Saber-Literário

Diário Literário Online

Nada lhe era estranho - Zuenir Ventura

Postado por Rilvan Batista de Santana 28/02/2016

Nada lhe era estranho
Zuenir Ventura

Em meados dos anos 60, a recém-criada Escola Superior de Desenho Industrial do Rio promoveu palestra de um professor italiano então conhecido apenas no círculo universitário (seu best-seller “O nome da rosa” só iria ser lançado uns 20 anos depois). Com medo de que a sala, mesmo pequena, ficasse com lugares vazios, nós, os que lecionávamos lá, saímos à cata de público — alunos, funcionários e até quem estivesse passando pela porta. Assim, as cerca de 30 cadeiras acabaram ocupadas, e pudemos assistir ao erudito, agradável e bem-humorado papo daquele que viria a ser o mais importante semiólogo do século e um dos maiores intelectuais contemporâneos.

Umberto Eco já tinha escrito seu clássico “Obra aberta”, que fez a cabeça dos que se dedicavam ao estudo da comunicação de massa. Com ele, aprendemos que uma mensagem artística é fundamentalmente ambígua, permitindo mais de uma interpretação, independente da intenção do autor. A leitura pode ser tão livre quanto a escritura. Ao contrário de um texto jornalístico ou científico, que é unívoco, só admite um sentido, a arte é ambivalente. Graças à semiótica ensinada por ele, sabemos também que a linguagem não verbal, a dos objetos como um sistema de signos, é um fenômeno de comunicação, porque os elementos, além do valor de uso, têm uma dimensão simbólica. Um produto de design, como um carro ou um simples garfo, pode informar sobre o status e o gosto de alguém. Por isso, fala-se tanto em “código”, “discurso visual” e em “ler” uma construção arquitetônica ou uma pintura.

Após “Obra aberta”, seguiram-se “Apocalípticos e integrados”, “Estrutura ausente” e muitos outros ensaios sobre as principais questões da atualidade cultural: televisão, publicidade, imprensa, cinema, esporte, ecologia, religião, política. Com uma erudição que impressionava seus pares, ele não discriminava assunto, nada lhe era indiferente. Saía de um mergulho na Idade Média para uma incursão em terreiros de umbanda e candomblé, como fez em São Paulo e no Rio, não como turista, mas como estudioso. Nestes casos, as visitas lhe renderam uma minuciosa crônica-ensaio no livro “Viagem na irrealidade cotidiana”. Voltou para a Itália sabendo perfeitamente a diferença entre umbanda e candomblé, suas entidades e seus rituais, e íntimo, digamos assim, dos orixás, de Oxalá, Exu, Xangô. Admitindo que fazia perguntas “embaraçosas”, ele se desculpou com o pai de santo pela curiosidade de “ordem teológica e filosófica”. No fim, quis saber de que orixá era filho. O sacerdote olhou nos seus olhos, examinou a palma de suas mãos e disse: “Oxalá”. Ele ficou orgulhoso.

Portanto, não foi por preconceito contra novidades que Eco criticou a internet ao dar a palavra a uma “legião de imbecis”. Ele podia exagerar, mas sabia das coisas.


Fonte:

O Globo, 24/02/2016 e ABL

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.