Saber-Literário

Diário Literário Online

Escrever é um ato solitário R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 25/12/2015

Escrever é um ato solitário
R. Santana


           O exercício da escrita é solitário e difícil, mais fácil é falar (a palavra voa, a escrita fica e o exemplo permanece), discursar, palavrear, tagarelar, jogar conversa fora, mas quando se deseja colocar no papel, palavras, conceitos e ideias, aí, a porca torce o rabo... Parodiando Thomas Edson, escrever não resulta só de inspiração, mas de transpiração, de persistência na elaboração e construção de um texto. No capítulo da curiosidade dos grandes escritores, a criatividade é uma manifestação divina, é o insight, todavia, a desenvoltura e o estilo são adquiridos através do trabalho e da experiência ao longo do tempo.

            Quem rebusca as páginas das escolas literárias, irá encontrar escritores com passagem por mais de uma escola, a exemplo de Machado de Assis que teve um pé fincado no Romantismo por influência de José de Alencar, Bernardo Guimarães, Gonçalves de Magalhães, e, terminou os seus dias enterrado até o pescoço no Realismo e se vivesse mais tempo, teria, certamente, construído outros caminhos geniais, contudo, ele ainda influenciou os escritores como Bilac e Lima Barreto, expoentes do parnasianismo, no verso e na prosa.

            Mas, essa evolução de estilo e de forma não representam demérito do escritor, poucos escritores na história literária, foram best seller no seu primeiro livro, às vezes, o escritor duma extensa obra, é reconhecido, apenas, em um ou dois livros, Franz Kafka, por exemplo, tem uma obra significativa, mas os seus livros: “O processo” e “A Metamorfose” que lhe deram notoriedade.

            Numa entrevista televisiva recente, uma escritora (não me lembro de seu nome), queixou-se da dificuldade que os jovens têm de colocar no papel uma boa história, enquanto na linguagem oral e cênica, eles falam e desempenham com facilidade qualquer texto que lhes chega às mãos. Essa dificuldade, ela atribuía a falta de leitura, a linguagem corrida da Internet e a substituição da escrita pela imagem.

            As escolas de escritores que se proliferam, ultimamente, ajudam na formação de um redator, mas o processo de criatividade do escritor é diferente, é inato, é vocação, é perseverança, é suor, é objetividade, é perseguição dum ideal. Não se faz um escritor, nasce um escritor com suas potencialidades, a experiência intelectual e o tempo definem sua genialidade.

            Um jovem solicitou por e-mail a determinado escritor, as regras necessárias para elaboração de bons textos de prosa e poesia, grande foi o seu desapontamento com a resposta que se segue:

“... não tenho a receita do que tu me pedes, creio, também, que ninguém a possui com as exigências que tu me solicitas, pois, é fácil ensinar gramática e técnicas de redação na escola, porém, na escola não se ensina pensar, pouco se usa a imaginação e tornou-se pior com o advento da Internet, da informática, a garotada que antes estudava, hoje, faz de conta que pesquisa e aprende. Atualmente, as informações são mais democráticas e mais acessíveis, mas não ensinam refletir, pensar é um exercício de paciência que exige disciplina e desprendimento”.

Particularmente, acho o ato de escrever além de solitário, sofrido, pela preocupação correta da gramática e dos censores de plantão. Além de a língua ter suas regras e normas convencionais, qualquer que seja o idioma, ela não escapa às interpretações pessoais de acordo o entendimento do sujeito pelo fato dela ser viva e dinâmica. Quem leu as Réplicas e Tréplicas de Rui Barbosa e Ernesto Carneiro Ribeiro, encontra ali, exemplos gritantes, não de erros, mas de concepções e interpretações pessoais diferentes.

Porém, o escritor compulsivo, escrever é um vício, aquele que é impelido criar, pouco se lixa para essas firulas dos detentores do saber linguístico, pior do que escrever ruim, é não escrever, pior do que escrever sem a gramática, é não produzir, é não ter ideias criativas, aqui, vale o pensamento: “Quem não sabe ensina, quem sabe faz”. 

Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons
Itabuna: 28/06/2011     

1 Responses to Escrever é um ato solitário R. Santana

  1. E SIM, UM ATO SOLITARIO. MAS, PODE SER COMPARTILHADO. E TUDO DEPENDE DO NOSSO SENTIMENTO. PARABENS, PELO CONTEXTO. E TUDO DE BOM.
    JOÃODEPAULA.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.