Saber-Literário

Diário Literário Online

Tanaguchi, o ateu. R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 08/02/2016

Google
Tanaguchi, o ateu.
R. Santana

Desta vez, não encontrei Tanaguchi na Praça Olinto Leone, como de costume, mas na saída da Igreja Santa Rita de Cássia no bairro São Caetano. Foi uma surpresa, porque o velho Tanaguchi é um ateu convicto. Não me aproximei do velho amigo, não quis lhe constranger: “você, aqui?”, “se converteu?”, “eis aí a ovelha perdida de  Cristo!”, “o Diabo não é tão feio quanto se pinta!”, mas o velho ateu tem olhos de lince e me buscou na multidão:
                - Meu caro Narvil, que prazer!
                - O prazer é recíproco meu velho guru, mas estou surpreso!
                - KKKKKKK...
                - Rindo de mim ou pra mim!? –  quase irritado.
                - Não se apoquente meu amigo, jamais riria de você!
                - Então, é pra mim?
                - Nem uma coisa nem outra, mas do que as pessoas pensam do ateu!
                - Não é de admirar um ateu assistindo missa?
                - O ateu é um ser humano com dúvidas, um deísta na melhor das hipóteses, mas não deixa de ser humano, com seus conflitos, suas ansiedades, seus sonhos, e lá no fundo, ele alimenta a esperança de um Deus único, incriado, com atributos morais e intelectuais, assim, a vida teria mais sentido, sem o maniqueísmo de Deus ou o Diabo, ou seja, o bem absoluto e o mal absoluto!
                - Pode-se tampar o Sol com a peneira?
                - Não!
                - Então?
                - Aí está o problema: o ateu não entende os desígnios de Deus... Pra quê tanto sofrimento no mundo? O ateu não aceita um Deus lógico, desumano, impiedoso, que deu pecado original ao homem, vingativo, sem sentimento, que permite a dor e o sofrimento para os justos e os injustos, que permite os sinistros da natureza para bons e maus,  e não aniquilou a morte!
                - Tanaguchi, existe um provérbio: “Deus escreve certo com linhas tortas”, não lhe é dado nem a mim conhecer os desígnios do Criador. Pensamos que o mal em si é sofrimento e não é, pode ser uma evolução espiritual, além disto, Deus deixou o “mundo das possibilidades”, o livre arbítrio...  – Tanaguchi aparteou:
                - Isto é eufemizar o mal, é racionalizar a fé, mas quem está em cima de uma cama gemendo e chorando de dor, não irá lhe dar ouvido!
                - Tanaguchi, o sofrimento é desumano, até Cristo, como homem suplicou na hora de morrer: “... Tudo é possível para Ti; afasta de mim este cálice; porém, não o que eu quero, mas o que Tu queres”. Porém, temos que alimentar a esperança que estamos aqui “passando uma chuva”, aqui não é o fim, mas o começo do fim, que Deus reservou ao homem a vida eterna, senão, a vida não tem sentido, a vida é uma merda!...
                - Eis aí o pomo da discórdia: o homem de fé aceita o sofrimento em troca de um pedacinho do céu; o ateu não acredita no céu como morada, pois tem certeza que tudo  acaba no jazigo!
                - Perdoe-me, mas não acredito nessa não crença do ateu, quando a coisa aperta, vem o          “valha-me Deus”, tudo é de boca pra fora, a exemplo de lhe encontrar aqui, não é incoerência?
                - Não existe incoerência, Narvil! O olhar é subjetivo, você olha com “olhos da fé”, eu olho com “olhos da razão”, é diferente... O crente vê o milagre como manifestação divina, o ateu vê o milagre como emanação energética. Além disto, os rituais, sejam de religiões ou de seitas, são lúdicos, divertidos e, são interessantes do ponto de vista antropológico e não dispensam reflexão sociocultural! Então, ainda acha que sou incoerente?
                - Tanaguchi, mal comparando, li de Platão não sei se em Crítias, Fédon, Mênon ou Górgias, uma discussão dialética sobre a virtude entre um sofista (não guardei o nome) e Sócrates. Sócrates diz-lhe que não sabe o que é virtude e o pobre do homem acredita. Os questionamentos (maiêutica), as réplicas e as tréplicas se sucedem, aí, o sufista na casa do sem jeito, compara Sócrates ao polvo que entorpece a vítima antes de devorá-la... Você deixa o seu interlocutor aturdido e estonteado com sua frieza lógica, portanto, não me resta outra saída, deixar-lhe com suas convicções materialistas, racionalistas e preservar as minhas. – Tchau!
                Tanaguchi ficou tonto!...

Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

04.02.2016

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Tecnologia do Blogger.