Saber-Literário

Diário Literário Online

O silêncio R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 12/08/2015

O silêncio
R. Santana

Bronca é arma de trouxa. Tudo que o desafeto quer de alguém é o seu descontrole emocional, isto lhe dará subsídios para novas investidas, novas difamações, novas tergiversações dos fatos, culminando, às vezes, com agressões físicas e/ou morais. Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler, sustentava que “uma mentira repetida ganha foro de verdade”, pois desconstruir uma falsidade que o povo tomou como verdade, é humanamente impossível, talvez, o tempo seja o senhor da razão e a verdade prevaleça.
            O silêncio incomoda, não é à toa que a presidente Dilma Rousseff disse diante dos últimos movimentos populares antigovernistas: “preferimos o barulho das vozes na democracia ao silêncio oprimido das falas escondidas...”. Aqui, o silêncio incomoda porque deixa os detentores do poder em polvorosa sem saber qual o próximo passo de quem em silêncio está detrás dos acontecimentos. Conhece-se o grito da turba, todavia,  desconhece-se a vontade dos que estão em silêncio.
            O mau caráter por mais que diga: “olhe minha cara de preocupado...”, “não estou nem aí...”, “estou me lixando...”, intimamente, ele reprime o sentimento de ódio, de raiva, de decepção, de frustração, ante a força do silêncio, porque o substrato de sua maldade é o descontrole emocional do seu desafeto, de seu inimigo, de seu adversário de “pavio curto”, se lhe é negado esse material, ele não terá condições de urdir novas aleivosias, falsas acusações, mentiras e deslealdades.
            Sábio é o homem que exercita a arte de ouvir mais do que a arte de falar. A sabedoria popular diz: “Quem fala demais dá bom dia a cavalo”, isto é, quem fala pelos cotovelos não pensa... Poucos na História da Humanidade dominaram tão bem a arte de falar da mesma forma que o romano Cícero e o grego Demóstenes ou dominaram a arte de ouvir como Sócrates e Aristóteles.
O vulgo diz: “Deus deu-nos dois ouvidos e uma boca, se Ele quisesse que falássemos mais e ouvíssemos menos, seria o contrário”. O homem comum tem razão, é que a arte de ouvir é mais difícil do que a arte de falar, saber ouvir mais do que falar, exige paciência, disciplina e sabedoria, quem ouve muito e fala pouco, é justo em seu juízo.
O juiz, agente do poder judiciário, talvez seja o profissional mais treinado para ouvir mais do que falar. Sua função é administrar conflitos e conciliar os interesses das partes em demanda, promover a dignidade humana e a paz social, portanto, ele tem como condição sine qua non, a imparcialidade, ou seja, agir mais e não manifestar sua opinião, salvo, à luz do processo: o silêncio é o seu refúgio.
Dentre os cônjuges, a mulher usa mais a língua e a emoção para resolver seus problemas e não o muque. O homem usa o muque, porém, é mais introspectivo, mais reflexivo, geralmente, o homem se esconde no silêncio para suportar a tagarelice feminina e quando ele usa com competência o silêncio como resposta, sua relação conjugal é mais duradoura e o amor é eterno enquanto dure. 
Faz-se necessário dizer que silencio não é, somente, ausência de voz, ausência de ruído, ausência de som, mas várias atitudes sistemáticas. O silencio é um comportamento que se impõe pelo argumento da fala contida. O silêncio também não se caracteriza por atitude isolada, aleatória, não pensada, automatizada, mas por um conjunto de atos refletidos. Se alguém grita a ermo, sem significado, o outro pode tampar os ouvidos, contudo, não lhe dará a resposta do silêncio.
A arte do silêncio, também, pode ser nociva e destruidora. Quantas vidas já foram ceifadas por governos discricionários, justiceiros, bandidos e pessoas más, perpetradas na calada da noite, ao longo da História? Um-sem número de mortes!... Conta-se que Joseph Stálin era um homem taciturno, ouvia mais que falava, notabilizou-se pelo sangue que derramou dos adversários e pela dureza do seu governo na Segunda Guerra Mundial e após na Guerra Fria com os Estados Unidos e os países não alinhados com Moscou.
Todavia, para as dissensões cotidianas, para as futricas de maricas, para as contendas do dia a dia, para as atitudes rasteiras, para as atitudes medíocres, o silêncio é a melhor resposta.

Autor: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.