Saber-Literário

Diário Literário Online

“A pregação que cativou as multidões” – conheça o poder das palavras de São Francisco de Assis (Parte III)


São Francisco de Assis se apresenta heroicamente ao Sultão com a intenção de convertê-lo;
Continuação do post: “A pregação que cativou as multidões” – conheça o poder das palavras de São Francisco de Assis (Parte II)
A missão que realizava com tantos frutos em países católicos não bastava para satisfazer o zelo do
nosso Santo.

O seu espírito cavalheiresco ambicionava aventuras mais gloriosas: desejava evangelizar os infiéis. Esperava, com esse perigoso ministério, coroar o seu apostolado pelo martírio. Partiu, pois, para
o Oriente.

Durante o ano de 1213, embarcou em Ancona; mas uma tempestade atirou os navios para as costas da Ilíria. Naquela má estação, a navegação tornava-se impossível. Francisco viu-se forçado a retornar à Itália.
Algum tempo depois, encontrava-se em Espanha; contava passar de lá a Marrocos e realizar por fim o seu sonho. A doença reteve-o e obrigou-o a voltar a Assis.
Estes contratempos sucessivos não o desanimaram. Em 1219, renovou a tentativa e conseguiu, desta vez, desembarcar no Egito.
Foi encontrar o exército dos cruzados sob os muros de Damieta; apercebeu-se depressa das rivalidades mesquinhas que os dividiam. Procurou remediar os males e deu modestamente alguns conselhos que não foram bem recebidos.
Aqueles rudes guerreiros não compreenderam que se encontravam diante de um Santo; não o tomaram a sério. O seu projeto de ir falar com o Sultão pareceu-lhes quimérico; disseram-lhe que seria assassinado antes de alcançar o objetivo.
Muito longe de assustar o intrépido missionário, a perspectiva do martírio atraia-o; lançou-se, pois, a caminho da meta tão desejada.
Na presença do Sultão
Acompanhado por um irmão, Francisco dirigiu-se ao acampamento dos infiéis; uma patrulha deteve-os. Os muçulmanos maltrataram os religiosos e acorrentaram-nos.
O Santo não temia os tormentos nem a morte; mas antes de derramar o seu sangue queria, a qualquer preço, pregar a fé ao soberano ismaelita.
Empregou as poucas palavras árabes que conhecia e gritou: “Soldan, Soldan”, dizem os seus biógrafos. O seu pensamento foi compreendido e levaram-no à presença do Sultão.
Abordou sem demora a questão religiosa. Era por amor da sua alma, disse ele ao príncipe, que tinha vindo suplicar-lhe que renunciasse a Maomé.
Ofereceu-se para lhe explicar a doutrina católica: pediu para discutir na presença do Sultão com os marabus mais conceituados.
A sua ousadia, o seu ar de lealdade, a sua cortesia agradaram ao soberano.
“Consultarei os meus sacerdotes”, respondeu ele, e despediu-o.
O Santo teve, pouco depois, uma segunda audiência. O Sultão tinha mandado convocar os teólogos do Islão; apareceu rodeado por uma numerosa Corte. Francisco falou.
“Fazei acender uma grande fogueira – disse -. Entramos nela ao mesmo tempo, os vossos sacerdotes e eu. Deus preservará das chamas os ministros da verdadeira religião”.
A proposta do missionário desconcertou os assistentes. Os marabus não manifestaram qualquer desejo de tentar a prova do fogo. Um Imã, que se encontrava ali, afastou-se prudentemente.
- “Entrarei, pois, sozinho na fogueira -, declarou Francisco. Se morrer, atribui isso aos meus pecados; mas se, pelo contrário, não sofrer qualquer dano, reconhecei este sinal a verdade”.
Havia nas suas palavras uma tal expressão de sinceridade, que o Sultão não escondeu a admiração.

Não aceitou o oferecimento de São Francisco: não queria converter-se; mas recomendou-se às suas orações e cumulou-o de presentes. Francisco declinou as ofertas do príncipe e retirou-se.
Quando chegou ao acampamento dos católicos, foi melhor recebido que
antes. Os cruzados maravilhados com tanta coragem, ouviram docilmente
as pregações.

Francisco recrutou entre as suas fileiras diversas vocações para a sua Ordem. Depois, embarcou para a Itália.
Não conseguiria arrebatar a dupla vitória por que tanto aspirava: não convertera o Sultão; não derramara o sangue pela fé. Deus, que queria fazer dele um crucificado vivo, reservava-o para o sublime e doloroso martírio do Amor.
*   *   *
Fonte: retirado do livro “São Francisco de Assis” do Rev. Pe. Thomas de Saint-Laurent.

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.