias e eventos!

Imagino que o tabu do sexo foi, literalmente, quebrado! Tolas são as que vivem oprimidas e não aproveitam as oportunidades surgidas!

*Escritor – Membro da Academia Grapiúna de Letras – AGRAL – antoniodaagral26@hotmail.com


0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.