Saber-Literário

Diário Literário Online

As bananeiras do Coroadinho José Sarney

Postado por Rilvan Batista de Santana 06/08/2015

As bananeiras do Coroadinho

José Sarney

A roda do mundo, como dizia Tribuzi, nos seus versos em que lamentava “que tempo de viver-se”, continua a trazer a cada dia o acontecimento impossível. Agora é a China, país socialista, tendo a doença capitalista da bolha da Bolsa, enquanto o presidente do Peru, Evo Morales, entrega ao papa Francisco – que de tão popular o carioca de Chico - , o cristo pregado numa foice e num martelo. Muitos acharam que era um desafora ou, quando pouco, uma ideia de mau gosto. Eu, ao contrário, achei que era a lembrança de que realmente o comunismo crucificou Cristo mais uma vez, com a perseguição que fez o cristianismo, o lema “a religião é o ópio do povo,” justificando o trucidamento de milhares de católicos.
 
Na minha juventude estive muito perto do pensamento de Marx e Engels, vendo na busca da igualdade entre os homens uma ideia generosa – e que continua, sob outro manto, inclusive da doutrina social da igreja, a ser um objetivo da humanidade. Do comunismo me afastou a fé, que desde a infância minha mãe me passara e que eu guardei sem dúvidas até hoje.

Quando estive na Rússia, ainda nos tempos da morta União Soviética, quis a minha missa dominical. Então fui informado (?) de que só havia em moscou uma igreja católica, mas que a ela eu não podia ir porque ali estava sendo velado um cadáver! Foi então que me disseram que Stalin e Kruschev tinham fechado mais de 50.000 paróquias e destruído cerca de 30 igrejas, nessa tarefa talibã de apagar o que não nos agrada, e com isso destruíram relíquias da arte sacra russa. Assim como os terroristas do estado Islâmico destruíram as estátuas dos museus sírios e iraquianos e, em escala menor, mas com o mesmo sentimento, como fecharam a Fundação da Memória republicana – diga-se a presença de José Sarney.

O próximo passo é arrancar a página da História do Brasil que me inclui como o seu 30º presidente da República ou extinguir a cadeira 38 da academia Brasileira de Letras, que tem como fundador Graça Aranha, maranhense, e como ocupante José Sarney. Deixa prá lá. Isso passa. É a roda do mundo.

Enquanto isso anda lá fora, aqui as ruas ficam desertas, as casas fechadas, como ocorre na Vila Natal, com medo dos criminosos. A cidade inteira está presa do medo. A segurança foi abaixo do “ volume morto”, para usar uma expressão do Lula. São Luís já não aguenta. Alguns querem fazer justiça com as próprias mãos, o que é uma desgraça maior, porque ofende a dignidade humana. E as ONGs e aquelas vozes que outrora clamavam por direitos humanos e agora se calam, onde estão?



Mas o coroadinho dá a nota humana ao protesto quando, na vala aberta na avenida Amália Saldanha, usando uma proposta de uma novela da Globo(Kubanacan), planta bananeiras, que trazem um simbolismo bem brasileiro. Outro simbolismo é um ditado bem maranhense. As promessas das mudanças eram bananeiras que já deram cacho.

E para terminar: onde está o índio Messias Guajajara, que desapareceu depois que protestou com seus companheiros em frente ao palácio do governo e na Assembléia legislativa? Os índios que tanto sofreram no passado continuam seu calvário. As entidades do direitos humanos que não calem. Onde está Messias? O “neto do Sarney”- orgulho para o presidente da republica e para o decano da ABL, o bom e combativo deputado José Adriano – vem clamando por ele.

E diante de tanta perseguição e insegurança é melhor mesmo plantar banana e ter esperança de que Messias Guajajara apareça.

O Estado do Maranhão, 12/07/2015

Fonte: ABL

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.