Saber-Literário

Diário Literário Online

A mulher tem arte R. Santana

Postado por Rilvan Batista de Santana 24/06/2015

 A mulher tem arte
R. Santana


Eu não estava lá nem vi com os meus olhos que um dia a terra há de comer, mas o meu amigo Tanaguchi estava lá, ele e a mulher tinham ido comemorar as bodas de prata no “Motel Carinhoso”, o primeiro do gênero nas bandas de Itabuna, antes, os jovens e os menos jovens recorriam aos castelos das caftinas. Deve-se esclarecer, para o bem da verdade, que não existe diferença objetiva entre os bordeis do passado e os motéis de hoje, salvo, na sofisticação dos serviços e no luxo.
            Depois de muito “sapeca-iaiá”, boa bebida, boa comida, o casal Tanaguchi resolve esticar a comemoração de suas bodas de prata em uma boate, aliás, dançar é o hobby principal de Tanaguchi e esposa, fregueses assíduos da boate “House Music Bar”, fecharam a conta do motel. Na saída, em frente à guarita, encontraram uma mulher descontrolada que esculhambava o marido:
- Vagabundo! Galinha! Filho de uma puta! – o marido apaziguava:
- Calma, não é o que você está pensando... - lívido.
- Ah! Não? Estou pensando o quê? Não me venha com churumelas, deixe de cinismo... não estou pensando... eu lhe vi com esta vagabunda - tentou agredir a moça - saindo do motel... você quer tampar os olhos com uma peneira, cachorro!? – irritada cada vez mais.
- Amorzinho...
- Não me chame de “amorzinho”!
- Está bem!  Eu deito o rei! Mas, não sou o mais culpado!
- Ah, existe outro culpado?
- Sim!
- Desembuche!
- Deixe pra lá... – de repente, bateu-lhe uma desconfiança:
- Compadre Josué com você... Aqui!?
-Ai de mim se não fosse o compadre Josué... Você está desconfiando deste homem de igreja, bem casado, hein?
-Longe de mim duvidar do compadre. Só queria entender como vocês vieram parar neste lugar!


-Simples: recebi um telefonema anônimo que ia lhe encontrar aqui, aí, chamei o compadre para me acompanhar. Queria que eu viesse sozinha para este antro de perdição?
- Não amorzinho, você é uma mulher séria, jamais duvidei de sua fidelidade, eu que pisei na bola. Perdoa-me?
- Quem perdoa é Deus!
- Então, me desculpa? 
- Está desculpado, mas não torne outra! – depois que valorizou o pedido.
Tanaguchi jurou de pés juntos que os entretantos e os finalmentes foram resolvidos. Pouco tempo depois, parecia que nada havia acontecido: a esposa se jogou nos braços do marido, o compadre se orgulhava do dever cumprido e a moça causa do imbróglio tomou chá de sumiço. Se um viandante desavisado passasse por ali, diria que em suas andanças nunca havia encontrado outro casal mais feliz.
-Tanaguchi não tem nada de especial nesta história! – explodi:
- A presença de espírito da mulher, mais dissimulada do que Capitu!
- Não entendi!
- Depois que o casal saiu com o compadre, o porteiro muito discretamente, cheio de dedos, contou-nos que ela e o “compadre” eram useiros e vezeiros ali. Naquela noite, ela tinha dado de testa com o marido na entrada do motel, aí, aprontou aquele barraco e saiu-se muito bem. Entendeu, agora, a saída espirituosa da mulher?
- Que coisa, Tanaguchi! Meu Deus!
- Meu amigo Narvil, a mulher tem arte...

Autoria: Rilvan Batista de Santana

Licença: Creative Commons

0 comentários

Postar um comentário

Recomende este blog!!!

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Perfil

Perfil
Administrador

Perfil

Perfil
Antônio Cabral Filho - Escritor e coadministradores

Estatística Google (Visualizações)

Google Tradutor

Patrono

Patrono
Machado de Assis

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Tecnologia do Blogger.