Saber-Literário

Diário Literário Online

João Victor e o mundo encantado R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 05/11/2015

João Victor e o mundo encantado
R. Santana


Eu estive 15 dias no mês de maio com João Victor em Salvador. O pituquinha me surpreende cada dia que passa. Agora, com 2 anos e 8 meses de idade, ele fala as coisas explicadas, não fala mais “nhan”, “papá”, “mamã”, “vô”  e “vavá”, mas “não”, “papai”, “mamãe”, “vovô” e “vovó”. Ainda não deixou de usar fraldas, não chegou ainda o seu tempo, mas um dia ele se libertará desse incômodo vestuário de fazer xixi e coco.
Hoje, meu pituquinha está mais sabido, assim que acorda, toma banho, bebe o seu “gagau”, vai para o playground do edifício brincar de velotrol ou de moto movida à bateria elétrica, senão, aperta o play do seu DVD e vai ouvir e ver patati patatá, galinha pintadinha, borboletinha, dona aranha, ou, o sapo não lava o pé, quando enjoa, ele pede-me, aliás, ordena que eu ligue o notebook:
- Vovô, Lepo Lepo!.. – aí ele dança igual às meninas de Psirico, se eu não reconhecesse que sou vovô babão, diria que dança melhor do que as meninas de Márcio Victor.
Porém, o xodó de João Victor, atualmente, são as histórias do mundo encantado, principalmente, as fábulas infantis adaptadas pelos Irmãos Grimm, dentre elas, “Chapeuzinho Vermelho”, não a história de “Chapeuzinho Vermelho” contada pelos bardos na Idade Média, sem autoria definida, onde o lobo mau comia todo mundo, mas a história atual preocupada com os animais em que o lobo mau é poupado pelo caçador, inclusive, ele dá-lhe remédio para curar sua dor de barriga causada pelo bolo que “Chapeuzinho Vermelha” levava na cesta para vovozinha.
Li, sem exagero de contador de histórias, o livro infantil de ”Chapeuzinho Vermelho” dezenas de vezes, quando menos esperava, meu pituquinha, ordenava: “leia mais, vovô!”, eu começava: “Em um vilarejo perto da floresta morava uma menina com sua mãe, seu nome era Chapeuzinho Vermelho”, recomeçava na outra página: “Certo dia sua mãe falou, Chapeuzinho vai levar esta cesta de bolo e este remédio, sua vovozinha está doente e fraca, mas cuidado, não fale com estranhos.”
            A história continua, “Chapeuzinho Vermelho” vai serelepe pela floresta, de repente, encontra o lobo que lhe pergunta aonde ia, ela o despista e vai colher flores, então, o lobo mau corre à casa da vovó, tenta lhe agarrar, a vovozinha foge e se esconde no guarda-roupa, enquanto isso, o lobo mau se empanturra com o bolo da vovozinha e tem uma tremenda dor de barriga. “Chapeuzinho vermelho” pede socorro ao caçador que ao invés de socorrer-lhe, socorre primeiro o lobo que está com forte dor de barriga, o lobo fica curado e devolvido para floresta, enfim, todos ficaram salvos e felizes.  
            Se a leitura ocorre no início da noite, quando as pálpebras de João Victor teimam não fechar, eu imploro ao deus Morfeu para que ele permaneça mais algum tempo acordado, então, provoco-o com versos populares que a minha querida tia Celsa gosta de declamar:
            - Vitinho, fale rápido e ganhe um pirulito!!! – aí ele desperta.
            - Falar, vovô!?
            - Sim, preste atenção! – a custo, ele fica todo ouvido:
            - Quem a paca cara compra, paca cara pagará! – Vitinho tenta:
            - Que cara... cara...paca...paga...  – compreende o seu erro e cai na gargalhada...
            - Ah ah ah ah ah... – Vitinho fica contagiado com minha risada e quer repetir, mas lhe jogo outro verso:
            - Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra. Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra. Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra...  – repeti várias vezes para que pituquinha entendesse, mas não gostou:
            - Vozinho, é feio, a outra... – entendi:
            - Quem a paca cara compra, paca cara pagará. Quem a paca cara compra, paca cara pagará. Quem a paca cara compra, paca cara pagará... – João Vitor tenta:
            - Paca cara... cara pagará...paca... paca... – Vitinho se atrapalha mais uma vez como era esperado... Ele olhou para mim, eu olhei pra ele e caímos na risada:
            - Vovô maluco, vovô maluco, vovô maluco... – fugiu para cama e alguns minutos depois, estava nos braços de Morfeu de sono solto.
            Certamente, a felicidade não está nas grandes realizações humanas, mas nos gestos e inocência dos pequeninos.



Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

1 Responses to João Victor e o mundo encantado R. Santana

  1. PARA A CRIANÇA TUDO E BELO E DIVERTIDO.
    O CORAÇÃO FICA DO TAMANHO DO DE DEUS.
    PARABENS PELA CONTEXTUALIDADE.
    É TUDO DE BOM.
    JOAODEPAULA.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

THE END

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

ALITA

DP

Tecnologia do Blogger.