Saber-Literário

Diário Literário Online

Meu São João Por Cyro de Mattos

Postado por Rilvan Batista de Santana 20/06/2015

Meu São João



Por Cyro de Mattos



Não queria ficar olhando os outros meninos soltando fogos no São João, lá em nossa rua ou em qualquer canto da cidade. Teria que arranjar uma maneira de ganhar algum dinheiro para comprar os fogos. Pensei em vender revistas e jornais velhos aos donos de armazém na Rua da Lama. Sabia que jornal velho servia para enrolar certas coisas que os donos de armazém vendiam. Tinha observado um dia seu Júlio Sergipano enrolando sabão no balcão do armazém com uma folha de jornal velho. Pensei também em vender garrafas ao dono de uma pequena fábrica de vinagre perto da nossa casa.
Ia de casa em casa, procurando por jornais e revistas velhos, garrafas grandes e pequenas. Com o dinheiro que ganhava, vendendo garrafa, revistas e jornais velhos, ia comprando os fogos para soltar no São João. Guardava-os numa caixa de sapato, que escondia debaixo da cama para que meu pai não os descobrisse.  Se ele descobrisse que eu estava comprando fogos para soltar no São João, certamente ia argumentar zangado:
- Do menino se faz o homem, tenha juízo. Guarde seu dinheiro para usar com as coisas sérias e não para queimá-lo com fogos no São João. É uma grande besteira o que você quer fazer, muitas vezes já lhe disse isso. Finalizava: - Soltar fogos é queimar dinheiro.
Esperava meu pai dormir no quarto ao lado e, quando percebia que ele estava ferrado no sono, apanhava debaixo da cama a caixa de sapato com os fogos que vinha juntando para soltar no São João. Ficava examinando pacientemente os fogos que tinha comprado com dificuldade. Passava e repassava-os diante de meus olhos encantados, mesmo sabendo que ainda eram poucos: chuva de prata, chuva de ouro, cobrinha, estrelinha, fósforo de cor, traques e vulcão.
Os dias demoravam de passar até chegar o mês de São João, embora desejasse que voassem o mais rápido possível. De vez em quando ia olhar na folhinha quantos dias faltavam para chegar o dia tão esperado.  Fazia as contas e via que faltavam quase três meses para a chegada da festa do santo que tinha um carneirinho, como uma vez tinha visto a imagem no quadro emoldurado da Vidraçaria Santo Antonio, pendurado na parede.
Quando percebi no mês de maio que não estava mais conseguindo garrafas para vender, nem revistas e jornais velhos, chegou-me aquela ideia de vender minhas revistas em quadrinhos, além dos dois álbuns de figurinhas, um com os jogadores de futebol dos times do Rio e o outro com os artistas do cinema americano.
Não seria difícil vender meus álbuns de figurinhas entre os meninos lá da rua. Tanto o álbum de jogadores de futebol como o de artistas de cinema eram cobiçados por muitos meninos da cidade. Ambos estavam completos,  tinha conseguido preenchê-los com as figurinhas mais difíceis, que ainda faltavam. E as revistas em quadrinhos? Tinha  minhas dúvidas se ia conseguir vender algumas delas, qualquer menino lá da rua já havia lido todas elas.
Depois de resistir uns dias, vendi os dois álbuns de figurinhas ao filho do juiz por um bom preço. E, sem esperança, fui vender depois minhas revistas em quadrinhos no passeio do Cine Itabuna. Para a minha satisfação, vendi todas elas nos quatro domingos do mês de maio. Espalhados no passeio do cinema,  sempre vendia meus gibis e guris velhos aos outros meninos antes de começar a primeira sessão da matinê.
Tive então um susto esplêndido quando chegou o mês de junho e percebi que possuía agora seis caixas de sapato cheias de fogos, podendo naquele ano de inverno frio soltá-los  nos dias de São João e em São Pedro.
Enquanto fui menino nunca deixei de soltar fogos no São João e São Pedro. Sempre dava um jeito para arranjar o dinheiro e  comprar os fogos. Soltava-os e queria soltar mais. Nunca estava satisfeito. Lá pras nove horas da noite  lembrava de ir com a turma de amigos soltar balõezinhos na beira do rio. Era uma sensação de vitória quando acendíamos  o balão e víamos o vento levá-lo vagaroso acima do rio. Tínhamos certeza que os balõezinhos que subiam, às vezes oscilando, conquistavam as estrelas e a lua, lá no alto do céu.
Ah, aquelas noites de junho, o coração tanto queria. Crepitavam dentro de mim antes que chegassem com as fogueiras acesas nas ruas. Pipocavam com bombas e foguetes. Esbanjavam com licor e canjica.
Fonte: ALITA



1 Responses to Meu São João Por Cyro de Mattos

  1. Anônimo Says:
  2. Cyro não é autor desenvolto na prosa, seu desempenho maior é a poesia e a literatura infantil. Sua prosa não prende o leitor. Seu estilo é de principiante, não usa artifício para que o texto fique inteligente e atrativo, é uma narrativa incipiente. Ele é autor e protagonista simultaneamente. O leitor por ilação sabe o desfecho da história. Neste texto, ele narra seu São João com linguajar adolescente, sem recurso estético...O velho conteúdo não recebeu roupagem nova, a mesma pasmaceira, a ingenuidade dos iniciantes.

     

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.