Saber-Literário

Diário Literário Online

A menina, o rio e o tempo - *Antônio Carlos de Souza Higyno

Postado por Rilvan Batista de Santana 04/08/2015

A menina, o rio e o tempo.

Não sei a razão de assim me chamarem. Refletiu o tempo sentado às margens do rio passante, outrora caudaloso e agora agonizante a serpentear rumo à imensidão do oceano. Ora dizem que sou uma criança, ora um adulto e finalmente um velho.

Gostam dizer: aproveite o seu tempo, você é um menino! Outros, sentenciam: agora é o seu tempo, aja. Não raras vezes ouço dizer: o seu tempo passou, não há o que fazer.

Na verdade, eu me apresento a todos, mas poucos me enxergam. E a todos eu vejo e os enxergo, indistintamente.

Conheço a história e posso fazer a história. Posso ser cantado em versos ou trovas; posso servir de inspiração a poemas ou a melodias de amor, de tristeza ou de alegria e tudo que habite a alma ou o coração do homem.

Vês o amor, por exemplo, que faço com ele? Ele, o amor, arrebata os corações; eu o arrefeço ou o deixo ardente, cálido, queimante.

Quantos, diante do silêncio ou mesmo da indiferença da pessoa amada, entregam a mim o destino desse sentimento tolhido, contido e reprimido por acreditarem que só eu transporto amor. Suplicam, pedem, imploram que eu os aproxime, encurtando a distância que os separam. Se verdadeiro esse amor, sincero e puro a transcender da matéria ao espírito, simplesmente, entre eles, eu finjo existir.

Eu vi o nascimento e o ocaso de civilizações; a ascensão e a queda de impérios, decorrentes, ambos, na maioria das vezes, da ambição humana.

Eu vi e ainda vejo os homens em conflito por coisas simples, se comparadas com a imensidão da morte.

Presenciei Caim, por inveja, tirar a vida de Abel. E ainda a vejo a habitar no coração do homem, como vejo o homem matar o seu semelhante.

Quantas mentiras, calúnias e difamações são ditas em detrimento da honra alheia. E aí lá vou erro corrigir o erro fazendo justiça ao injustiçado, dando de beber a quem tem sede e, obviam-te, castigando a quem deve ser castigado.

Não vi, ainda, acontecer a verdadeira evolução espiritual do ser humano para que possa ele refletir a imagem e semelhança do Criador.

E assim vou atravessando os dias, meses, anos, séculos e mais séculos... Daqui, das margens do rio onde me encontro, vejo uma menina do outro lado.

Olho-a com afeto. Bela! Eu a vi nascer. Acompanhei seus primeiros passos e conheço sua pujança e sua incomparável saga. O seu passado histórico me fascina.

O seu presente, de desenvolvimento cultural, social e politico faz-me antever um futuro altamente promissor e de glórias mil.

O rio a que me refiro é o Rio Cachoeira e menina é Itabuna, a quem parabenizo pelo seu aniversário.

*Antônio Carlos de Souza Higyno - Juiz de Direito titular da 5ª Vara Cível da Comarca de Itabuna – Bahia. E-Mail: hyginoantonio@bol.com.br

Fonte: Revista Direitos

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.