Saber-Literário

Diário Literário Online

História do dr. Roberto Arnaldo Niskier

Postado por Rilvan Batista de Santana 09/08/2015

História do dr. Roberto
Arnaldo Niskier

O jornal O Globo está comemorando 90 anos. Segundo seus próprios dirigentes, nove décadas olhando para o futuro. A inspirar os seus passos, a figura emblemática de Roberto Marinho, o Dr. Roberto, como era conhecido. Sua história é a do Globo, que nasceu por inspiração do pai Irineu, no dia 29 de julho de 1925.

Só que o destino fez das suas e, pouco menos de um mês depois, o fundador faleceu, vítima de um infarto. O filho mais velho, com 20 anos de idade, foi obrigado a assumir o comando do empreendimento. Tornar-se-ia o maior empresário de comunicação do país.

Não foi só o jornal. Em 1944 a Rádio Globo iniciou suas operações, para também se tornar líder de audiência. Em 1965 foi a vez da TV Globo, hoje a quarta network do mundo. E aí vem a primeira história que devo contar, ouvida em Angra dos Reis do próprio autor da façanha: “Já tinha mais de 60 anos e resolvi me aventurar pelos caminhos da televisão. Convidei meus irmãos Ricardo e Rogério para sócios. Eles ficaram temerosos. Banquei a TV sozinho”.

Em 10 anos, nas muitas idas à residência da praia de Mombaça, em Angra dos Reis, sempre a convite, bom ouvinte que sou, registrei fatos notáveis. E uma preferência: o Dr. Roberto tinha predileção pelo jornal. Era capaz de falar horas sobre os primeiros tempos do jornal e seus companheiros de experiência. Destaque para Euricles de Matos, Herbert Moses e Alves Pinheiro, este a alma  da redação, nos vários locais em que se situou.

Conheci o Dr. Roberto em encontros sociais, especialmente nas datas festivas das embaixadas. De uma feita, no aniversário da França, levei um puxão de  orelhas por causa da cobertura de carnaval. A TV Manchete, recém inaugurada (1984), ganhou a exclusividade e brilhou intensamente.  Teve audiências incríveis. O Dr. Roberto não perdoou o Adolpho Bloch por causa disso: “Sempre fui amigo do Adolpho, ele não podia ter feito isso comigo.”

Nossa intimidade cresceu com a entrada de Roberto Marinho para a Academia Brasileira de Letras, em 1993. Tudo por obra e graça da perspicácia de Austregésilo de Athayde: “No futuro, vocês sempre se lembrarão de mim por causa disso.” De fato, a partir desse convívio, amiudaram-se nossas idas a Angra dos Reis. Fins de semana gostosos, à beira mar, com papos prolongados, em companhia da minha mulher Ruth e da inesquecível Lili de Carvalho Marinho.

Histórias recorrentes do Dr. Roberto: o orgulho dos três filhos, cada um com seu estilo próprio; as caçadas submarinas, com os amigos Álvaro e Carlos Tavares; a tristeza pela perda do filho Paulo, num desastre na estrada de Cabo Frio; a paixão pela construção civil; as façanhas no hipismo; a ojeriza pela interferência oficial no seu quadro de jornalistas (“dos meus comunistas, cuido eu”) etc. Tudo isso vivido com muita doçura e uma fina educação.           



Jornal do Comercio - RJ, 07/08/2015

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.