Saber-Literário

Diário Literário Online

Desistência do mandato por Dilma

Postado por Rilvan Batista de Santana 20/08/2015

Desistência do mandato por Dilma, defendida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, deve ser, a partir de agora, a principal linha de atuação dos caciques do PSDB

 Fala de Fernando Henrique sobre "gesto de grandeza" de Dilma em renunciar passa a orientar nova estratégia dos tucanos

Brasília - A defesa da renúncia da presidente Dilma Rousseff, feita segunda-feira pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, deve ser adotada como linha principal de atuação a partir de agora pelo PSDB, principal partido de oposição ao governo federal.


Para o secretário-geral nacional da sigla, deputado federal Silvio Torres (PSDB-SP), a mensagem divulgada pelo ex-presidente tucano nas redes sociais unifica o partido e deve orientar o discurso da sigla, inclusive no Congresso Nacional, diante do atual cenário de crise política.

“O texto de Fernando Henrique Cardoso unificou o partido e pacificou o discurso. Essa linha deve orientar a legenda”, afirmou. No texto, FHC disse que a renúncia seria um “gesto de grandeza” da presidente e fez um esforço para alinhar o discurso dos líderes tucanos. Pouco depois de divulgar sua mensagem nas redes sociais, o ex-presidente reuniu em seu apartamento, em São Paulo, os dois líderes que são opções do PSDB para a próxima eleição presidencial: o senador mineiro Aécio Neves e o governador paulista, Geraldo Alckmin.

Há duas semanas, aliados de Aécio defenderam a renúncia de Dilma e do vice-presidente Michel Temer e a realização de nova eleição. Alckmin tem sido cauteloso sobre a possibilidade de impeachment agora, quando ele não teria condições de deixar o governo para disputar com Aécio a indicação do PSDB e se candidatar à Presidência da República.

A linha adotada por FHC é o principal tema em discussão na reunião do grupo de análise estratégica do PSDB, realizada nessa terça-feira (18), em Brasília. O objetivo do encontro foi alinhar a mensagem do ex-presidente tucano com o discurso das bancadas do partido na Câmara dos Deputados e no Senado.

AJUSTE ‘PÍFIO’ A crise política também foi tema da palestra feita pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a empresários da Região Centro-Oeste, em evento em Brasília. Ele criticou o ajuste fiscal promovido pelo governo federal, classificando-o como “pífio”. Cunha disse que o país vive uma “crise de confiança” e, sem citar nominalmente a presidente Dilma Rousseff, parodiou a declaração da petista sobre dobrar metas não estabelecidas. O deputado disse que as crises política e econômica enfrentadas pelo Brasil são “irmãs siamesas”, mas que a prioridade é debelar os entraves políticos”.

“É preciso que a gente saiba enfrentar as duas separadamente, mas a prioridade é sempre resolver a crise política, porque ela proporciona as condições políticas para enfrentar a crise econômica”, disse.

Para ele, “a crise política permite a imagem da segurança para enfrentar a crise econômica”. “Muito do que a gente vive da crise econômica de hoje não (é) só por modelos equivocados que possam ter sido implantados no passado na administração da economia, mas é também pela perda da confiança que a sociedade tem no comando da economia”, afirmou.

“Vivemos, mais que a crise econômica, a crise de confiança”. O ajuste fiscal, em si, é pífio e ele não tem nem relevância numérica no problema da falta de superávit. É muito mais simbólico, com o objetivo de mostrar que se tem controle sobre as contas públicas e, consequentemente, gerar perante os investidores a segurança de que o dinheiro vai ser aplicado num país que vai dar certo”, alfinetou o presidente da Câmara.

E completou: “A confiança tem que ser restabelecida. Deixamos de ser a bola da vez aos olhos da comunidade internacional. Precisamos voltar a ser a bola da vez”.

TRIBUTÁRIA Eduardo Cunha também falou aos empresários sobre a discussão na Câmara sobre a reforma tributária. Ele se posicionou contra o aumento da carga tributária, solução, segundo o peemedebista, “longe de ser inteligente”. Ao prometer colocar em votação o texto que sair da comissão que discute o tema na Casa, entre setembro e outubro, concluindo-a até o fim do ano, Eduardo Cunha parodiou uma declaração de Dilma Rousseff feita em julho deste ano, quando ela tentava explicar a meta estabelecida para o Pronatec. “Como diria..., primeiro a gente atinge a meta. Depois a gente dobra a meta. (risos) Vamos tentar atingir a meta e, depois, se possível, a gente dobra. Vamos chegar e atingir esse objetivo e, atingido esse objetivo, a gente espera poder tratar de coisas que tenham a ver com o Centro-Oeste, ver o que é possível dentro do nosso país atingir”, afirmou Cunha, sem mencionar o nome de Dilma, arrancando risos contidos da plateia.


A frase usada por adversários para ironizar a presidente ganhou grande repercussão nas redes sociais: “Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”, disse Dilma sobre o Pronatec Aprendiz em 28 de julho.

Fonte: Yahoo Notícias

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.