Saber-Literário

Diário Literário Online

Ruy Barbosa e a Igualdade

Postado por Rilvan Batista de Santana 08/07/2015

Ruy Barbosa e a Igualdade

Citar Ruy Barbosa é um clichê. Um dos maiores juristas e político dos mais destemidos que nosso país já teve, o “Águia de Haia” nos legou uma obra prima na forma de um discurso como paraninfo da turma de 1920 da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (SP), a sua “Oração aos moços”, livro obrigatório a qualquer neófito no direito. 

Este livro, pródigo em frases bombásticas e – por que não? – premonitórias (vide o seu alerta ao governo de um país de analfabetos) possui uma passagem, em específico, que já devo ter visto citada em algumas dezenas de artigos, petições e livros. Mal citada, na vasta maioria das vezes, posto que normalmente é usada para defender uma idéia oposta da de Ruy (se me permitirem a intimidade).

Trata-se da famosa lição sobre a igualdade, que no livro ocupa três parágrafos, mas cujas citações freqüentemente reduzem-na a duas frases. Cito-as: “A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualmente aos desiguais, na medida em que se desigualam” pois “tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real”. 
Esse par de frases é usado por qualquer um que defenda mais intervenção coletiva no campo das relações sociais como meio de aplainar as desigualdades sociais. Mais distante da lição de Ruy Barbosa, impossível.
O jurista baiano recitava, ali, as lições de Aristóteles sobre justiça distributiva: A igualdade citada não é uma igualdade em sentido estrito, mas, antes, uma proporção a ser aplicada na divisão de objetos entre pessoas. Quem quiser se aprofundar, favor checar o livro V da Ética Nicomaquéia e a Política do Filósofo. 

Nem é preciso, todavia, ir tão longe. Basta ler os benditos parágrafos da Oração na sua integralidade, no seu contexto. Basta que leiamos o que Ruy Barbosa efetivamente disse, e não o que desejamos que ele tenha dito ou defendido. 

Suas palavras são inequívocas: quinhoar a cada qual segundo os seus méritos é a verdadeira regra da igualdade. Pretender “atribuir o mesmo a todos, como se todos se equivalessem” era, em suas palavras, uma “blasfêmia contra a razão e a fé”, que “não faria senão inaugurar, em vez da supremacia do trabalho, a organização da miséria”.
Acaso seria Ruy Barbosa um conservador reacionário da pior espécie, quase um defensor da imobilidade social? Jamais, pois em seguida ele nos lembra que “se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança”. 

Nosso grande jurista, vejam só, acreditava no indivíduo. Ele não cria – e na verdade, bateu-se quase toda a vida contra essa idéia – num estado (ou um coletivo qualquer, pois não existiam ONGs no seu tempo), poderoso o suficiente para nivelar os homens. Ali estaria, com certeza, a base da tirania. 

A existência de uma desigualdade não é um mal em si, pois é parte inerente da vida em sociedade. Não basta a constatação de uma desigualdade para gerar uma ação de igual 
intensidade em sentido contrário para anulá-la, mas a existência efetiva de uma razão para o tratamento desigual. Num exemplo simples, não é o tamanho do ofensor que conta na estipulação de uma pena, mas o tamanho da ofensa. 
Em resumo: observada a relação direta entre a natureza da diferença (moral, intelectual, financeira, racial, sexual) e o objeto a ser distribuído, o tratamento diferenciado não somente é desejado, como também é necessário para que se atinja a igualdade real. O mais depende do esforço individual, não da pressão coletiva. 

Creio que essa é a idéia de igualdade de Ruy Barbosa.



Sobre o autor:

Edgard da Costa Freitas Neto
Bacharel em Direito pela UESC. Avogado militante em Itabuna, sócio da Portela Advocacia e Assessoria Jurídica. Itabuna-Bahia.
http://www.jornaldireitos.com/ver_artigos.php?artigo=21


0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.