Saber-Literário

Diário Literário Online

João Victor e o mundo encantado R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 05/11/2015

João Victor e o mundo encantado
R. Santana


Eu estive 15 dias no mês de maio com João Victor em Salvador. O pituquinha me surpreende cada dia que passa. Agora, com 2 anos e 8 meses de idade, ele fala as coisas explicadas, não fala mais “nhan”, “papá”, “mamã”, “vô”  e “vavá”, mas “não”, “papai”, “mamãe”, “vovô” e “vovó”. Ainda não deixou de usar fraldas, não chegou ainda o seu tempo, mas um dia ele se libertará desse incômodo vestuário de fazer xixi e coco.
Hoje, meu pituquinha está mais sabido, assim que acorda, toma banho, bebe o seu “gagau”, vai para o playground do edifício brincar de velotrol ou de moto movida à bateria elétrica, senão, aperta o play do seu DVD e vai ouvir e ver patati patatá, galinha pintadinha, borboletinha, dona aranha, ou, o sapo não lava o pé, quando enjoa, ele pede-me, aliás, ordena que eu ligue o notebook:
- Vovô, Lepo Lepo!.. – aí ele dança igual às meninas de Psirico, se eu não reconhecesse que sou vovô babão, diria que dança melhor do que as meninas de Márcio Victor.
Porém, o xodó de João Victor, atualmente, são as histórias do mundo encantado, principalmente, as fábulas infantis adaptadas pelos Irmãos Grimm, dentre elas, “Chapeuzinho Vermelho”, não a história de “Chapeuzinho Vermelho” contada pelos bardos na Idade Média, sem autoria definida, onde o lobo mau comia todo mundo, mas a história atual preocupada com os animais em que o lobo mau é poupado pelo caçador, inclusive, ele dá-lhe remédio para curar sua dor de barriga causada pelo bolo que “Chapeuzinho Vermelha” levava na cesta para vovozinha.
Li, sem exagero de contador de histórias, o livro infantil de ”Chapeuzinho Vermelho” dezenas de vezes, quando menos esperava, meu pituquinha, ordenava: “leia mais, vovô!”, eu começava: “Em um vilarejo perto da floresta morava uma menina com sua mãe, seu nome era Chapeuzinho Vermelho”, recomeçava na outra página: “Certo dia sua mãe falou, Chapeuzinho vai levar esta cesta de bolo e este remédio, sua vovozinha está doente e fraca, mas cuidado, não fale com estranhos.”
            A história continua, “Chapeuzinho Vermelho” vai serelepe pela floresta, de repente, encontra o lobo que lhe pergunta aonde ia, ela o despista e vai colher flores, então, o lobo mau corre à casa da vovó, tenta lhe agarrar, a vovozinha foge e se esconde no guarda-roupa, enquanto isso, o lobo mau se empanturra com o bolo da vovozinha e tem uma tremenda dor de barriga. “Chapeuzinho vermelho” pede socorro ao caçador que ao invés de socorrer-lhe, socorre primeiro o lobo que está com forte dor de barriga, o lobo fica curado e devolvido para floresta, enfim, todos ficaram salvos e felizes.  
            Se a leitura ocorre no início da noite, quando as pálpebras de João Victor teimam não fechar, eu imploro ao deus Morfeu para que ele permaneça mais algum tempo acordado, então, provoco-o com versos populares que a minha querida tia Celsa gosta de declamar:
            - Vitinho, fale rápido e ganhe um pirulito!!! – aí ele desperta.
            - Falar, vovô!?
            - Sim, preste atenção! – a custo, ele fica todo ouvido:
            - Quem a paca cara compra, paca cara pagará! – Vitinho tenta:
            - Que cara... cara...paca...paga...  – compreende o seu erro e cai na gargalhada...
            - Ah ah ah ah ah... – Vitinho fica contagiado com minha risada e quer repetir, mas lhe jogo outro verso:
            - Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra. Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra. Uma velha atrás da moita, estirou uma perna e encolheu a outra...  – repeti várias vezes para que pituquinha entendesse, mas não gostou:
            - Vozinho, é feio, a outra... – entendi:
            - Quem a paca cara compra, paca cara pagará. Quem a paca cara compra, paca cara pagará. Quem a paca cara compra, paca cara pagará... – João Vitor tenta:
            - Paca cara... cara pagará...paca... paca... – Vitinho se atrapalha mais uma vez como era esperado... Ele olhou para mim, eu olhei pra ele e caímos na risada:
            - Vovô maluco, vovô maluco, vovô maluco... – fugiu para cama e alguns minutos depois, estava nos braços de Morfeu de sono solto.
            Certamente, a felicidade não está nas grandes realizações humanas, mas nos gestos e inocência dos pequeninos.



Autor: Rilvan Batista de Santana
Licença: Creative Commons

1 Responses to João Victor e o mundo encantado R. Santana

  1. PARA A CRIANÇA TUDO E BELO E DIVERTIDO.
    O CORAÇÃO FICA DO TAMANHO DO DE DEUS.
    PARABENS PELA CONTEXTUALIDADE.
    É TUDO DE BOM.
    JOAODEPAULA.:

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.