Saber-Literário

Diário Literário Online

Carolina acalentou e destruiu o coração do escritor

Postado por Rilvan Batista de Santana 01/07/2015


Machado de Assis: Carolina acalentou e destruiu o coração do escritor. Casamento notoriamente feliz, iniciado em 1869, durou até a morte da portuguesa

Quando Machado de Assis estava com 28 anos, chegou ao Brasil a portuguesa Carolina Augusta Xavier de Novais, que teria vindo buscar abrigo na casa dos irmãos após uma decepção amorosa. Um dos parentes da moça, o poeta Faustino Xavier de Novais, era amigo de Machado. Por essa conexão, se conheceram.

Culta, quatro anos mais velha e com personalidade estável, Carolina logo encantou Machado. Com idade considerada, na época, avançada para casar, os dois se apressaram e realizaram a cerimônia de casamento no dia 12/11/1869.

Unido oficialmente, o casal se mudou para a rua da Lapa. Depois, morou na rua das Laranjeiras e na rua do Catete. Somente em 1884, foi para a casa nº 18 da rua do Cosme Velho, onde ficaria até a morte. O chalé em que Machado e Carolina viveram foi demolido na década de 1930.

“Sabe-se que o casamento deles foi muito feliz”, conta o escritor e estudioso da vida de Machado, Moacyr Scliar. É realmente ponto pacífico entre os especialistas o forte companheirismo dos dois, que não tiveram filhos. Conta-se que Carolina influenciou até na vida literária do marido. “Dizem que ela corrigia os textos dele e contribuiu na transição do romantismo para o realismo”, diz Scliar.

Mas a felicidade que Machado encontrou em Carolina acabou quando ela faleceu em 20/10/1904, dois dias antes de completarem 35 anos de casados. Segundo um dos biógrafos de Machado, o jornalista Daniel Piza, Carolina dizia para amigas que esperava que o marido morresse antes dela porque sabia que ele ia sofrer. E assim foi.

O trauma da perda da mulher fez Machado ficar deprimido, o que agravou problemas de saúde como a epilepsia. Em um escrito do dia 28/9/1908, Mário de Alencar relata o estado do amigo: “Venho da casa de Machado de Assis. Lá estive todo o dia de sábado,
ontem e hoje, e agora estou sem ânimo de continuar a ver-lhe o sofrimento; tenho receio de assistir ao fim que eu desejo não tarde. Eu, seu amigo e seu admirador grande, desejo que ele morra, mas não tenho coragem de o ver morrer.”
Mas a maior demonstração do quanto sentia a falta da companheira foi um soneto que escreveu em sua homenagem:


“A Carolina”
Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.

Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs um mundo inteiro.

Trago-te flores, - restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.

Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.



Fonte: www.abril.com.br




0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.